Margarida Rebelo Pinto
Margarida Rebelo Pinto Pessoas Como Nós

Notícia

Mata e Esfola

Que bom que estava aquele gelado. O teu e o meu. Quem nunca misturou limão com chocolate não percebe nada de prazer
23 de agosto de 2019 às 19:58
...
Mata e Esfola

E lá fomos nós comer um gelado, como tínhamos combinado dias antes, saboreado no reino da antecipação de sonhar, momento e momento e gesto a gesto, o reencontro. Acho que nenhum de nós estava nervoso, embora não negue que, do meu lado, a alegria reinou ao longo de todo o dia, desde que recebi a tua mensagem pela fresca da manhã, a confirmar o desejo de me ver.

Escolho sempre o mesmo sabor, caramelo com flor de sal, como um ritual, e o segundo, para desenjoar, é quase sempre diferente. Se calhar é porque faço mais ou menos tudo assim na minha vida: uma parte é regida pela segurança, pela força da rotina, pelas escolhas mais acertadas, pelas decisões de valor seguro. Mas existe sempre a outra parte que me faz arriscar, confiar na sorte, nunca ter medo de nada, atirar-me para a piscina sem experimentar a temperatura da água e abrir as asas sempre que me apetece, tantas vezes sem alinhar os fios do para-quedas. Isso é o meu outro lado, para lá da sensatez e da razão, aquele que mais me estimula e o que mais assusta a minha mãe, toda ela razão e fundamentos lógicos, cartesiana de corpo e alma, para quem as fantasias líricas alheias são um sinal de falta de foco, quando não de fraqueza.

Uma das coisas que mais gosto em ti é seres mais terrível do que eu. No início não se dá por nada. Tens aquele ar arrumado e composto dos meninos que andaram sempre nos melhores colégios e passaram férias da Páscoa em quintas de família. Os modos são irrepreensíveis e a educação também, Atenção, porque uma coisa não se deve confundir com a outra; o mundo está cheio de palermas polidos a quem as mulheres ensinaram a abrir as portas e a caminhar do lado de fora do passeio a quem falta as bases de uma educação sólida. Ser bem-educado é outra coisa, nem vamos por aí porque ninguém tem tempo a perder.

Que bom que estava aquele gelado. O teu e o meu. Quem nunca misturou limão com chocolate não percebe nada de prazer. Sentámo-nos no canto mais sossegado e conversámos sobre mil coisas, enquanto eu saqueava sem cerimónia a teu cone. Eu misturo os assuntos sem querer, é como a minha cabeça funciona, assim que puxo um, saltam logo mais quatro ou cinco. Tenho sempre histórias para contar, episódios engraçados, apartes, comentários trocistas, o meu raciocínio nunca foi lógico nem linear, não é bom nem mau, é assim. Mas o que eu gosto em ti é que toda esta complexidade parece divertir-te. Ouves-me sempre com atenção e interesse, como se quisesses entender tudo o que digo e tudo o que fica por dizer, e eu penso que grande parte do entendimento do outro vem da nossa vontade. O amor é sobretudo vontade, não é? Vontade de tudo, dirias tu, que és o meu mata-e-esfola já em tantas coisas em tão pouco tempo. Às vezes a vida é generosa e traz-nos pessoas que, não sendo parecidas connosco, olham para o mundo de uma forma tão idêntica que parece que o Universo está a gozar com a nossa cara, mas não está. Apenas tivemos sorte. Ou, como dizem aqueles que se refugiam na fé de Cristo, Deus é grande. Se assim for, então Deus às vezes é muito grande.

O Verão chegou tarde e eu estava há muito tempo à espera de conhecer uma pessoa como tu. Não leves demasiado a sério o que te digo, talvez as circunstâncias estejam apenas a jogar mais a teu favor do que poderias acreditar. Nunca saberemos como podia ter sido se nos tivéssemos conhecida há cinco anos. O mais certo era nunca ter dado certo. E mesmo agora, quem sabe o que vai acontecer?

Ficámos mais de uma hora a conversar, sempre que estamos juntos é como se os telemóveis se desligassem por sua conta e risco, não queremos saber de mais nada para lá das nossas conversas e do nosso riso, sempre na ponta da língua, sempre no fio da navalha. Horas mais tarde, vejo-te a voar baixinho com o teu capacete onde cabe a lua e volto para casa sem pensar como vai ser o dia amanhã para não estragar o momento.

Gosto de pensar que a vida é sábia e que Deus é grande, que o Universo conspira a meu favor e que as estrelas e planetas que brilham no firmamento não estão colados ao teto do mundo naquelas posições por mero acaso. Se quiseres candidatar-te ao posto de Mata-e-Esfola no meu coração, talvez eu abra uma vaga. Só há uma e o processo não vai a concurso. Sou eu que escolho. Afinal, são sempre as mulheres que escolhem os homens, não há volta a dar. E ainda bem.

Mais notícias de O Tal Canal

Os murros de José Alberto Carvalho

Os murros de José Alberto Carvalho

Morreu-lhe uma tia, de 93 anos, e não pôde despedir-se dela. Era a sua segunda mãe. O jornalista da TVI partilhou os seus sentimentos em direto, no Jornal das 8, e deu-nos uma lição. A chorar por dentro, mas de pé. Como as árvores.
Venceremos!

Venceremos!

A TVI copiou a ‘Terra Brava’? E a SIC copiou quem? O que interessa é que ‘Quer o Destino’ é uma boa novela. Quando o balão de Bárbara Guimarães começa a esvaziar e Cristina Ferreira se fechou em casa, Jorge Gabriel ou Tânia Ribas de Oliveira assumem uma missão. Parabéns!
Vou ali e já venho

Vou ali e já venho

Tenho 44 anos e herdei um andar no Dafundo, perto da estação. Era a casa dos meus avós, como sou filha única e neta única do lado da minha mãe, ela ofereceu-mo quando me licenciei. Agora estou fechada em casa como o resto do mundo e dou aulas aos meus alunos pelo computador.
Cláudio Ramos arrasa SIC

Cláudio Ramos arrasa SIC

Depois de dizer que tem “a certeza” de que um dos melhores momentos da vida de Cristina Ferreira foi trabalhar consigo, o apresentador revelou que não foi valorizado na estação de Paço de Arcos. A guerra começou.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;