Pedro Chagas Freitas
Pedro Chagas Freitas Dicionário do amor

Notícia

Nadar

Nadar: v. habilidade que consiste em fazer de tudo para não ir ao fundo; o mesmo que amar.
25 de setembro de 2017 às 07:00
...
Nadar
Foto: Getty Images
  1.  

Quando abriu a porta, tudo mudou. Ou, na verdade, terá ficado tudo na mesma mesmo que tudo se tenha alterado. O que aconteceu conta-se em poucas palavras:

Era uma vez uma mulher que acreditava que o fim do mundo era o final do amor – uma mulher, no fundo, como todas as mulheres; mais ainda: uma pessoa como todas as pessoas. Eis que um dia essa mulher encontrou um instante revelador (quem nunca teve um momento destes que atire a primeira pedra, ou que a fume, pelo menos): um pedaço de papel pousado num banco de jardim, rasgado de um dos lados. O que dava a ler era só isto:

Ao meio dia.

Hotel 203.

Quarto 112.

É certo que esta mulher tinha emprego, é certo que teria de entrar ao trabalho em menos de dez minutos, mas também é verdade que a curiosidade é algo muito forte no interior de um humano – há até quem diga que a curiosidade vale mais do que a inteligência, vejam lá. E assim seria: a curiosidade ganhou a batalha e esta mulher resolveu (foi obrigada pela curiosidade) fazer gazeta ao que teria de fazer e dedicou o tempo que tinha pela frente à procura desenfreada pelo hotel e pelo quarto. Não se sabe para quê, nunca se soube para quê – nem ela própria, provavelmente, saberia porquê. Mas foi: percorreu os hotéis da cidade em todos os mapas, em todos os motores de busca. Mas nada: nenhum tinha aquele nome. O que seria, afinal, aquilo?

Desistiu, como todos desistem, quando o corpo mandou: quando as forças desistiram. Passamos a vida a falar de alma mas é quase sempre o corpo a decidir o que somos, que parvoíce. Regressou a casa, autocarro cheio, suores, cheiros, confusões, vidas perdidas no meio de vidas perdidas.

 - O quê?

 Ao abrir, por acaso, a página digital de um jornal qualquer, encontrou a notícia que lhe fez a pernas tremerem: e aqui está de novo o corpo a decidir tudo: tremem as pernas e tudo treme no meio de nós.

 - Não pode ser, não pode ser! Não pode ser!

 Disse-o três vezes por fora, muitas mais por dentro. Mas podia ser. Era mesmo: a sua empresa, o edifício da sua empresa, para sermos mais concretos, tinha acabado de explodir.

 - Não, não! Não!

 Que mania, esta, a dos humanos: precisamos de repetir alto o que nos custa a assimilar; precisamos de ouvir o que não queremos pensar, viva a incoerência.

 - E agora?

 Desta vez disse-o apenas uma vez, toda a gente, naquele autocarro, a olhá-la como se olhassem um fantasma; bem podia sê-lo – um fantasma – não fosse a curiosidade, não fosse aquele papel no banco de jardim. Há letras que nos salvam a vida, sempre ouvira dizer. 

 Acordou, bem cedo, obrigada pelo som da campainha. Uma encomenda.

 - O que será?

 Bate, coração; bate, coração: sim, era outra vez o corpo a mandar no resto – se ainda havia dúvidas sobre quem dita leis aqui ficam elas dissipadas. Embrulha lá esta, ó céptico.

É hora de fechar a narrativa: temos mais que fazer e o leitor também, certamente. Cá vai aço, então: um livro. É isso o que se encontra ali. O título: Hotel 203 – um thriller clássico, carregado de suspense. Algures lá pelo meio, uma dedicatória.

A curiosidade matou o gato mas salvou a mulher.

Eram apenas estas as palavras do texto, escrito à mão, colocado no capítulo quarto, mais propriamente na página 112.
Um terrorista apaixonado é a coisa mais fofinha do mundo, não é?

Quando abriu a porta, tudo mudou.

Nadar: v. movimento que, embora extremamente técnico, não deixa de ser extremamente instintivo; o mesmo que amar.

Mais notícias de Pessoas Como Nós

Balada dos Monstros

Balada dos Monstros

Para os monstros não há regras nem limites, apenas desejos e obsessões, para eles o próximo não tem valor humano, porque só existe para os servir.
O poder da fé

O poder da fé

Na década de 90 Marco Paulo fintou o destino. A crença, a vontade de viver e servir uma autêntica legião de fãs agarraram-no à vida. Agora não será diferente.
COMO F*DER UM CASAMENTO  18. PASSAR UM DIA SEM UM BEIJO.

COMO F*DER UM CASAMENTO 18. PASSAR UM DIA SEM UM BEIJO.

Saíste. E nem um beijo. Simplesmente foste. Tinhas certamente muito em que pensar, a empresa, as preocupações, as contas para pagar, os desafios que te esperam, mas foste sem um beijo. Deixaste um até logo distante, que quando foi falado já não estava aqui.
Cláudio Ramos atacado por cobardes

Cláudio Ramos atacado por cobardes

Deixou Cristina Ferreira e a SIC e partiu para a TVI, onde vai começar por apresentar o ‘Big Brother’. Fez bem, apesar do que muitos lhe estão a fazer.
Retrato de um namorado parasita

Retrato de um namorado parasita

A minha mulher é um furacão. É mais bonita do que eu, mais nova do que eu, mais bem educada do que eu, mais forte do que eu. Mas sou eu quem manda, porque ela gosta mais de mim do que dela e essa regra, meus amigos, só se aprende depois dos quarenta.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;