Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores piquete de polícia

Notícia

O Tempo das Flores

Uma esperança iluminada que sacudiu o País abrindo as mãos cheias de humanidade e de sorrisos.
30 de abril de 2017 às 07:00

Foi há quarenta e três anos. Aquele abril trazia sol no ventre. Uma esperança iluminada que sacudiu o País abrindo as mãos cheias de humanidade e de sorrisos. Aquele Abril cheirava a cravos e a sonhos. Um ponto final no tempo negro, feio, onde a liberdade tinha prisões, os livros escondiam-se, por serem proibidos, as palavras consideradas perigosas, riscadas a azul, interditas a qualquer jornal. Um tempo ruim, feito de guerra, medo e fome e aquele abril prometia claridade em todas as madrugadas que se lhe seguissem. Foi a Festa. Nesse ano, as flores da primavera, nasceram com um singular sorriso nas pétalas. Ia cumprir-se o desígnio do poeta António Gedeão: o sonho comandaria a vida.

O tempo chegou aqui e a História não pode ser injusta. O Portugal de hoje está bem distante do outro Portugal mirrado pelo medo. Não foi só o país que mudou. A acelerada transformação do mundo, graças às novas tecnologias, introduziu outra velocidade à mudança. Multiplicaram-se as escolas, as estradas e hospitais. O flagelo do analfabetismo caiu, a infelicidade da mortalidade infantil diminuiu drasticamente, a Europa escancarou as portas e os nossos olhares tornaram-se mais longínquos. As flores deram bons frutos e esse já longe abril foi farto e esperançoso.

Porém, a felicidade é apenas um momento. Nunca é a eternidade. Para trás, também ficaram feridas e prantos e sementes malignas de traição aos sonhos de Gedeão. Como fantasmas surgidos das penumbras do passado, os caciques regressaram, embora com farpelas democráticas, os predadores instalaram-se, aos poucos a miséria regressou, uma nova violência nasceu, o País falido entregou-se aos credores, a soberania falida submeteu-se aos que mandam em Bruxelas, a ausência de carácter e honradez dos novos senhores atirou-nos para o poço dos pesadelos. A felicidade deixou de passar com tanta frequência por aqui. Valeu a pena a caminhada? Valeu. Mas precisávamos que esse Abril das flores regressasse outra vez para nos amamentar com esperança.

Mais notícias de Pessoas Como Nós

Balada dos Monstros

Balada dos Monstros

Para os monstros não há regras nem limites, apenas desejos e obsessões, para eles o próximo não tem valor humano, porque só existe para os servir.
O poder da fé

O poder da fé

Na década de 90 Marco Paulo fintou o destino. A crença, a vontade de viver e servir uma autêntica legião de fãs agarraram-no à vida. Agora não será diferente.
COMO F*DER UM CASAMENTO  18. PASSAR UM DIA SEM UM BEIJO.

COMO F*DER UM CASAMENTO 18. PASSAR UM DIA SEM UM BEIJO.

Saíste. E nem um beijo. Simplesmente foste. Tinhas certamente muito em que pensar, a empresa, as preocupações, as contas para pagar, os desafios que te esperam, mas foste sem um beijo. Deixaste um até logo distante, que quando foi falado já não estava aqui.
Cláudio Ramos atacado por cobardes

Cláudio Ramos atacado por cobardes

Deixou Cristina Ferreira e a SIC e partiu para a TVI, onde vai começar por apresentar o ‘Big Brother’. Fez bem, apesar do que muitos lhe estão a fazer.
Retrato de um namorado parasita

Retrato de um namorado parasita

A minha mulher é um furacão. É mais bonita do que eu, mais nova do que eu, mais bem educada do que eu, mais forte do que eu. Mas sou eu quem manda, porque ela gosta mais de mim do que dela e essa regra, meus amigos, só se aprende depois dos quarenta.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;