Paulo Abreu
Paulo Abreu O Tal Canal

Notícia

“Porrada” na Júlia Pinheiro

Há quase oito anos na SIC, a apresentadora só agora consegue dar um sinal da sua graça, ao vencer a rival da TVI, Fátima Lopes. Quem lhe fez o funeral, provavelmente enganou-se.
03 de novembro de 2018 às 11:21
...
“Porrada” na Júlia Pinheiro
1. Já dei aqui muita "porrada" a Júlia Pinheiro – entenda-se críticas aos (maus) resultados que alcançou desde que regressou à SIC há quase oito anos. Afinal, foram vários os programas a que deu a cara e que – provaram os números – foram um insucesso: ‘Peso Pesado’, ‘Splash! Celebridades’, ‘Querida Júlia’, ‘Sabadabadão’ e ‘Queridas Manhãs’. Neste horário, por exemplo, deu tudo aquilo que sabia e não sabia, acreditando sempre que um dia os espectadores lhe reconheceriam a sua seriedade no trabalho efectuado, mas a verdade é que nunca conseguiu bater a concorrência directa, nomeadamente a TVI.

Os erros acumulavam-se, a estratégia revelava-se por vezes pobre, e, em Queluz de Baixo, afinal, morava a melhor dupla da televisão portuguesa: Cristina Ferreira e Manuel Luís Goucha. Reconheça-se que também não era fácil. Para não dizer impossível. Porém, com a última revolução operada em Carnaxide – Francisco Pedro Balsemão até conseguiu desviar Cristina Ferreira da TVI –, Júlia Pinheiro ganhou um novo fôlego, agora nas tardes, horário que tão bem conhece.

E num espaço de menos de um mês a apresentadora já venceu a rival Fátima Lopes, eterna campeã, vários dias. Ainda é cedo para fazer o primeiro balanço desta guerra que só a 8 de Outubro começou, mas uma coisa é certa: quem lhe fez o funeral – e eu fiz alguns, assumo –, provavelmente enganou-se.

2. A TVI envia para a recta final da campanha presidencial do Brasil o craque da redacção – Judite Sousa –, bate os seus adversários principais, Luís Baila e Cândida Pinto, e depois, continuando a levar isto para o plano futebolístico, na hora de levantar o troféu, desapareceu. Foi o que aconteceu no domingo à noite, dia 28.

Jair Bolsonaro vence as eleições, faz o discurso da vitória, e a estação de Queluz de Baixo não o transmitiu. A opção de Sérgio Figueiredo, o director de Informação, recaiu na emissão de ‘Livre e Directo’. Imperdoável. Valeram-me, nessa hora, a RTP3, a SIC Notícias e a CMTV, mesmo que fosse para ouvir as patetices de Donald Trump II.

3. Deixo uma pergunta de rodapé: Luís Costa Ribas, correspondente da SIC em Washington há quase 30 anos, anda a fazer peças para a estação de Carnaxide em sua casa, com uma estante de livros por trás? Não há orçamento para mais? Surreal.

Mais notícias de No meu Sofá

Os murros de José Alberto Carvalho

Os murros de José Alberto Carvalho

Morreu-lhe uma tia, de 93 anos, e não pôde despedir-se dela. Era a sua segunda mãe. O jornalista da TVI partilhou os seus sentimentos em direto, no Jornal das 8, e deu-nos uma lição. A chorar por dentro, mas de pé. Como as árvores.
Venceremos!

Venceremos!

A TVI copiou a ‘Terra Brava’? E a SIC copiou quem? O que interessa é que ‘Quer o Destino’ é uma boa novela. Quando o balão de Bárbara Guimarães começa a esvaziar e Cristina Ferreira se fechou em casa, Jorge Gabriel ou Tânia Ribas de Oliveira assumem uma missão. Parabéns!
Vou ali e já venho

Vou ali e já venho

Tenho 44 anos e herdei um andar no Dafundo, perto da estação. Era a casa dos meus avós, como sou filha única e neta única do lado da minha mãe, ela ofereceu-mo quando me licenciei. Agora estou fechada em casa como o resto do mundo e dou aulas aos meus alunos pelo computador.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;