Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues Televisão Meu Amor

Notícia

Terror sem imagens

Para todos os que se queixam da violência das imagens, o ataque nas Ramblas é sintomático: sem essa testemunha fiel, mais facilmente o medo se impõe e monopoliza o quotidiano.
25 de agosto de 2017 às 10:29

Há muito poucas imagens do atentado de Barcelona. Na realidade, no momento em que escrevo, só há uma. Foi registada pelo sistema de vídeo-vigilância do museu erótico da cidade. A câmara estava virada para uma janela por onde se vislumbra a passagem de uma carrinha a grande velocidade.

É o único vídeo recolhido durante o atropelamento da multidão. A  imagem seguinte que o mundo conheceu mostra a carrinha já abandonada em cima do mosaico de Miró, um círculo desenhado no chão com recriações do pintor espanhol. O veículo foi abandonado pelo terrorista em cima dessa espécie de alvo simbólico, entretanto transformado em memorial. De resto, só há imagens de multidões em fuga, com aquele pavor próprio de quem só conhece o medo abstracto, sem causa definida, e as vítimas no chão, ou a tentarem levantar-se.

Ora, é esta inexistência de imagens que faz do ataque de Barcelona um atentado diferente. Desde a tragédia cénica das torres gémeas de Nova Iorque, planeada para ser transmitida em directo para todo o mundo, até chegarmos a este terror abstracto de Barcelona, sem imagens a não ser as do próprio medo, muita coisa mudou. Tudo funciona, agora, como se não fossem precisas imagens para vislumbrarmos o terror. O medo passou a ser tão abstracto que monopoliza o nosso quotidiano. Por absurdo, podemos considerar que nem é necessário haver um atentado para termos todos medo do terrorismo.

Essa é a primeira batalha que temos de vencer para derrotar o mal. O medo não pode ser abstracto, tem de ter imagens e ser objectivo. Só assim venceremos a guerra contra o terrorismo. 

Mais notícias de O Tal Canal

Venceremos!

Venceremos!

A TVI copiou a ‘Terra Brava’? E a SIC copiou quem? O que interessa é que ‘Quer o Destino’ é uma boa novela. Quando o balão de Bárbara Guimarães começa a esvaziar e Cristina Ferreira se fechou em casa, Jorge Gabriel ou Tânia Ribas de Oliveira assumem uma missão. Parabéns!
Vou ali e já venho

Vou ali e já venho

Tenho 44 anos e herdei um andar no Dafundo, perto da estação. Era a casa dos meus avós, como sou filha única e neta única do lado da minha mãe, ela ofereceu-mo quando me licenciei. Agora estou fechada em casa como o resto do mundo e dou aulas aos meus alunos pelo computador.
Cláudio Ramos arrasa SIC

Cláudio Ramos arrasa SIC

Depois de dizer que tem “a certeza” de que um dos melhores momentos da vida de Cristina Ferreira foi trabalhar consigo, o apresentador revelou que não foi valorizado na estação de Paço de Arcos. A guerra começou.
Às vezes

Às vezes

Eu era a imediata da minha mãe, era assim que me chamava, és o meu braço direito e esquerdo, dizia.
Parabéns CMTV!

Parabéns CMTV!

Sete anos depois a CMTV continua na linha da frente com as notícias que marcam a história do país e do mundo. O canal do 'Correio da Manhã' está mais próximo do que nunca dos portugueses na luta contra o Covid-19.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;