Margarida Rebelo Pinto
Margarida Rebelo Pinto Pessoas Como Nós

Notícia

Um amor feliz

Convidaram-me para ir jantar, simpatia que declinei por ausência de fome e vontade de voltar para casa onde o silêncio me envolve como um manto sempre que meto a chave à porta. Durante meses senti-me sufocada por ele, até o domar como um cão de circo e agora sabe-me bem o sossego.
20 de abril de 2018 às 09:28
...
Um amor feliz

"Um dia destes tropeças em alguém e de repente a tua vida muda", disse a Paula enquanto cruzávamos a a Avenida da Liberdade em direção ao Príncipe Real onde agora tudo acontece. Ainda sou do tempo em que não era seguro passear nos jardins de Lisboa depois de escurecer. A cidade, que se sentiu lagarta durante tantos anos, varia agora entre o estado de crisálida sob os tapumes que anunciam a mudança e o esplendor das borboletas enquanto vivem. Os prédios antigos ganham nova vida, as rendas disparam, quem tem bens imobiliários aproveita a onda, quem ainda não comprou casa faz contas à vida. O trânsito é um caos, bares e restaurantes estão cheios, a cidade finalmente fervilha dia e noite como uma grande capital.

A Paula e eu íamos a um bar de tapas ver a bola. Eu não percebo nada de bola, mas como já aprendi a interessar-me por assuntos que me são desconhecidos, achei boa ideia. A Paula é do Benfica desde que se lembra de ser gente e conhece todas as equipas adversárias como a palma da mão. Explica os lances, as táticas e os truques de cada um em campo. Como tenho alguma dificuldade em decorar nomes de pessoas que não conheço, nunca sei se está a falar de um jogador dos leões, dos dragões ou das águias. Na verdade, consigo distinguir pouco mais do que a cor do equipamento, mas isso também é fácil porque não sou daltónica.

O bar estava cheio de gente. Portugueses das duas equipas e estrangeiros a curtir o ambiente fervilhante do novo destino mais 'trendy' da Europa. Pouco tempo depois, chegou o marido da Paula. Casaram há dois meses, depois de seis de namoro.

- Isto depois dos 40, ou pega ou rebenta - explicou-me a minha amiga quando me anunciou o enlace.  Deram o nó numa manhã fria de Janeiro, ela de vestido branco com peles ao pescoço e ele fato escuro e gravata da cor do clube que ama.

O jogo foi emocionante, mais pelo ambiente que me contagiou do que pelas habilidades técnicas da malta em campo, porque quem não sabe é como quem não vê e admito que a rapaziada no relvado terá dado tudo, mas como não sou conhecedora, não sei apreciar. Convidaram-me para ir jantar, simpatia que declinei por ausência de fome e vontade de voltar para casa onde o silêncio me envolve como um manto sempre que meto a chave à porta. Durante meses senti-me sufocada por ele, até o domar como um cão de circo e agora sabe-me bem o sossego. Desci a pé em direção ao Chiado, envolta em fachadas de crisálidas e de borboletas, virei à esquerda no Camões e pus o gorro porque pressenti a chegada da chuva.

O que não pressenti foi o teu sorriso imenso e feliz a chocar de frente com o meu na esquina do Elevador da Bica. Quase parei, depois continuei a caminhar, sentindo os teus passos trás dos meus. Desacelerei, como se fosse o vídeo-árbitro para ver tudo em câmara lenta. Queria por tudo no mundo que acertasses o teu passo com o meu para te perguntar como te chamavas. O inevitável aconteceu: perguntei-te se nos conhecíamos, tu sorriste e respondeste:

- Pensei que era uma turista russa. Esse gorro dá-lhe um ar internacional.

- Não estás longe da verdade, muitas vezes sinto-me um turista em Lisboa, a cidade está tão mudada. Podemos tratar-nos por tu?

Parece-me que estávamos os dois a sorrir muito, porque ficámos calados. A chuva começou a cair e saltámos para um Uber que apareceu por magia.

- És mágico?

- Não, mas já fui futebolista, às vezes é parecido. E tu fazes o quê?

- Sou cantora lírica.

-  Oh! Nunca fui à opera - disseste abanando a cabeça.

- Deixa lá, eu também não sei nada de futebol.

E foi assim que tudo mudou de repente, numa esquina da cidade da moda onde tudo pode acontecer. "Se tivesse pedido sobremesa, não te teria conhecido", disseste-me já de madrugada, num abraço sem fim.

Desde esse dia nunca pedimos sobremesa, bebemos o café de um só gole e voltamos para casa onde somos felizes.

Mais notícias de O Tal Canal

TVI em chamas

TVI em chamas

O Programa de Fernanda Serrano antes do 'Jornal das 8' não lembra a ninguém. E as audiências são implacáveis – perdão, os portugueses. A primeira aposta de Felipa Garnel é um fracasso.
Geração Impulse

Geração Impulse

Esta história não é minha, é da minha amiga Alice, da minha prima Luísa, da minha colega de trabalho Sofia, de milhões de mulheres espalhadas pelo mundo que estão solteiras e que, entre duas relações, recorrem à reanimação de um namoro antigo ou de um caso mal resolvido para se sentirem vivas.
Costa tem mais audiência

Costa tem mais audiência

No balanço da primeira semana de debates televisivos, o duelo entre o líder do PS e o líder do PCP foi o mais visto até ao momento. Curiosamente, a coordenadora do Bloco de Esquerda é quem tem menos espectadores nos debates emitidos em antena aberta.
Orgulho em ser português!

Orgulho em ser português!

Venho, desde há uns tempos a esta parte a olhar com outros olhos para o cinema português. É gritante a evolução e a maturidade adquirida nos últimos anos. Realização, produção e elencos fortes começam a fazer acreditar que um dia a voz da sétima arte lusitana vai fazer-se ouvir com estrondo além-fronteiras.
O amor é...

O amor é...

...o que não precisamos para nada e sobretudo o que precisamos para tudo.
Golfinhos no Tejo

Golfinhos no Tejo

Só me interessam os amigos com quem atravessei a vida e que vão ficar para sempre.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!