Margarida Rebelo Pinto
Margarida Rebelo Pinto Pessoas Como Nós

Notícia

Um amor feliz

Convidaram-me para ir jantar, simpatia que declinei por ausência de fome e vontade de voltar para casa onde o silêncio me envolve como um manto sempre que meto a chave à porta. Durante meses senti-me sufocada por ele, até o domar como um cão de circo e agora sabe-me bem o sossego.
20 de abril de 2018 às 09:28
...
Um amor feliz

"Um dia destes tropeças em alguém e de repente a tua vida muda", disse a Paula enquanto cruzávamos a a Avenida da Liberdade em direção ao Príncipe Real onde agora tudo acontece. Ainda sou do tempo em que não era seguro passear nos jardins de Lisboa depois de escurecer. A cidade, que se sentiu lagarta durante tantos anos, varia agora entre o estado de crisálida sob os tapumes que anunciam a mudança e o esplendor das borboletas enquanto vivem. Os prédios antigos ganham nova vida, as rendas disparam, quem tem bens imobiliários aproveita a onda, quem ainda não comprou casa faz contas à vida. O trânsito é um caos, bares e restaurantes estão cheios, a cidade finalmente fervilha dia e noite como uma grande capital.

A Paula e eu íamos a um bar de tapas ver a bola. Eu não percebo nada de bola, mas como já aprendi a interessar-me por assuntos que me são desconhecidos, achei boa ideia. A Paula é do Benfica desde que se lembra de ser gente e conhece todas as equipas adversárias como a palma da mão. Explica os lances, as táticas e os truques de cada um em campo. Como tenho alguma dificuldade em decorar nomes de pessoas que não conheço, nunca sei se está a falar de um jogador dos leões, dos dragões ou das águias. Na verdade, consigo distinguir pouco mais do que a cor do equipamento, mas isso também é fácil porque não sou daltónica.

O bar estava cheio de gente. Portugueses das duas equipas e estrangeiros a curtir o ambiente fervilhante do novo destino mais 'trendy' da Europa. Pouco tempo depois, chegou o marido da Paula. Casaram há dois meses, depois de seis de namoro.

- Isto depois dos 40, ou pega ou rebenta - explicou-me a minha amiga quando me anunciou o enlace.  Deram o nó numa manhã fria de Janeiro, ela de vestido branco com peles ao pescoço e ele fato escuro e gravata da cor do clube que ama.

O jogo foi emocionante, mais pelo ambiente que me contagiou do que pelas habilidades técnicas da malta em campo, porque quem não sabe é como quem não vê e admito que a rapaziada no relvado terá dado tudo, mas como não sou conhecedora, não sei apreciar. Convidaram-me para ir jantar, simpatia que declinei por ausência de fome e vontade de voltar para casa onde o silêncio me envolve como um manto sempre que meto a chave à porta. Durante meses senti-me sufocada por ele, até o domar como um cão de circo e agora sabe-me bem o sossego. Desci a pé em direção ao Chiado, envolta em fachadas de crisálidas e de borboletas, virei à esquerda no Camões e pus o gorro porque pressenti a chegada da chuva.

O que não pressenti foi o teu sorriso imenso e feliz a chocar de frente com o meu na esquina do Elevador da Bica. Quase parei, depois continuei a caminhar, sentindo os teus passos trás dos meus. Desacelerei, como se fosse o vídeo-árbitro para ver tudo em câmara lenta. Queria por tudo no mundo que acertasses o teu passo com o meu para te perguntar como te chamavas. O inevitável aconteceu: perguntei-te se nos conhecíamos, tu sorriste e respondeste:

- Pensei que era uma turista russa. Esse gorro dá-lhe um ar internacional.

- Não estás longe da verdade, muitas vezes sinto-me um turista em Lisboa, a cidade está tão mudada. Podemos tratar-nos por tu?

Parece-me que estávamos os dois a sorrir muito, porque ficámos calados. A chuva começou a cair e saltámos para um Uber que apareceu por magia.

- És mágico?

- Não, mas já fui futebolista, às vezes é parecido. E tu fazes o quê?

- Sou cantora lírica.

-  Oh! Nunca fui à opera - disseste abanando a cabeça.

- Deixa lá, eu também não sei nada de futebol.

E foi assim que tudo mudou de repente, numa esquina da cidade da moda onde tudo pode acontecer. "Se tivesse pedido sobremesa, não te teria conhecido", disseste-me já de madrugada, num abraço sem fim.

Desde esse dia nunca pedimos sobremesa, bebemos o café de um só gole e voltamos para casa onde somos felizes.

Mais notícias de O Tal Canal

Bruno Nogueira na TVI

Bruno Nogueira na TVI

O protagonista de ‘E Como É Que O Bicho Mexe?’ prendeu no último live, no Instagram, 170 mil pessoas, incluindo Cristiano Ronaldo e Bruno Fernandes. Seria uma grande contratação da estação de Queluz de Baixo para fazer frente a Ricardo Araújo Pereira, na SIC, mas será que o dinheiro e a estabilidade só chegam para ir buscar Marco Horácio?
A TVI tem (bom) destino

A TVI tem (bom) destino

A nova novela da estação de Queluz de Baixo, gravada no Ribatejo, é um bálsamo na ficção nacional, com Pedro Teixeira em bom plano e outros atores a assinarem interpretações fantásticas. Luís Esparteiro, Marina Mota e Pedro Sousa são três rostos deste sucesso.
O dia mau de Rodrigo Guedes de Carvalho

O dia mau de Rodrigo Guedes de Carvalho

O que sobrou de útil da entrevista do jornalista da SIC à ministra da Saúde, Marta Temido, na SIC? Muito pouco, comparado com o ruído criado – e as centenas de insultos. E quando assim é, alguém fez mal o seu trabalho.
A dívida de Andreia Rodrigues a Ricardo Araújo Pereira

A dívida de Andreia Rodrigues a Ricardo Araújo Pereira

Na guerra dos reality shows, a SIC levou a melhor sobre a TVI no primeiro duelo. Como se esperava, aliás. Afinal, o humorista deu 1 milhão e 900 mil espetadores ao ‘Agricultor’… e José Alberto Carvalho 1 milhão e 163 mil a Cláudio Ramos. As contas são estas, neste momento, com o ‘Big Brother’ a ter tudo para crescer na próxima semana.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;