Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

A tragédia

É que quatro meses depois, em Pedrógão Grande contam-se pelos dedos da mão os sinais de recuperação. Nem os fundos de solidariedade criado com o dinheiro que generosamente oferecemos ainda não havia chegado às vítimas.
22 de outubro de 2017 às 07:44
...
A tragédia
Foto: Lusa

Sabia-se que ia ser assim. O manifesto de incompetência e desorganização, de desleixo e desorientação que fora revelado nos trágicos acontecimentos de Pedrógão Grande era a montra que deixava ver o que o governo tinha para mostrar, caso condições meteorológicas adversas regressassem com a mesma violência. Sabia-se, até, que poderia ser bem mais grave, pois que os passeios, às zonas ardidas, por governantes sem escrúpulos prometendo rápida ajuda, não tinha passado de isso mesmo, passeios para surgirem nas televisões e mostrar aos distraídos como estavam preocupados. Não estavam nada. Nem preocupados, nem solidários. É que quatro meses depois, em Pedrógão Grande contam-se pelos dedos da mão os sinais de recuperação. Nem os fundos de solidariedade criado com o dinheiro que generosamente oferecemos ainda não havia chegado às vítimas.

A quinze de Outubro o filme tornou-se a repetir. De maneira mais difusa, matando gente em vários pontos do País. Mais de cem mortos, coisa nunca vista, são o saldo do desmazelo. Desta vez, incapazes de esconder a incompetência, respondendo com arrogância. O primeiro ministro revelou-se quem era. O especialista em joguetes políticos em Lisboa, incapaz de compreender a tragédia dos campos. Uma ministra de cabeça perdida, recordando que ainda não tivera férias por causa de tanta maçada. A pesporrência levou-a a esquecer que, por causa da inépcia dos seus serviços, mais de cem almas nunca mais terão férias. O Secretário de Estado atirou-se às populações que ficavam de braços cruzados á espera dos bombeiros. O homem não vê televisão. Talvez não fosse insultuoso para quem se deu ao combate ao fogo, recorrendo a baldes, panelas, vassouras. Aquilo que dói nas imagens é exatamente esse esforço, até ao sacrifício da vida, de bombeiros e populares enfrentando a brutalidade das chamas.

Foi preciso o Presidente da República dar o maior puxão de orelhas que já se viu, perante milhões de portugueses, para que este grupo de gente despertasse da sua indiferença. A ministra envergonhou-se e foi-se embora. Vai finalmente de férias. Porém, as causas de tanto desleixo ficam no sítio onde estão. Á espera que, um dia, alguém menos cínico, as possa resolver

Mais notícias de Piquete de polícia

Adeus, 2019!

Adeus, 2019!

O ano que termina não trouxe grandes notícias.
Escola e violência

Escola e violência

Uma comunidade contaminada pela incapacidade do juízo crítico e fome de saber está condenada ao fracasso e a ser dominada pelos medíocres que se formaram em ‘chico-espertice’.
E se for crime?

E se for crime?

Nos últimos tempos multiplicaram-se movimentos anti-científicos, de índole salvífica. É neste contexto que deve ser compreendida a atitude de certos pais que recusam vacinar os seus filhos, deixando-os expostos a uma imensidão de riscos em que a morte espreita.
O hábito e o monge

O hábito e o monge

Em nome de uma fé cega, e sem vigilância crítica, é possível encontrar resquícios do Portugal antigo, medieval, sujeito à crença, dominado pela crueldade de um sacerdote. Foi assim há muito tempo. É assim hoje.
Meninos sossegados

Meninos sossegados

É vulgar encontrar pais que exaltam as virtudes dos seus filhos – o que não é de estranhar – com um conforto especial. A explicação é invariavelmente a seguinte: é muito sossegadinho. Não brinca na rua e passa o tempo fechado no quarto em frente ao computador.
Maddie. Quem não sabe, teoriza

Maddie. Quem não sabe, teoriza

E passados quinze anos e doze milhões de libras, continua sem se saber do paradeiro da pobre criatura. Mas há coisas que sabemos.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Saber mais sobre

Mais Lidas

+ Lidas

;