Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

Brincar com a Água

Nos dias que agora correm, bem se pode dizer que com a água não se brinca. Basta ver as imagens da explosão do mar em fúria contra a costa para termos a percepção da violência das águas.
04 de março de 2018 às 08:00

Os dias de mau tempo, que estamos a atravessar, têm produzido vários desastres e acidentes e já provocaram algumas mortes. Costuma usar-se a expressão brincar com o fogo quando alguém se atreve a decisões ou acções mais ousadas, associando a força devastadora do fogo à ideia de morte. Infelizmente, no ano que findou, tivemos bem presente essa realidade que transformou a metáfora em tragédia real.

Nos dias que agora correm, bem se pode dizer que com a água não se brinca. Basta ver as imagens da explosão do mar em fúria contra a costa para termos a percepção da violência das águas. É uma fúria que enfeitiça e seduz curiosos fascinados pela força dos elementos. Por mais que sejam os avisos, por maior que seja o perigo, a imprudência é bem maior do que a sensatez e, em vários casos, na ponta dessa curiosidade está a morte.

Quando se discute os limites entre a liberdade e a segurança há, naturalmente, a tendência para sublinhar a importância da liberdade em detrimento de acções que a podem restringir. Um Estado securitário é quase sempre um Estado totalitário ou para lá caminhando.

Porém, quando somos confrontados com a fúria do planeta em episódios pontuais, como é esta vaga de tempo feito de tempestades e da violência das águas, é bom ter em conta que a expectativa da melhor fotografia do mundo não pode arrastar ninguém para a morte. E Portugal, país de mares e oceanos, dono de uma história trágico-marítima bem grande, tem essa memória profunda da agressividade das águas.

Portanto, meu caro leitor, aproveite a tempestade para apreciar os elementos em fúria, para se espantar, e até fotografar, aspectos extraordinários da violência climática. Mas com reserva. Com a cautela que lhe dirá que o mar é fartura, aventura, sonho mas também é traição, morte e lágrimas. Como diz o aforismo, cautelas e caldos de galinha nunca fizeram mal a ninguém.

Mais notícias de Piquete de polícia

E se for crime?

E se for crime?

Nos últimos tempos multiplicaram-se movimentos anti-científicos, de índole salvífica. É neste contexto que deve ser compreendida a atitude de certos pais que recusam vacinar os seus filhos, deixando-os expostos a uma imensidão de riscos em que a morte espreita.
O hábito e o monge

O hábito e o monge

Em nome de uma fé cega, e sem vigilância crítica, é possível encontrar resquícios do Portugal antigo, medieval, sujeito à crença, dominado pela crueldade de um sacerdote. Foi assim há muito tempo. É assim hoje.
Meninos sossegados

Meninos sossegados

É vulgar encontrar pais que exaltam as virtudes dos seus filhos – o que não é de estranhar – com um conforto especial. A explicação é invariavelmente a seguinte: é muito sossegadinho. Não brinca na rua e passa o tempo fechado no quarto em frente ao computador.
Maddie. Quem não sabe, teoriza

Maddie. Quem não sabe, teoriza

E passados quinze anos e doze milhões de libras, continua sem se saber do paradeiro da pobre criatura. Mas há coisas que sabemos.
A conversa da segurança

A conversa da segurança

Todos os anos, por esta altura, o governo divulga o Relatório de Segurança Interna. Todos os anos se repete a farsa.
O Caso Luís Grilo

O Caso Luís Grilo

Dentro dos prazos, saiu a Acusação contra Rosa e Fernando, acusados de em coautoria terem assassinado o marido da primeira, o triatleta Luís Grilo. Agora, que sabem o que defende o Ministério Público, é chegada a hora de conhecermos a perspetiva da Defesa dos dois presumíveis autores.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!