Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

Caldo avinagrado

As redes sociais não são más porque nelas lemos, e vemos, palavras ordinárias, frases ainda mais reles, porque o insulto tem rédea solta. Pelo contrário. São uma poderosa fonte de liberdade.
14 de outubro de 2018 às 07:00
...
Caldo avinagrado

Não sei nada daquilo que se passou com Cristiano Ronaldo, há nove anos, numa qualquer noite de Las Vegas. Não sei nada sobre a senhora que lhe aponta o dedo. Não sei nada sobre o candidato do PT à presidência do Brasil. Nada sei sobre o outro, apontado a dedo como fascista. Não sei nada sobre Tancos, tal é a confusão gerada pelas posturas ditas oficiais. Não sei se André Ventura é a tão temida extrema direita que está a chegar. Não sei se não é.

Sei aquilo que leio e vejo. Sobretudo nas redes sociais. Abunda a fé. A razão, esse primado da inteligência humana, está submersa por uma autêntica onda teológica de crenças, dogmas, superstições que explodem em ódios, ressabiamentos, despeitos, revelando gente sem esperança, sem outra coisa que não seja a necessidade de acreditar num dos lados onde se aconchegue, medroso de tantas verdades mentirosas.

As redes sociais não são más porque nelas lemos, e vemos, palavras ordinárias, frases ainda mais reles, porque o insulto tem rédea solta. Pelo contrário. São uma poderosa fonte de liberdade. De expressão livre do pensar.

Aquilo que de verdadeiramente mau que ali se encontra é a devolução da imagem do país que somos, da gente que somos. Mais parece o tempo medieval, augurando vinganças, possuídos pelo medo, tribalizando emoções, encarquilhando-se em iras e pesporrências, sem vigilância crítica, sem respeito pela dignidade humana, comandados pela ideia de culpa.

Apontei os três psicodramas que dominavam as discussões, no dia em que me dediquei a apreciar os assuntos dominantes no caudal de notícias. No que respeita a Ronaldo, está assente. O nosso maior herói está inocente. É mais uma vítima que, terminada a corrente proposta pela D. Dolores Aveiro, acabará em canonização. No que respeita a Bolsonaro, a culpa é do povo estúpido que o vai eleger. Ou dito de outro modo, por um povo inculto que não compreende os grandes e nobres ideais dos seus opositores. No que respeita a André Ventura, a culpa é do próprio porque diz coisas e reclama um partido que proponha coisas que os outros não propõem. Não sei nada. E recordo Antero de Quental e a sua célebre Conferencia do Casino, cento e cinquenta anos depois. Temos ainda tanto caminho para andar, Santo Deus!

Francisco Moita Flores

Email: moitaflores1@hotmail.com

CORRESPONDÊNCIA:

Manuela Vinagre, Setúbal

"Qual é a sua opinião sobre o caso Cristiano Ronaldo? Acredita mesmo que ele violou aquela mulher?"

Não sei. Ninguém sabe a não ser os dois participantes. A violação é um crime e, como tal, obriga, após apresentação de queixa, a um conjunto de actos de investigação criminal para reconstituir, com técnicas próprias, a demonstração da consumação do crime. Aí estará a verdade. Até lá, assistimos a um mero espectáculo onde duas partes conflituam. Aquela que acredita em Ronaldo e na sua inocência. A outra que acredita na violação e exige Justiça. Mas não são partes competentes. Apenas a autoridade judiciária norte americana pode fazer essa prova e depois acusar. Até agora, não fez prova, nem acusou. E muito menos julgou. 

Isabel Oliveira, Calda da Rainha

"Não consigo compreender a ligeireza com que o Governo tem tratado o caso de Tancos. Há muito que o ministro da Defesa devia ter sido demitido por estar sempre a meter as mãos pelos pés!

O caso de Tancos vai ficar como um símbolo da degradação a que chegou o Estado de Direito e a gestão política da soberania nacional. Esperemos que o processo seja rápido. Agora, com arguidos presos, tem mesmo de ser rápido para percebermos até que ponto é que as cumplicidades criminosas chegaram. Concordo com a leitora. Este ministro é incapaz. Há muito que se devia ter ido embora.

Mais notícias de Piquete de Polícia

O helicóptero

O helicóptero

Escutamos os governantes que adoçam a coisa. Os especialistas que lhe metem acidez. Ficamos a saber tudo sobre helicópteros e regras (não cumpridas) de Protecção Civil comodamente revoltados no sofá.
O motim

O motim

Ser carcereiro deve ser uma das piores profissões do mundo. Ainda por cima muito mal pagos. No caso português, mal pagos, com falta de efectivos, e sem expectativa. O crime dos guardas prisionais é a sua profissão.
Dinheiro e Justiça

Dinheiro e Justiça

O Orçamento de Estado tornou-se numa tonta novela, no que respeita à sua discussão.
A velha história

A velha história

Há responsáveis na tragédia de Borba: o ministèrio da Economia, que licenciou, não fiscalizou, não controlou e permitiu que a avidez do empresário levasse a eito a ganãncia da exploração; as câmaras municipais.
Espanto

Espanto

A ser verdade esta história, Bruno de Carvalho, que ainda não há um ano era o pastor maior de um rebanho de servos acríticos, é o exemplar único que a história do desporto vai mostrar como o maior inimigo do Sporting.
A cidade e o crime

A cidade e o crime

Em cada quatro crimes que acontecem, dois são cometidos na metrópole de Lisboa, um na do Porto, restando apenas um para o resto do País.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!