Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de polícia

Notícia

Crimes de férias

As férias são o momento mais desejado por alguém que trabalha. Venho alertar o leitor, não pode significar desatenção. Porque neste período os ladrões não param. Usam as férias para redobrar assaltos.
13 de agosto de 2017 às 08:08

As férias são o momento mais desejado por alguém que trabalha. Tempo de descanso. De fuga às rotinas, às obrigações profissionais diárias, às dificuldades de mobilidade. É o tempo da distração, do folguedo, das viagens, de baixar as guardas e gozar as horas e os dias como se fossem um acepipe que se prova uma vez por ano. Sair da aspereza do dia a dia é, não apenas um direito, como um prazer. Que, venho alertar o leitor, não pode significar desatenção. Porque neste período os ladrões não param. Usam as férias para redobrar assaltos, atacar sem medo residências desertas ou veraneantes descuidados.

Vulgarmente os furtos em residências são antecipados por vigilâncias. Os gatunos estudam as rotinas, ou a ausência delas, pois sabem que o crime de furto e bem menos grave do que um crime de roubo. Depois, porque também é mais fácil assaltar uma casa sem gente. Particularmente quando sabem que os seus utentes estão fora e por vários dias.  O aumento destes crimes fez com que, quer a PSP quer a GNR, tenha estabelecido já há alguns anos, programas específicos de policiamento às residências de quem vai de férias. É fácil. O leitor dirige-se à esquadra ou ao posto da sua área de residência e informa que vai sair durante uns dias. É uma burocracia muito simples e muito útil. Sabe que a sua casa não fica abandonada e que existe um olhar policial mais atento. Basta a frequência diária, em horários diferentes, de uma patrulha em determinada rua para ser um fator fortemente preventivo.

Por outro lado, é importante que não divulgue quando vai viajar, a não ser com familiares ou amigos de confiança. É uma ação da nossa vida privada. Falar sem rodeios dos nossos projetos individuais numa esplanada pública ou num café, estão à escuta muitos ouvidos e dispostos a comentar  muitas bocas. Fale no passado. Quando regressar e já estiver na segurança da sua casa, então conte as aventuras que viveu e as cidades que apreciou. Não permita que as suas férias, que tanto desejou e merece, terminem com um pesadelo. Boas férias!

Mais notícias de Piquete de polícia

Adeus, 2019!

Adeus, 2019!

O ano que termina não trouxe grandes notícias.
Escola e violência

Escola e violência

Uma comunidade contaminada pela incapacidade do juízo crítico e fome de saber está condenada ao fracasso e a ser dominada pelos medíocres que se formaram em ‘chico-espertice’.
E se for crime?

E se for crime?

Nos últimos tempos multiplicaram-se movimentos anti-científicos, de índole salvífica. É neste contexto que deve ser compreendida a atitude de certos pais que recusam vacinar os seus filhos, deixando-os expostos a uma imensidão de riscos em que a morte espreita.
O hábito e o monge

O hábito e o monge

Em nome de uma fé cega, e sem vigilância crítica, é possível encontrar resquícios do Portugal antigo, medieval, sujeito à crença, dominado pela crueldade de um sacerdote. Foi assim há muito tempo. É assim hoje.
Meninos sossegados

Meninos sossegados

É vulgar encontrar pais que exaltam as virtudes dos seus filhos – o que não é de estranhar – com um conforto especial. A explicação é invariavelmente a seguinte: é muito sossegadinho. Não brinca na rua e passa o tempo fechado no quarto em frente ao computador.
Maddie. Quem não sabe, teoriza

Maddie. Quem não sabe, teoriza

E passados quinze anos e doze milhões de libras, continua sem se saber do paradeiro da pobre criatura. Mas há coisas que sabemos.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;