Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

Eleições e Segurança

Falou-se de tudo e mais alguma coisa menos de… autarquias e nomeadamente de segurança e prevenção criminal.
01 de outubro de 2017 às 08:00

É extraordinário que estejamos no final de uma campanha eleitoral para autarquias onde se falou de tudo e mais alguma coisa menos de… autarquias. Nomeadamente no domínio da segurança e prevenção criminal. Para além de um ou outro foguete mais ou menos incendiário sobre minorias, as matérias essenciais, sobretudo nas duas grandes metrópoles, no que respeita reduzir danos de actividade criminosa, mais uma vez, passou em branco. Cada candidato de qualquer um partido político apresentou-se como se o concelho a que se candidata tivesse uma fronteira, uma linha definida onde se prometem e se juram soluções para todos os problemas. O que não é verdade. Em Lisboa ou no Porto discutir mobilidade, por exemplo, resolver problemas de transito e de tráfego automóvel, não é possível sem abrir os olhos e ir muito para além da circunscrição administrativa de cada autarquia. Assim como no combate ao crime, naquilo que o poder municipal pode almejar.

Não se ouviu uma palavra que fosse para discutir os problemas da criminalidade estendendo a mão ou desafiando outros candidatos de outros concelhos para políticas comuns de ordenamento do território, de iluminação pública, de ocupação de espaços públicos. Não se escutou uma única proposta sobre contratos locais de segurança, envolvendo polícias, autarquias, associações, escolas, etc. Não se sabe como vão os futuros eleitos destas duas grandes regiões metropolitanas, responsáveis por três quartos da criminalidade que existe no país, organizar-se, criar dispositivos comuns, sabendo-se que não existem os ladrões de Lisboa, os da Amadora, os de Vila Franca de Xira, os de Sintra ou Cascais, mas um movimento pendular que cruza este território e procura as condições propícias para actividades criminais.

Discutiu-se muito em torno de problemas de exclusão. Nem uma palavra sobre os grandes desafios da inclusão. O que significaria trilhar, ou propor, caminhos para aumentar a paz social e baixar tensões no que respeita aos fenómenos da marginalidade e da deliquência.

Apenas foguetes efémeros. Infelizmente, alguns deles foram de lágrimas.

Francisco Moita Flores

Mais notícias de Piquete de polícia

Adeus, 2019!

Adeus, 2019!

O ano que termina não trouxe grandes notícias.
Escola e violência

Escola e violência

Uma comunidade contaminada pela incapacidade do juízo crítico e fome de saber está condenada ao fracasso e a ser dominada pelos medíocres que se formaram em ‘chico-espertice’.
E se for crime?

E se for crime?

Nos últimos tempos multiplicaram-se movimentos anti-científicos, de índole salvífica. É neste contexto que deve ser compreendida a atitude de certos pais que recusam vacinar os seus filhos, deixando-os expostos a uma imensidão de riscos em que a morte espreita.
O hábito e o monge

O hábito e o monge

Em nome de uma fé cega, e sem vigilância crítica, é possível encontrar resquícios do Portugal antigo, medieval, sujeito à crença, dominado pela crueldade de um sacerdote. Foi assim há muito tempo. É assim hoje.
Meninos sossegados

Meninos sossegados

É vulgar encontrar pais que exaltam as virtudes dos seus filhos – o que não é de estranhar – com um conforto especial. A explicação é invariavelmente a seguinte: é muito sossegadinho. Não brinca na rua e passa o tempo fechado no quarto em frente ao computador.
Maddie. Quem não sabe, teoriza

Maddie. Quem não sabe, teoriza

E passados quinze anos e doze milhões de libras, continua sem se saber do paradeiro da pobre criatura. Mas há coisas que sabemos.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;