'
Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

Jovens em Rede

Será a Internet um bem tão absoluto que leva a jovens, ainda menores, a viverem libertos da tutela dos pais? Ou será que os pais, confortado pelo silêncio e o recato dos filhos entendem a obsessão pelas redes sociais como um processo educativo equilibrado?
25 de abril de 2021 às 13:16
...
SETE MEDIDAS COMPLEMENTARES - 1/7 - Reunir dados e desenvolver um sistema robusto para reportar casos;

A Internet é uma das grandes ferramentas produzidas pela revolução tecnológica que vivemos. Contraiu o espaço, acelerou o tempo e, desta forma, criou a ideia de que dominamos um poder que vai para além dos nossos limites. É um momento extraordinário da História contemporânea cujas consequências mais radicais ainda estão por conhecer. De certa forma, podemos dizer que o mundo virtual substitui, aparentemente, o mundo real com maior eficácia. Carrega consigo mais valias inimagináveis. Mas também serve para balizar o Mal. Nela cabem as redes sociais que, neste tempo de pandemia e confinamento, aliviaram solidões e saudades, rebentaram com os muros de silêncio que nos foram impostos. Embora ausentes, ficámos virtualmente presentes. E mais dependentes do seu funcionamento.

As virtudes de tal descoberta são infinitas. Porém, não existe prazer que não tenha associado um risco. E esta semana aconteceu o pior. Devido às provocações verbais, ou através de imagens, um  jovem decidiu procurar um amigo que se encontrava num grupo de amigos e esfaqueou-o até morrer. Enquanto isto, a roda de amigos não pediu socorro. Filmava o fatídico evento para o colocar nas redes sociais.

Como se explica isto? Será a Internet um bem tão absoluto que leva a jovens, ainda menores, a viverem libertos da tutela dos pais? Ou será que os pais, confortado pelo silêncio e o recato dos filhos entendem a obsessão pelas redes sociais como um processo educativo equilibrado? É vulgar ouvir pais que elogiam os filhos por serem tão sossegados, tão pacatos, tão silenciosos desde que lhe ofereceram o último telemóvel. Já nem falam. Escrevem o que falam. E escrevem numa língua estranha, carregada de emojis e com auxílio de um vocabulário encriptado.

Esta tempestade tecnológica está para crescer. A um ritmo incompatível com as nossas ideações sobre os modelos de aprendizagem e usufruto de tempos livres. Que exigem tempo que a voracidade virtual reduziu ao instante.

É urgente um novo olhar sobre as novas formas de comunicação. Para que nos entendamos em vez de nos desentendermos até à chegada da tragédia.

Mais notícias de Piquete de polícia

O futebol indigno

O futebol indigno

Com o decorrer do campeonato, nas televisões, nos jornais, nas rádios, emergiram novos protagonistas que acenderam a quezília, o confronto, a balbúrdia. Os árbitros transformaram-se em astros. Sujeitos a um escrutínio inimaginável. E os dirigentes e adeptos no espaço público em verdadeiros comandantes da dissolução do resto de ética.
As noivas do Além

As noivas do Além

A crer numa decisão proferida pelo Tribunal que sentenciou uma angariadora de noivas a uma pensa suspensa de prisão, a coisa anda agora pelos trezentos euros. A procura é, sobretudo, de imigrantes ilegais que, fugidos da fome, da guerra, da miséria mais cruel, receosos de serem expatriados, procuram noiva por uma hora. Não lhes tocam, ou melhor, nem as conhecem.
Jovens em Rede

Jovens em Rede

Será a Internet um bem tão absoluto que leva a jovens, ainda menores, a viverem libertos da tutela dos pais? Ou será que os pais, confortado pelo silêncio e o recato dos filhos entendem a obsessão pelas redes sociais como um processo educativo equilibrado?
A Furiosa Internet

A Furiosa Internet

Os verdadeiros génios da informática são jovens. Jovens talentos que jamais ganharão nas Polícias, os valores que lícita ou ilicitamente ganham no mercado virtual. Estamos, assim, dentro de um grande incêndio descontrolado.
A inveja

A inveja

Cristiano Ronaldo insurgiu-se perante tão grande injustiça, protestou, gritou, furioso, e sabendo que não podia responder ao árbitro como merecia, num gesto de raiva atirou fora a braçadeira de capitão de equipa. Foi o pretexto. O País invejoso, servil e incapaz ignorou o ‘roubo’ a Portugal.
Adeus, 2019!

Adeus, 2019!

O ano que termina não trouxe grandes notícias.

Mais Lidas

+ Lidas