Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de polícia

Notícia

Da Violência

Não tenho dúvidas de que qualquer debate, abaixo-assinado, manifestação, contra a violência doméstica não tem efeitos imediatos no que respeita aos seus resultados.
24 de fevereiro de 2019 às 19:19
...
Da Violência

Porém, são sementes para um cultivo cujas colheita só chegaram quando assumirmos, de forma convicta, que o problema essencial diz respeito à consciência de que a igualdade de género é mesmo uma realidade.

Hoje, não é. E não é porque as relações de poder são marcadamente masculinas, produto de uma civilização e culturas que cresceram e consolidaram, tendo o homem como único protagonista. Podem as elites forçar o rompimento desta estrutura ideológica. Por exemplo, o caso de quotas para mulheres no acesso a cargos públicos. É uma oferenda mas não é uma partilha de poder dominante.

Basta ver as réplicas desta decisão na administração pública. Apesar das quotas, são abundantes os conselhos de administração, os conselhos directivos onde nem uma mulher existe. A lei não muda um poder historicamente assumido milenarmente.

O problema é complexo. E tudo contribui para que se mantenha, apesar da maquilhagem legal de algumas medidas importantes. Na verdade, basta ler o último estudo sobre as mulheres da Fundação António Manuel dos Santos para se compreender a dificuldade em saltar para um patamar superior de reconhecimento de poder falado no feminino.

Embora haja mais mulheres a estudar, que estejam a crescer nas profissões tradicionalmente ocupadas por homens, como é o caso da Justiça, das engenharias e por aí adiante, a verdade é que a diferenciação substantiva é a seguinte: O combate contra a violência doméstica tem obrigatoriamente passar pela domesticação cívica da cultura inoculada nos homens. Ceder direitos historicamente enraizados na moral dominante é um problema civilizacional. Não se compadece com leis e qualificações.

Daí que as vítimas não sejam apenas os simples. Toda a hierarquia social é atingida pelo fenómeno. Tanto são mortas médicas, como advogadas, como engenheiras. Nem o sistema escolar, nem os instituintes sociais estão preocupados com o caso. Veja-se o caso da Igreja, para não falar de todas as igrejas. Vejam-se as organizações familiares. Vejam-se os arremedos de entusiasmo do Estado.

Estamos perante um caminho longo. Que passará de geração em geração até à socialização definitiva da ideia de igualdade e de não violência. Até lá, muitas serão mortas. Em nome do poder dos machos.

Mais notícias de Piquete de polícia

Adeus, 2019!

Adeus, 2019!

O ano que termina não trouxe grandes notícias.
Escola e violência

Escola e violência

Uma comunidade contaminada pela incapacidade do juízo crítico e fome de saber está condenada ao fracasso e a ser dominada pelos medíocres que se formaram em ‘chico-espertice’.
E se for crime?

E se for crime?

Nos últimos tempos multiplicaram-se movimentos anti-científicos, de índole salvífica. É neste contexto que deve ser compreendida a atitude de certos pais que recusam vacinar os seus filhos, deixando-os expostos a uma imensidão de riscos em que a morte espreita.
O hábito e o monge

O hábito e o monge

Em nome de uma fé cega, e sem vigilância crítica, é possível encontrar resquícios do Portugal antigo, medieval, sujeito à crença, dominado pela crueldade de um sacerdote. Foi assim há muito tempo. É assim hoje.
Meninos sossegados

Meninos sossegados

É vulgar encontrar pais que exaltam as virtudes dos seus filhos – o que não é de estranhar – com um conforto especial. A explicação é invariavelmente a seguinte: é muito sossegadinho. Não brinca na rua e passa o tempo fechado no quarto em frente ao computador.
Maddie. Quem não sabe, teoriza

Maddie. Quem não sabe, teoriza

E passados quinze anos e doze milhões de libras, continua sem se saber do paradeiro da pobre criatura. Mas há coisas que sabemos.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;