Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de polícia

Notícia

O amor é dádiva

O crime de Paulo contra a sua ex-companheira, em Grândola, tem aspetos extraordinários que são comuns em quase todas as práticas de violência doméstica.
16 de janeiro de 2017 às 00:00

O brutal rapto e sequestro, seguido de homicídio tentado, cometido por um indivíduo chamado Paulo contra a sua ex-companheira chamada Anabela, ocorrido nas cercanias de Grândola, tem aspetos extraordinários que são comuns em quase todas as práticas de violência doméstica. A expectativa do agressor que, quanto mais medo difunde, maior será a retribuição afetiva que a sua vítima lhe entregará.

Este homem, incapaz de aceitar que a sua companheira o tivesse abandonado, pondo fim à relação, segundo relatos sérios, terá pensado assim: Vou raptá-la e sequestrá-la até ela me aceitar de volta. Se não aceitar, mato-a.

E só não a matou porque a Polícia Judiciária interveio a tempo, salvando por escassos minutos, a vida á inditosa mulher. Apanharam-no quando ele a garrotava. Embora ainda esteja em estado grave, tudo indica que se salva. Felizmente!

Este raciocínio doentio que julga que através da violência reconstrói laços de amor já desfeitos, muitas vezes, por histórias prolongadas de maus tratos, é não é tão invulgar quanto se julga. Corresponde a um padrão mental primário, incapaz de reconhecer que a esposa, companheira, namorada, não é uma propriedade, um fatalismo milenar que ao longo da História sempre diminuiu a condição e o género feminino.

Esta brutalidade animalesca parte desse princípio material: Casaste comigo, ou namoras comigo, logo és minha!

Durante séculos isto foi aceite com submissão, dando origem a aforismos bestiais, do género, quanto mais me bates, mais gosto de ti. No fundo, é a cultura da barbárie. Porque amar, é dar sem condição. É respeitar o Outro, sem outra condição que não seja dos direitos de ambos a serem felizes. Felicidade repartida, não a felicidade de um em detrimento do outro.

Só no dia em que os homens reconhecerem que a cidadania é um bem comum, sem género, sem raça, sem credo, poderemos sonhar com um tempo em que amar nunca é matar. Mas dar de tal forma que é possível morrer por quem se ama.

Mais notícias de Piquete de polícia

Adeus, 2019!

Adeus, 2019!

O ano que termina não trouxe grandes notícias.
Escola e violência

Escola e violência

Uma comunidade contaminada pela incapacidade do juízo crítico e fome de saber está condenada ao fracasso e a ser dominada pelos medíocres que se formaram em ‘chico-espertice’.
E se for crime?

E se for crime?

Nos últimos tempos multiplicaram-se movimentos anti-científicos, de índole salvífica. É neste contexto que deve ser compreendida a atitude de certos pais que recusam vacinar os seus filhos, deixando-os expostos a uma imensidão de riscos em que a morte espreita.
O hábito e o monge

O hábito e o monge

Em nome de uma fé cega, e sem vigilância crítica, é possível encontrar resquícios do Portugal antigo, medieval, sujeito à crença, dominado pela crueldade de um sacerdote. Foi assim há muito tempo. É assim hoje.
Meninos sossegados

Meninos sossegados

É vulgar encontrar pais que exaltam as virtudes dos seus filhos – o que não é de estranhar – com um conforto especial. A explicação é invariavelmente a seguinte: é muito sossegadinho. Não brinca na rua e passa o tempo fechado no quarto em frente ao computador.
Maddie. Quem não sabe, teoriza

Maddie. Quem não sabe, teoriza

E passados quinze anos e doze milhões de libras, continua sem se saber do paradeiro da pobre criatura. Mas há coisas que sabemos.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;