Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

O helicóptero

Escutamos os governantes que adoçam a coisa. Os especialistas que lhe metem acidez. Ficamos a saber tudo sobre helicópteros e regras (não cumpridas) de Protecção Civil comodamente revoltados no sofá.
23 de dezembro de 2018 às 07:00
...
O helicóptero
Foto: Cofina Media

Ainda não refeito da queda da estrada de Borba, o país assistiu, há dias, à tragédia do helicóptero do INEM, na serra de Pias, em Valongo. Desta vez foram quatro mortos. Tal como em Borba, de imediato, surgiram perguntas sem resposta, multiplicaram-se as declarações de passa-culpas, e um primeiro relatório sobre o acidente veio meter gasolina na discussão. Afinal, pese a impossibilidade de salvar aquelas vidas devido à brutalidade do evento, mesmo que houvesse alguma hipótese de resgatar algum sobrevivente, não teria acontecido. Morreriam sempre. E porquê? Porque os serviços de protecção e socorro, mais uma vez, entraram em delírio, criaram uma confusão de bradar aos céus e o resto da história não é preciso contar. Já a conhecíamos. É exactamente igual à confusão das comunicações quando ocorreram os incêndios de Pedrógão e os de 15 de Outubro. Nada de anormal, portanto. A incompetência tornou-se um hábito, um conformismo, a que assistimos sem qualquer esboço de indignação mais activo.

Escutamos os governantes que adoçam a coisa. Os especialistas que lhe metem acidez. Ficamos a saber tudo sobre helicópteros e regras (não cumpridas) de Protecção Civil comodamente revoltados no sofá. Mesmo que o Presidente da República venha reclamar que houve demasiadas falhas e que foi a soberania do Estado que falhou, perturba o comodismo de que assiste impávido à sucessão de tragédias. Sem um sobressalto cívico. Sem um protesto de descontentamento colectivo.

Iremos por este caminho. Até ao dia em que toque a tragédia à nossa porta. Então, iremos pedir protestos solidários e não os encontraremos porque a nossa solidariedade preguiçosa não foi além do início da telenovela.

Retenho as palavras de Marcelo. O Estado falhou. Falhou em todas as tragédias que aconteceram nos últimos dois anos. Não esquecendo, noutra dimensão, o escândalo de Tancos. O Estado tornou-se num pequeno monstro cheio que apenas cobra impostos para alimentar vícios privados, transformados em públicas virtudes.
 

CORRESPONDÊNCIA:

José Gonçalves, Amadora

"Fiquei agora a saber que, afinal, o assalto a Tancos não foi o único. Já da PSP tinham sido levadas não sei quantas pistolas ‘Glock’. (…) Onde é que para a segurança do país quando as próprias forças de segurança são roubadas?"

A pergunta é pertinente. Mas deve reconhecer-se que se esses crimes revelam desleixo, a descoberta dos mesmos e a detenção dos autores, demonstra competência no que respeita à investigação criminal. As armas foram recuperadas, embora com peripécias desnecessárias pelo meio, e a quadrilha está detida à espera de julgamento. Agora é aguardar para que se saiba como tudo isto foi possível.

 

Mariana dos Anjos

"Concorda com as alterações, propostas pelo Governo e pelo PSD, ao Conselho Superior da Magistratura para melhor controlar a acção do Ministério Público?Não é uma forma de subjugar esta instituição ao poder político?"

Não concordo. O Conselho Superior da Magistratura é um órgão de gestão. Não investiga processos crimes. É certo que há um problema grande, no que respeita a autonomia do MP porque não é uma estrutura eleita. Porém, é legítimo que a tenha. E necessário. A solução passa por maior fiscalização dos processos, que não devia ser feita por Procuradores.

Mais notícias de Piquete de polícia

A treta e os factos

A treta e os factos

É sabido que a luta contra a violência doméstica vai ser um combate de longa duração. Deram-se alguns passos importantes ao longo das últimas duas décadas, embora lentos.
Da Violência

Da Violência

Não tenho dúvidas de que qualquer debate, abaixo-assinado, manifestação, contra a violência doméstica não tem efeitos imediatos no que respeita aos seus resultados.
As vítimas e a lei

As vítimas e a lei

A Assembleia da República, com carácter excepcional, devia aceitar legislar no sentido de escutas, gravações de voz, gravações de imagem fossem consideradas legítimas para provar uma naipe de crimes que vão do assédio, à violência doméstica, passando pelos crimes sexuais.
A alma dos mortos

A alma dos mortos

Não é assim tão rara a existência de progenitores que matam os filhos. É um acontecimento trágico que perturba a comunidade.
O helicóptero

O helicóptero

Escutamos os governantes que adoçam a coisa. Os especialistas que lhe metem acidez. Ficamos a saber tudo sobre helicópteros e regras (não cumpridas) de Protecção Civil comodamente revoltados no sofá.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!