Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

O terrorismo (in)esperado

Os trágicos acontecimentos em França, perto de Carcassone, em que um terrorista tresloucado matou quatro pessoas, feriu outras tantas, nomeadamente um cidadão português emigrado, e reactualizou o debate sobre o terrorismo.
01 de abril de 2018 às 08:27

Após um período de acalmia, a demência assassina tornou à Europa. Em nome de um deus menor porque só um erro grosseiro assume como adquirido estes crimes tendo como tutela, e até apelidando o fenómeno de terrorismo islâmico.

Nada de mais errado. A interpretação vesga do Corão por parte destes criminosos é comparável à interpretação ortodoxa do antigo terrorismo que assolou a Europa e que matava e fazia explodir bancos em nome da luta de classes. Nem o Corão cauciona terroristas, tal como o marxismo não tutelava bandidos. São apenas chapéus sob os quais estes indivíduos escondem revoltas, ódios incomensuráveis, uma violência inaudita.

É certo que cada um destes ataques lança a insegurança sobre determinada comunidade. Porém, faz mais: O país fica inseguro e, por arrasto, a unidade europeia que tem a França como aliada.

É este o objectivo do terrorismo apocalíptico. Através de pequenas acções manifestamente cruéis e gratuitas lançar o caos. Atemorizar os inimigos porque, para estes jovens radicalizados, inimigos são todos aqueles que não estão radicalizados como eles. Desde crianças a velhos. Um conceito abastardado da ideia de Mal, que somos todos nós, independentemente de termos ou não pensado no Estado Islâmico ou, sequer, termos ou não afeições religiosas.

Estes jovens assassinos não têm chefe, não têm organização, não agem com um projecto programado. São produto de um impulso de revolta descontrolada com forte necessidade de agressão.

Porém, não vale a pena fazermos de conta que tudo isto é um risco iminente. Isso é um argumento que alimenta as fúrias securitárias. Mas vale a pena aprender a viver com este risco. Tal como se vive com a droga, o acidente de carro ou com a electricidade. É a única forma de combater estes assassinos tresloucados. Sem medo. Em liberdade.

Mais notícias de Piquete de polícia

Adeus, 2019!

Adeus, 2019!

O ano que termina não trouxe grandes notícias.
Escola e violência

Escola e violência

Uma comunidade contaminada pela incapacidade do juízo crítico e fome de saber está condenada ao fracasso e a ser dominada pelos medíocres que se formaram em ‘chico-espertice’.
E se for crime?

E se for crime?

Nos últimos tempos multiplicaram-se movimentos anti-científicos, de índole salvífica. É neste contexto que deve ser compreendida a atitude de certos pais que recusam vacinar os seus filhos, deixando-os expostos a uma imensidão de riscos em que a morte espreita.
O hábito e o monge

O hábito e o monge

Em nome de uma fé cega, e sem vigilância crítica, é possível encontrar resquícios do Portugal antigo, medieval, sujeito à crença, dominado pela crueldade de um sacerdote. Foi assim há muito tempo. É assim hoje.
Meninos sossegados

Meninos sossegados

É vulgar encontrar pais que exaltam as virtudes dos seus filhos – o que não é de estranhar – com um conforto especial. A explicação é invariavelmente a seguinte: é muito sossegadinho. Não brinca na rua e passa o tempo fechado no quarto em frente ao computador.
Maddie. Quem não sabe, teoriza

Maddie. Quem não sabe, teoriza

E passados quinze anos e doze milhões de libras, continua sem se saber do paradeiro da pobre criatura. Mas há coisas que sabemos.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;