Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

O voto em Bolsonaro

Com frases tão assertivas como ‘prefiro ter as prisões cheias de bandidos do que cemitérios cheios de vítimas’. Este é o segredo da vitória de um homem menor, de um político medíocre contra as ignorantes élites brasileiras. E já agora contra as portuguesas.
05 de novembro de 2018 às 17:17
...
O voto em Bolsonaro

Olhar o Brasil com olhos europeus descaminha sempre para a explicação fácil e para interpretações que têm mais a ver com as nossas preocupações do que com a concreta realidade brasileira. Vejo e leio o beatério nacional, peitos empanturrados de lições democráticas, a dissertar sobre a bestialidade de Bolsonaro, sobre a bondade de Haddad, e percebe-se que se lhe escapa a essência do problema.

Estava no Brasil quando Lula ganhou pela primeira vez a presidência da República. Assisti a dois comícios de PT, aliás as duas únicas vezes que vi o velho sindicalista, prometendo duas coisas que eram, na altura, essenciais: combater a corrupção e afrontar, de vez, a pobreza.

A corrupção que era, e continua a ser, parte do sangue do poder. Seja ele qual for. Do ministro ao polícia, do funcionário ao administrador. Lula teve vitórias sobre a pobreza. Não ganhou a guerra mas libertou alguns milhões dos limites da sobrevivência. Porém, o PT caiu no natural rio corrupto que determina a marcha do poder brasileiro. O mesmo rio onde vai acabar Bolsonaro. A revolta contra o PT nasce aí. O farol de esperança que se deixou prostituir. Porém, não é este o cerne do problema brasileiro. Basta consultar o Atlas da Violência. Nos últimos onze anos, foram assassinados no Brasil 553 mil pessoas. Em 2016, foram assassinadas 62 mil. No conjunto da última década, foram assassinados 324 967 jovens com idades compreendidas entre os 15 e os 29 anos. Isto é, sete vezes mais mortos do que soldados americanos no Vietname, numa guerra que durou cerca de vinte anos. O índice de mortalidade violenta no Brasil é trinta vezes superior à média dos homicídios no espaço europeu e o mais de meio milhão de vítimas ultrapassa, em número de mortos, aqueles que na Síria combatem em guerra aberta.

É neste contexto de violência excessiva, brutal, que Bolsonaro viu o alicerce para a sua campanha. Responder ao medo com palavras de ordem e armas na mão. Com frases tão assertivas como ‘prefiro ter as prisões cheias de bandidos do que cemitérios cheios de vítimas’. Este é o segredo da vitória de um homem menor, de um político medíocre contra as ignorantes élites brasileiras. E já agora contra as portuguesas.

Mais notícias de Piquete de Polícia

A cidade e o crime

A cidade e o crime

Em cada quatro crimes que acontecem, dois são cometidos na metrópole de Lisboa, um na do Porto, restando apenas um para o resto do País.
O voto em Bolsonaro

O voto em Bolsonaro

Com frases tão assertivas como ‘prefiro ter as prisões cheias de bandidos do que cemitérios cheios de vítimas’. Este é o segredo da vitória de um homem menor, de um político medíocre contra as ignorantes élites brasileiras. E já agora contra as portuguesas.
Cibersegurança

Cibersegurança

As redes sociais tornaram-se num pântano de mentiras e ‘fake news’ instrumentalizadas e manipuladas para interesse político, manipulação de opinião e, até, decisão de voto.
Caldo avinagrado

Caldo avinagrado

As redes sociais não são más porque nelas lemos, e vemos, palavras ordinárias, frases ainda mais reles, porque o insulto tem rédea solta. Pelo contrário. São uma poderosa fonte de liberdade.
Dezassete anos depois

Dezassete anos depois

Foi a agonia e morte das Torres Gémeas, onde o psicodrama foi mais intenso, que ficou na memória de todos quantos assistiram ao desenrolar da barbárie. E, desde então, o mundo não voltou a ser igual.
Violações

Violações

No Seixal, um indivíduo adulto, com quase quarenta anos, raptou e violou uma criança que brincava num parque infantil. Leia a crónica de Francisco Moita Flores.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Notícias Seguintes

Notícias Seguintes