Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

Violência juvenil

É certo que a culpa é de quem matou e a eles devem ser imputada a responsabilidade criminal sobre o sucedido. Em matéria criminal, essas duas dimensões da nossa existência social é individual.
09 de dezembro de 2017 às 07:39

A história é arrepiante. Sobretudo quando se olha para idade dos assassinos e para o móbil do crime. Um tem dezoito e, o outro, dezanove anos. A vítima era mais menos da mesma idade.

Segundo a Acusação procuravam estes dois rapazes cobrar uma dívida de 250 euros. O jovem devedor não tinha como pagar. Pelo menos naquela hora. Garrotaram-no e mataram-no a murro e pontapé.

Não é nenhum filme. Não é nenhuma ficção de mau gosto. Aconteceu aqui. Em Portugal. Na Quinta do Conde. Os dois jovens estão a ser julgados no tribunal de Setúbal.

É certo que a culpa é de quem matou e a eles devem ser imputada a responsabilidade criminal sobre o sucedido. Em matéria criminal, essas duas dimensões da nossa existência social é individual.

Dito isto, deixem-me ir mais longe, para refletir sobre outras culpas e outras responsabilidades. Que raio de sociedade estamos nós a construir onde uma vida pode valer duzentos e cinquenta euros? Que mitos estamos a produzir, que construção de valores, no que respeita à ideia de Bem e de Mal estamos a transmitir aos mais jovens. É certo que não podemos generalizar. Este brutal homicídio não é a medida de todas as coisas. Porém, se o entendermos no mesmo tecido social onde crianças são abandonadas, ou mortas, pelos pais, por mulheres assassinadas no quadro da violência doméstica, temos de concluir que o valor da Vida é diminuído em detrimento de outros valores que legitimam a violência gratuita, a violência em excesso, a banalização da própria violência.

Há muito que as teses dos clássicos marxistas perderam o sentido sobre a violência necessária para transformar uma sociedade através do conflito da luta de classes. Recordo Georges Sorel que escreveu sobre essa matéria. Estou em crer que a velha (e saudável) conflitualidade ideológica deu lugar ao conflito, à agressividade sem limite, como forma de poder individual, de afirmação do indivíduo, não no território da cidadania, mas através da força e do desprezo pela vida dos outros. Se é por aqui que caminhos, será tempo de pensar que futuro queremos para os nossos filhos e netos.

Francisco Moita Flores

Mais notícias de Piquete de polícia

Adeus, 2019!

Adeus, 2019!

O ano que termina não trouxe grandes notícias.
Escola e violência

Escola e violência

Uma comunidade contaminada pela incapacidade do juízo crítico e fome de saber está condenada ao fracasso e a ser dominada pelos medíocres que se formaram em ‘chico-espertice’.
E se for crime?

E se for crime?

Nos últimos tempos multiplicaram-se movimentos anti-científicos, de índole salvífica. É neste contexto que deve ser compreendida a atitude de certos pais que recusam vacinar os seus filhos, deixando-os expostos a uma imensidão de riscos em que a morte espreita.
O hábito e o monge

O hábito e o monge

Em nome de uma fé cega, e sem vigilância crítica, é possível encontrar resquícios do Portugal antigo, medieval, sujeito à crença, dominado pela crueldade de um sacerdote. Foi assim há muito tempo. É assim hoje.
Meninos sossegados

Meninos sossegados

É vulgar encontrar pais que exaltam as virtudes dos seus filhos – o que não é de estranhar – com um conforto especial. A explicação é invariavelmente a seguinte: é muito sossegadinho. Não brinca na rua e passa o tempo fechado no quarto em frente ao computador.
Maddie. Quem não sabe, teoriza

Maddie. Quem não sabe, teoriza

E passados quinze anos e doze milhões de libras, continua sem se saber do paradeiro da pobre criatura. Mas há coisas que sabemos.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;