'
Luísa Jeremias
Luísa Jeremias No meu Sofá

Notícia

Não há fome que não dê em fartura! Os anos dourados da música popular portuguesa

Os músicos que há duas décadas faziam sucesso nas feiras e festas de verão deste "Cantinho à Beira Mar plantado", e que há dois anos o continuavam a fazer e a pôr o País a bailar e a trautear "aperta aperta com ela" e outros hits que tal, podem sorrir. A televisão é deles!
02 de abril de 2021 às 07:00
...
Filipa Nascimento, Toy, Amor Amor, SIC, novela
Os músicos que há duas décadas faziam sucesso nas feiras e festas de verão deste "Cantinho à Beira Mar plantado", e que há dois anos o continuavam a fazer e a pôr o País a bailar e a trautear "aperta aperta com ela" e outros hits que tal, podem sorrir. A televisão é deles! A pandemia pode ter-lhes roubado as receitas dos contratos para as ditas romarias, mas deu-lhes o palco que eles nunca imaginaram ter.

Se houver dúvidas basta olhar para os programas de televisão hoje e ver como a música popular portuguesa (não gosto de lhe chamar pimba porque esse é um nome pejorativo) tomou conta de tudo, não deixando margem, sequer, para intérpretes pop ou rock surgirem. Não, não estou a falar só do Somos Portugal ou do Domingão da SIC, recheados de bailarico e de dançarinas no palco a acompanhar figuras que, muitas vezes, nunca ouvimos falar, mas lá vão cantando aqueles êxitos made in feira.

Estou a falar de tudo: desde o Em Família aos programas da manhã dos generalistas. É um vendaval de que só encontra exceção nas brasileiradas à la Iran Costa – que, na verdade, seguem a mesma linha. Se assim acontece é porque o público gosta e quem manda são as audiências – dir-me-ão os defensores deste facilitismo. Pois eu acho que não, que não pode ser assim tão simples. Senão não havia cultura, nem se discutia coisa nenhuma. Tudo era um imenso "dá-se ao povo o que o povo gosta". E isso não é evoluir: é estagnar.

É claro que fico muito feliz por os artistas trabalharem e aparecerem em tempos tão complicados, economicamente falando, para eles. Há que dizer que bem podem agradecer ao Toy ter "chorado" não haver trabalho e com isso aberto portas para os companheiros. Mas... e o resto? Onde andam o Diogo Piçarra, os D.A.M.A, o Richie Campbell, o José Cid, a Carminho, o Paulo Gonzo, a Carolina Deslandes, o Mickael Carreira, a Alexandra, a Gisela João... e tantos, e tantos, e tantos outros? Ah ok: viraram apresentadores de programas ou júri de concursos na televisão. E os outros? Os que também não têm trabalho? Pois... Depender de gostos de quem programa é uma chatice.

Mais notícias de No meu Sofá

As coisas são mais simples do que parecem

As coisas são mais simples do que parecem

O resultado de All Together Now Kids foi o surgimento de um belo formato de TV, de longe mais apelativo e capaz de prender ao ecrã do que o programa clássico, no ar todos os domingos. Não ganhou a guerra das audiências, é certo. Mas marcou uma posição e, se a TVI "tiver juízo", não deixará escapar esta fórmula.
Deus leva primeiro os que mais ama

Deus leva primeiro os que mais ama

Dizem que Deus leva primeiro os que mais ama. Eu diria antes: aqueles que são belos demais para este mundo. E a Sara já era um anjo, não uma menina.
Quem é do mar regressa sempre ao mar

Quem é do mar regressa sempre ao mar

Do Pedro prefiro guardar o seu sorriso tão doce e tão despojado. Prefiro lembrar o seu trabalho dedicado a cada personagem, o seu tom sempre elegante e de cavalheiro, o seu amor pelo mar. É lá que ele se sentia livre. E é lá que viverá para sempre.

Mais Lidas

+ Lidas