Luísa Jeremias
Luísa Jeremias Planeta Cor-de-Rosa

Notícia

Os pastéis de Belém nunca serão iguais aos 'duchesses' da Suiça

Mais do que fazer parte das minhas memórias, a Suiça também é Lisboa. Conta muitas histórias da cidade, esconde tantas outras. Secretas, inimagináveis mas que explicam muito do que foi e é Portugal.
24 de julho de 2018 às 17:46
...
Os pastéis de Belém nunca serão iguais aos 'duchesses' da Suiça
Foto: istock
Há memórias "de pai" e memórias "de mãe". No meu universo infantil havia coisas que só aconteciam ao lado do meu pai: ir a Belém, sentar-me nos Pastéis no fim da tarde, ver o ardina com um saco gigante cheio de jornais entrar por ali dentro à procura de quem comprasse, escolher a mesa, pedir um pastel "clarinho" e enchê-lo de açúcar em pó e alguma canela - para depois ficar com a cara toda pintada. Eram tardes suaves, "em casa", feitas de luzes amareladas, mesas escuras e com sabor a inverno. Era a Belém que eu conhecia com travo doce, cheiro a papel-jornal e perna traçada à mesa.

...
pastéis de Belém Foto: istock
As tarde "da mãe" eram bem diferentes: na Baixa, numa andança para cima e para baixo, entre a rua Augusta e o Chiado, dos Porfírios e da Casa Africana à Garrett. Eram tardes com cheiro a castanhas assadas, a fumo de assador pelo ar, tarde de passos pequeninos para ver as montras todas e que terminavam quase sempre com um batido na Suiça. 

...
Lisboa Foto: istock
Era tudo muito simples: andávamos, andávamos e acabávamos sempre ali sentadas as duas, nos sofás confortáveis, onde se escutava a conversa da mesa ao lado e se namoravam os bolos com aspecto maravilhoso nas vitrines da pastelaria. Eu adorava olhar os bolos, que achava lindos de morrer: artísticos, cheios de rococós, com cerejas no topo, cremes coloridos e muito, muito chantilly. Os duchesses eram os meus preferidos, todos eles ondas fofas.

Agora imagine-se a minha frustração: eu que adorava ver os bolos, detestava o sabor. Enjoavam-me, pronto. Coisas das natas, do chantllly, dessas francesices que nada tinham a ver com o meu paladar infantil, mais atirado aos bifes com batatas fritas. Lindos de ver, mas só de ver. Porque por muito que pedisse à mãe para "provar um bocadinho", a coisa acabava sempre mal. E assim, o batido era bem mais seguro! 

...
pastelaria duchesse Foto: dr
De forma que, quando se soube que o quarteirão da Suiça estava a mudar, que a pastelaria iria fechar portas, não pude deixar de pensar nos duchesses. Os duchesses porque foram o meu sonho e o meu desalento gourmet infantil. A Suiça porque, na verdade, me acompanhou a vida inteira. Os lanches com a mãe passaram a idas esporádicas ao balcão para o cafezinho "à antiga" - em vez da "bica" como existia em todo o lado. Não havia Natal sem bolo-rei de lá, e muito menos sonhos macios. Nem havia Páscoa sem uma variedade de amêndoas de chocolate e de licor pesadas em lindo sacos de papel na balança. Tradições que sabiam tão bem...

...
pastelaria Suiça Foto: dr
Mais do que fazer parte das minhas memórias e do que sou hoje, a Suiça também é Lisboa. Conta muitas histórias da cidade, esconde nas suas paredes, nos tais sofás e recantos, tantas outras. Deliciosas, secretas, inimagináveis mas que explicam muito do que foi e é Portugal. 

Não é que morra um pedaço de nós quando algo acaba. Tudo tem princípio e fim. Mas há coisas que nos fazem falta. São as nossas "bases", alimentamo-nos delas, fazem-nos falta. Esta era uma delas. Minha, pelo menos. Porque existia. Estava ali, simplesmente, e isso era recortante. Como qualquer sofá da casa dos pais. E, agora, vai deixar de estar.

A morte é mesmo uma chatice...

...
Rossio Lisboa Foto: istock


Mais notícias de No meu Sofá

Em equipa que ganha não se mexe

Em equipa que ganha não se mexe

Se a fórmula 'Quem Quer Namorar com o Agricultor' resultara num simples reality show, por que não dar seguimento no produto mais acarinhado: a novela? Foi o que a SIC fez.
Como aprender com os erros dos outros

Como aprender com os erros dos outros

Se conseguirmos transportar esta história real para Portugal, conseguiremos entender bastante do que se passa com a SIC e a TVI e como se deu a transferência de público do canal tradicional das novelas portuguesas para o "novato" que, de um dia para o outro, descobriu a bola de cristal
'Casados': a novela da vida real ganhou personagens

'Casados': a novela da vida real ganhou personagens

O formato, até ver, sofisticou! Como? Perdida a inocência da primeira série e volvidas duas temporadas de 'Quem Quer Namorar com o Agricultor' - o parente simplório deste novo formato de realities - os candidatos passaram a saber "ao que vão".
Pessoas que nos fazem felizes de forma simples

Pessoas que nos fazem felizes de forma simples

Foi a transformar a televisão numa festa que João Baião cresceu e ganhou popularidade. Porque rapidamente percebeu que TV é entretenimento no seu estado mais puro, é fazer rir e chorar, é esquecer dramas do quotidiano, é alienar.
Já ganhou!

Já ganhou!

Quem nos dera Ricardo Araújo Pereira num 'late night show' com este sentido de humor. A televisão generalista, cada vez mais "estupidificada", sairia a ganhar.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!