Margarida Rebelo Pinto
Margarida Rebelo Pinto Pessoas Como Nós

Notícia

A desordem natural

Há uma nova ordem natural das coisas, ou talvez devesse chamar-lhe desordem.
22 de fevereiro de 2019 às 21:05
...
A desordem natural
Foto: D.R.

Há uma nova ordem natural das coisas, ou talvez devesse chamar-lhe desordem.

Foi o que dei por mim a pensar, enquanto limpava a cara com leite hidratante para lhe retirar base, pó e sombras, eye liner e rímel para aprofundar o olhar e outros truques que nos emprestam a aisance necessária para enfrentar o mundo. Os quartos de hotel parecem todos iguais, pensei, enquanto ele escovava os dentes e ambos olhávamos o outro ligeiramente de lado, como se quiséssemos passar desapercebidos.

- Os meus ovos estão a acabar, tu sabes?

- Eu sei querida, penso muitas vezes nisso.

Eu também, quase disse, mas depois calei-me fomos deitar-nos. Claro que ele sabia. Há mais de quatro anos nisto, eu a querer casar e ter filhos, e ele a fugir dos meus sonhos.

Apagou a luz e ficámos os dois quietos, presos um no outro. Sentia o seu corpo colado ao meu, desde as costas até aos pés, o seu braço esquerdo enlaçava o meu e o ar inundado pela sua respiração suave, sincronizada com a minha, como se os nossos corações estivessem a partilhar segredos. Foi então que me disse que pensava muito no futuro, que às vezes ainda sonhava uma vida comigo, casa, filhos e férias juntos, uma família feliz, que já estivera muito mais perto de me pedir em casamento do que eu alguma vez suspeitara, mas o medo impedira-o sempre de avançar. Em vez disso, marcava o território qual macho indeciso, e eu, muito parva, em vez de acender a luz e lhe perguntar, mas porque raio é que nunca o fizeste, deixei-me estar quieta no escuro e respondi:

- Ainda bem, fico contente, afinal não estava maluca estes anos todos, afinal tu sempre gostaste de mim - e depois adormecemos mergulhados naquela paz triste e serena, própria de quem perde a guerra porque já não tem energia para enfrentar a última batalha.

Nunca sabemos quando deixamos de amar alguém, o amor nunca morre, é como uma velha árvore que se vai desfazendo; os troncos ficam demasiados pesados e quebram, as folhas estalam e caem, é um processo muito lento, sobretudo quando não queremos deixar de amar.

Durante demasiado tempo eu pusera todos os meus ovos naquele cesto. Por obstinação, infantilidade, ou as duas coisas, aí guardei a minha ideia de futuro: os ovos do sonho, da esperança, da fertilidade. Mas o cesto estava vazio. E, do outro lado da realidade, o medo, ainda e sempre esse monstro cinzento igual à morte, apenas sem a ceifa erguida, que sempre o impedira de se atirar à vida e de ser feliz.

Dormi pouco, sobressaltada por imagens do meu futuro impossível.  Era como se já o tivesse vivido sem nunca ter passado por ele. Crianças de cabelos aos caracóis com o riso igual ao meu, uma existência em comum, semelhante à dos comuns mortais da casa ao lado, da rua de cima, da cidade vizinha, quem sabe até de outros planetas, porque o amor é universal e a vontade de criar laços e de ter filhos atravessa todos os seres vivos.

Era muito cedo quando se levantou e me trouxe uma chávena de café antes de sair. Quis perguntar-lhe porquê, mas já não valia a pena pedir, explicar, insistir, chorar e rir, todos os verbos estavam gastos, e no entanto, todos os gestos eram ainda e sempre tão belos. Ele a pentear-me a franja para o lado com cuidado, a olhar para mim como se tivéssemos 10 anos e eu fosse a sua primeira namorada, e depois a ir-se embora devagar, como quem nunca quer partir, enfrentando a desordem e o caos que governam o mundo.

Fechei os olhos e adormeci de novo. Quando acordei, vi um embrulho enorme em cima da mesa de cabeceira. Era o cesto dos ovos. Estavam todos lá dentro, muito arrumados, de várias cores e tamanhos. Peguei no cesto e fui-me embora.

Finalmente estava livre. Agora já podia ir até ao fim do mundo.

Mais notícias de Pessoas como nós

Penas têm os pombos

Penas têm os pombos

Contas feitas, desde esta manhã que já ouvi a mensagem mais de 40 vezes, estou sempre a ouvi-la, oiço-a em loop, quero perceber tudo o que não dizes.
O número mágico

O número mágico

A ideia de viver debaixo do mesmo teto com alguém que não ame e que não me faça feliz é-me tao absurda como atirar-me de um penhasco com asas compradas na loja do chinês.
Mudar de Estação

Mudar de Estação

A Joana sempre foi das minhas amigas a mais fogosa e a mais simples no que toca à satisfação do desejo. Acolhi-a como baby-sitter dos miúdos há décadas e meia e foi assim que cresceu uma amizade como mãe e filha.
Quem sabe, ainda

Quem sabe, ainda

O amor que se aprende em casa sabe a bolo de bolacha, sabe a papa Cérelac, sabe a sombrinhas da Regina, sabe aos abraços do meu pai.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!