Margarida Rebelo Pinto
Margarida Rebelo Pinto Pessoas como nós

Notícia

A máquina dos disparates

Esta é a história de um amor feliz que acabou quando tinha de acabar, depois de seis meses de muita alegria e uma tarde de desentendimentos.
09 de março de 2018 às 16:45
...
A máquina dos disparates

Esta é a história de um amor feliz que acabou quando tinha de acabar, depois de seis meses de muita alegria e uma tarde de desentendimentos. Teve o seu período de luto, acho que foram dois ou três meses, e a seguir, qual Fénix das cinzas, uma bela amizade floresceu para toda a vida. A minha vizinha do terceiro esquerdo foi a protagonista desta aventura sem consequências nefastas que se deu há uns quinze anos, mais coisa menos coisa.

Chama-se Patrícia, mas desde o Liceu que lhe chamamos Pamela por lembrar em estatura e proporções a mítica nadadora-salvadora da série Bay Watch. Com 16 anos eu era um cabide com o risco de levantar voo nos dias de vendaval, portanto invejava as suas formas generosas que deixavam os rapazes do praceta e das redondezas num estado de nervos muito avançado. O único que conseguia estar perto dela sem que se lhe notasse a menor alteração era o meu irmão Filipe, um nerd míope e divertido que escondia as suas inseguranças por detrás de umas fundíssimas lentes de fundo de garrafa e um sentido de humor hilariante.

A Pamela ia muito lá a casa, passávamos as tardes na cozinha, ela a contar-me os avanços dos rapazes, enquanto bebíamos leite com Ovolmatine e devorávamos pacotes e Bélinhas. O Filipe juntava-se a nós e começava a contar piadas e a fazer imitações das personagens do Herman até nos caírem as lágrimas de tanto rir, depois encolhia os ombros e rematava:

- Vou desligar a máquina dos disparates, porque amanhã tenho teste de matemática e quero ter 5.

O Filipe tinha sempre 5 a tudo menos a Educação Física, ao contrário de mim, que andava entre os 3 e os 4 e da Pamela, que vivia na corda bamba do chumbo iminente, coisa que nunca aconteceu, só Deus sabe porquê. Numa festa de Carnaval em que eles se mascarou de Austin Powers, - o que para ele foi facílimo, porque só precisou de se despentear e de comprar uns dentes postiços-, a Pamela, que estava obviamente mascarada de Pamela Andersen, enganchou-se com ele num slow infinito, talvez dos Chicago ou dos Supertramp, e aquilo deu um romance de seis meses. Quando acabou não houve choros nem zangas, transmutaram a paixão tórrida numa amizade fraterna e o tempo encarregou-se de apagar todos os vestígios do élan romântico.

Anos mais tarde eu casei, o Filipe casou com uma colega de curso franzina, nerd e míope como ele e a Pamela casou um avançado do Sporting. O feliz contemplado com a noiva bombshell foi comprado pelo Manchester e a Pamela rumou para o Reino Unido.

Estivemos mais de 15 anos sem nos vermos. Depois eu divorcie-me, o Filipe também, quase ao mesmo tempo e no Natal passado encontrámos a Pamela na entrada do prédio dos nossos pais. Eu com os meus filhos já enormes, o Filipe com a Ritinha dele e a Pamela com um latagão cheio de borbulhas. Como não cabíamos todos no elevador, o Filipe ficou no patamar à conversa com ela. Subiu minutos depois, muito corado, com o iphone na mão, tinha-lhe pedido o número. A Pamela também estava separada, voltara para Portugal e vivia em Almada, porque não tinha conseguido encontrar um apartamento em Lisboa.

Para abreviar a história, imaginem quem era o par do meu irmão na festa de Carnaval de 2018? Fácil, não é? Ele vestido de Austin Powers e ela semi-vestida de nadadora-salvadora. E claro, o romance pegou outra vez. O calmeirão que se chama Ivo é o melhor amigo da Ritinha, leva-a ao ballet e não a deixa sair à noite sozinha. O Filipe ganhou um mulherão e a minha sobrinha um irmão. Quando lhe perguntei como é que aquilo tinha acontecido, disse-me:

- Sabes, liguei outra vez a máquina dos disparates e ela disse-me que nenhum homem a fazia rir tanto como eu. E eu tirei os óculos antes que embaciassem e dei-lhe um beijo.

Parece-me que desta vez vão ser felizes para sempre.

Mais notícias de Pessoas Como Nós

Mergulhar no futuro

Mergulhar no futuro

Agora, enquanto a ameaça da pandemia pairar sobre Portugal e o mundo, espero pacientemente por aquele momento mágico em que vou poder voltar a mergulhar no mar. A vida ensinou-me a mergulhar no futuro, mesmo quando o futuro é um lugar vago e incerto.
Com cinco letras apenas

Com cinco letras apenas

É engraçado como as palavras mais belas e mais importantes têm três, quatro ou cinco letras. Mãe, pai, avô, avó, tio, tia, filho, paz, saúde, sonho, amor, fado. Beijo, abraço, toque, sim, não, já, agora, calma, vem, fica.
Claras em Castelo

Claras em Castelo

Estar fechada em casa não me custa, o que me custa é não ver o meu filho e os meus pais, as minhas sobrinhas e os meus irmãos, as minha amigas e amigos. Na verdade, o que me custa ainda mais, é não acreditar que, quando a pandemia passar, as pessoas não vão mudar. Agora acreditam que sim, estão paralisadas pelo medo, mas são apenas boas intenções, porque as pessoas não mudam.
Vou ali e já venho

Vou ali e já venho

Tenho 44 anos e herdei um andar no Dafundo, perto da estação. Era a casa dos meus avós, como sou filha única e neta única do lado da minha mãe, ela ofereceu-mo quando me licenciei. Agora estou fechada em casa como o resto do mundo e dou aulas aos meus alunos pelo computador.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;