Margarida Rebelo Pinto
Margarida Rebelo Pinto Pessoas Como Nós

Notícia

Amores aplacados.

Alma era bonita e talentosa, compunha música desde criança, mas Gustav não queria saber do talento da mulher para nada.
07 de fevereiro de 2020 às 15:14
...
Amores aplacados.

Abri o Spotify e em vez das habituais listas de New Wave, Bossa Nova, Indie e Jazz, deu-me para ouvir a 5ª Sinfonia de Mahler. Na verdade só me interessei por Gustav – é esse o seu primeiro nome – despois de saber a história da sua mulher, Alma Margaretha Maria Shindler, uma compositora 19 anos mais nova do que ele que lhe deu duas filhas, Maria Anna, que morreu de escarlatina com 5 anos e Anna que veio a tornar-se escultora. 

Alma era bonita e talentosa, compunha música desde criança, mas Gustav não queria saber do talento da mulher para nada. Existem cartas em que ele expressa a sua vontade soberana em que ela deixe de compor quando se casarem para se dedicar exclusivamente à armadilha doméstica. Tais exigências levaram o espírito criativo de Alma a mergulhar numa depressão. Mais tarde encontrou consolo nos braços de um amante, um jovem arquiteto com quem veio a casar-se depois da morte de Gustav. O compositor terá perdido a cabeça, chegando a pedir conselhos ao seu amigo Freud numa tentativa para salvar o casamento, mas já era tarde.

Parece que os homens não percebem quando já é demasiado tarde para uma mulher. É demasiado tarde quando passam anos a tentar pôr-lhe as patas em cima, quando a forçam em cedências que ultrapassam a sua vontade própria, quando acreditam que conseguem moldá-la, domesticá-la, aplacar-lhe a individualidade e a autonomia. Até podem conseguir durante uma parte da vida em comum, não raro durante quase toda uma vida, mas, mais cedo ou mais tarde a tampa salta. E quando finalmente a tampa salta na cabeça e no coração de uma mulher, o mais certo é ir parar à estratosfera e não voltar a descer ao nosso planeta. Nestes casos, quem acaba por mudar é o homem, que passa de carrasco a vítima e de opressor a melhor amigo. Gustav redimiu-se e dedicou os últimos anos da sua vida a apoiar o trabalho de Alma. 

Depois da morte de Gustav, Alma Margaretha casou mais duas vezes, sobreviveu à morte de mais dois filhos, a sua existência atravessou as duas grandes guerras e passou os últimos anos da sua vida em Nova Iorque, para onde embarcou em Lisboa, como aconteceu a tantos judeus que conseguiram escapar à loucura anti-semita do regime Nazi. Alma não era judia, mas o seu marido, o poeta Franz Werfel era. Klimt, que frequentava a casa dos pais de Alma gabava-se de ter roubado o primeiro beijo à rapariga que era considerada a mais bonita de Viena. Foi considerada uma das mulheres mais importantes e influentes da era moderna. 

Às vezes penso o que faz com que tantas mulheres se subjuguem à vontade dos maridos, sobretudo quando essa vontade é para as aplacar. Quando o amor se transforma num jogo de forças, já não é amor. Aliás, é tudo menos amor.

Mais notícias de Pessoas Como Nós

A menina Clarinha e eu

A menina Clarinha e eu

Não sei quantas vezes tentei esquecer-te, talvez menos do que tu e mais do que o meu coração aguenta, a única que sinto é que, cada vez que a dou espaço à razão, o meu coração começa a encolher-se como um bolo sem fermento, a vida fica sem açúcar e os dias sem sabor.
Mergulhar no futuro

Mergulhar no futuro

Agora, enquanto a ameaça da pandemia pairar sobre Portugal e o mundo, espero pacientemente por aquele momento mágico em que vou poder voltar a mergulhar no mar. A vida ensinou-me a mergulhar no futuro, mesmo quando o futuro é um lugar vago e incerto.
Com cinco letras apenas

Com cinco letras apenas

É engraçado como as palavras mais belas e mais importantes têm três, quatro ou cinco letras. Mãe, pai, avô, avó, tio, tia, filho, paz, saúde, sonho, amor, fado. Beijo, abraço, toque, sim, não, já, agora, calma, vem, fica.
Claras em Castelo

Claras em Castelo

Estar fechada em casa não me custa, o que me custa é não ver o meu filho e os meus pais, as minhas sobrinhas e os meus irmãos, as minha amigas e amigos. Na verdade, o que me custa ainda mais, é não acreditar que, quando a pandemia passar, as pessoas não vão mudar. Agora acreditam que sim, estão paralisadas pelo medo, mas são apenas boas intenções, porque as pessoas não mudam.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;