Margarida Rebelo Pinto
Margarida Rebelo Pinto Pessoas Como Nós

Notícia

Camisa Branca

A Beatriz chegou atrasada ao jantar lá em casa. Tínhamos marcado com uma semana de antecedência, miúdas às terças, a ver se depois do Verão conseguimos criar o hábito de nos juntarmos uma vez por semana.
21 de setembro de 2018 às 11:56
...
Camisa Branca

Vou uma vez por semana almoçar os meus pais, jantar com a minha filha, visitar a minha avó Matilde e encontrar-me com a Maria José. A Maria José é uma psicanalista que se separou recentemente do marido, depois dele lhe ter confessado o que ela já há muito sabia: gostava mais de dormir com homens do que com mulheres. No circuito restrito formado pela Beatriz, a Maria, a Rita e eu, pedi aos restantes elementos que aceitassem a Maria José, não só por ter ótima cabeça e melhor coração, como para lhe dar um bocado a mão. Chegar aos 48 anos depois de um casamento de mais de vinte e aceitar que o marido é bi não é para qualquer uma. Requer grande coragem e tenacidade.

A Beatriz vinha despenteada, com aquele olhar alvoroçado de quem já fez ou está para fazer. Eu acabara de acender as velas e de servir o gaspacho. Enquanto o Verão se vai esticando, gosto de servir sopas frias. Quando estou inspirada faço vichyssoise, quando não estou, abro um pacote de gaspacho e limito-me a providenciar os respectivos mimos para o incrementar: ovo cozido, pimento, cebola, tudo bem picadinho e croutons para enganar a fome.

- Já está! Limpei as teias de aranha.

- Com quem? – perguntei. Sabia muito bem o que queria dizer.

- Com o Joaquim.

- Aquele que tinhas despachado antes do Verão? – perguntou a Maria.

- Sim, esse mesmo.

- E porque o recuperaste? – perguntou a Rita.

- Porque no fundo, bem vistas as coisas, não só é o mais giro, como é aquele que me aborrece menos. Na verdade, já nem me aborrece, porque com o tempo habituei-me a ele.

- Isso quer dizer o quê? – peguntou a Maria José com cautela, talvez por ser nova no grupo.

- Quer dizer que não me chateio quando ele vai para sala a seguir, ver os relatos e os resumos e os comentários da bola.

- E que fazes o quê? – agora sou eu que quero saber até onde isto vai.

- Nada. Fico sentada no sofá com ele a ver aquilo. Ou então levo um livro e fico a ler.

- E dormes lá? – pergunta a Maria que se interessa sempre pelos pormenores logísticos.

- Nada disso, estás louca!  Venho para casa quando me apetece. É tudo na medida certa. Antes vamos jantar a qualquer lado, conversamos um bocado, ele fala do trabalho dele e eu do meu, depois vamos até casa dele, a coisa dá-se e depois volto à minha vida.

- Vocês têm de ensinar esses truques de solteira. – Deixa escapar a Maria José que é novata nestas lides.

- Só se for a Beatriz, porque é a única afoita do grupo. Eu sou sossegada e gosto de ser, a Inês não gosta, mas á na mesma.

- É verdade. – Admito – gostava de ser mais solta, mas depois nunca consigo. Ou não me apetece. Seja como for, fico muito mais vezes quieta do que desejaria.

- Então, mas não namoram? – pergunta a Maria que ainda vive nos seculo XX.

- Claro que não mulher, somos só lovers. Ele é o meu lover boy.

- E é isso que queres? – pergunta a psicanalista.

- Não se trata de querer, trata-se de gerir o que há. Preciso de sexo, os outros são aborrecidos, ele é giro e cumpre a função. É aquilo a que se chama uma camisa branca.

- E quantas vezes o vês por semana?

- Uma. Já está combinado. Terças ou quartas.

O mundo agora é assim. Dantes, as pessoas eram casadas. Depois estavam casadas. Depois, tinham relacionamento longos. Depois passaram a ter namoros. E agora têm casos. Não sei se alguma vez me vou habituar a estes formatos modernos.

Ainda me passa pela cabeça perguntar se é feliz assim, sem construir nada com ninguém, mas depois calo-me. Quem é que ainda constrói alguma coisa de jeito?  O mundo agora está assim, ou uma pessoa entra no jogo ou fica de fora, a assistir de camarote.

- Não sei se estou preparada para este mundo – desabafa a Maria José.

- Ninguém está – contemporizo – mas agora não temos opção. É pegar ou largar.

 

Mais notícias de Pessoas Como Nós

Mergulhar no futuro

Mergulhar no futuro

Agora, enquanto a ameaça da pandemia pairar sobre Portugal e o mundo, espero pacientemente por aquele momento mágico em que vou poder voltar a mergulhar no mar. A vida ensinou-me a mergulhar no futuro, mesmo quando o futuro é um lugar vago e incerto.
Com cinco letras apenas

Com cinco letras apenas

É engraçado como as palavras mais belas e mais importantes têm três, quatro ou cinco letras. Mãe, pai, avô, avó, tio, tia, filho, paz, saúde, sonho, amor, fado. Beijo, abraço, toque, sim, não, já, agora, calma, vem, fica.
Claras em Castelo

Claras em Castelo

Estar fechada em casa não me custa, o que me custa é não ver o meu filho e os meus pais, as minhas sobrinhas e os meus irmãos, as minha amigas e amigos. Na verdade, o que me custa ainda mais, é não acreditar que, quando a pandemia passar, as pessoas não vão mudar. Agora acreditam que sim, estão paralisadas pelo medo, mas são apenas boas intenções, porque as pessoas não mudam.
Vou ali e já venho

Vou ali e já venho

Tenho 44 anos e herdei um andar no Dafundo, perto da estação. Era a casa dos meus avós, como sou filha única e neta única do lado da minha mãe, ela ofereceu-mo quando me licenciei. Agora estou fechada em casa como o resto do mundo e dou aulas aos meus alunos pelo computador.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;