Margarida Rebelo Pinto
Margarida Rebelo Pinto Pessoas Como Nós

Notícia

Debaixo da pele

O Ricardo era para ser uma distração mas enganei-me. Era muito educado e atencioso, e tão bom na cama que perdi a cabeça.
03 de janeiro de 2017 às 13:09
...
Debaixo da pele

- Deixei o meu coração em Istambul e agora já não ir lá buscá-lo – disse-me a Inês, enquanto bebíamos um batido no bar do ginásio,  fruta e legumes misturados com pós mágicos e uma cor verde florescente que fazia lembrar um campo de golfe.

Conheço-a desde a adolescência. Foi casada durante 20 anos com um publicitário que enriqueceu no tempo das vacas gordas e quando se separaram, nem dinheiro para arranjar as unhas lhe dava. A Inês teve durante mais de dez anos uma loja de roupa e ía com frequência a Istambul comprar imitações de carteira de marca.

Com a crise de 2011 e o divórcio, viu-se obrigada a fechar a loja, mas continuou a ir buscar mercadoria à cidade mais cosmopolita e europeia da Turquia. Numa das viagens conheceu Ricardo, um manequim 12 anos mais novo que se meteu com ela.

Relacionadas Agora És Tu
Quis o acaso que ficassem sentados lado a lado no avião, o Don Juan de Santa Maria da Feira não perdeu tempo e avançou em manobras de sedução, também ele seduzido pelo charme de uma lisboeta enxuta e bonita e com a sofisticação que lhe faltava.

- Vamos sentar-nos, gostava que me contasses isso melhor – pedi-lhe, sempre sedenta de histórias de amor. Às vezes penso que nunca houve tanta solidão como agora, as pessoas precisam mais do que nunca de conversar a quatro olhos, de ver que o outro reage em direto em vez de ficarem a olhar para um ecrã à espera de algumas linhas escritas.

- Eu estava desorientada com a separação. Não te escondo que sempre tive problemas com o Francisco, falhas de caráter, infidelidades, discussões. Mas adorava-o e às tantas habituas-te a tudo. Quando saíu de casa senti-me perdida. O Ricardo era para ser uma distração, mal não me vai fazer, pensei eu, ingenuamente.

Achei que o facto de ser mais novo e nem sequer pertencer ao meu meio social me iria proteger de um envolvimento mais profundo, mas enganei-me. Era muito atencioso e educado, tinha boa cabeça, deu-me a volta em dois tempos. E tão bom na cama que perdi a cabeça.

A sua sinceridade tocou-me. Sempre gostei de mulheres que não têm medo de dizer o que pensam e sentem. Sorri com solidariedade e ela continuou a falar.

- Sabes o que é estar casada com o mesmo homem vinte anos a quem és fiel, primeiro por princípio, depois por teimosia, mesmo sabendo que ele tem outras e pouco tempo depois de te separares, cai-te uma 'sex-bomb' ao colo que te faz voar como nunca?

- E o que é que correu mal?

- O problema destes gajos muito giros que viajam muito é que não se conseguem fixar. Mesmo que se apaixonem não são 'husband material', percebes? Habituam-se àquela vida de nómada, tudo o que precisam cabe numa mala de cabine, e com as relações são iguais. Dão tudo desde que não existam planos para o futuro. Ele foi o melhor namorado que tive e o pior, porque deu-me tudo e tirou-me tudo.

À minha terceira estadia, depois de já termos feito a périplo das mesquitas e dos mercados que conheço melhor do que ele, atravessámos o Bósforo para a margem oriental onde começa a verdadeira Turquia. Isto foi tudo antes da vaga dos atentados, há três anos. Estava tão feliz que comecei a falar em planos: viagens no verão, essas coisas que as pessoas habituadas a relações estáveis gostam.

O Ricardo agarrou-me na mão e disse, "querida, eu não quero fazer planos. Sou muito novo para me prender". Tu ouves isto e sentes que te está a chamar velha, percebes? Ele não fez de propósito, mas caiu-me tudo. Estava tanto frio, nem imaginas.

Quando saímos, as lágrimas quase congelaram na cara. Voltei para Lisboa no dia seguinte com o ultimo carregamento de malas. Percebi que a nossa relação era espetacular, mas não ia a lado nenhum. Nunca mais voltei a Istambul.

- E voltaste a apaixonar-te?

- Consegues vestir uma camisola de lã depois de experimentar cachemira? Nunca mais. Ainda tenho saudades dele. Ou então é o meu corpo que tem, sei lá. Mas nunca mais me saiu debaixo da pele.

Ela tinha razão. Há homens que esquecemos para sempre e outro que lembramos durante muito tempo.

Mais notícias de Pessoas Como Nós

A menina Clarinha e eu

A menina Clarinha e eu

Não sei quantas vezes tentei esquecer-te, talvez menos do que tu e mais do que o meu coração aguenta, a única que sinto é que, cada vez que a dou espaço à razão, o meu coração começa a encolher-se como um bolo sem fermento, a vida fica sem açúcar e os dias sem sabor.
Mergulhar no futuro

Mergulhar no futuro

Agora, enquanto a ameaça da pandemia pairar sobre Portugal e o mundo, espero pacientemente por aquele momento mágico em que vou poder voltar a mergulhar no mar. A vida ensinou-me a mergulhar no futuro, mesmo quando o futuro é um lugar vago e incerto.
Com cinco letras apenas

Com cinco letras apenas

É engraçado como as palavras mais belas e mais importantes têm três, quatro ou cinco letras. Mãe, pai, avô, avó, tio, tia, filho, paz, saúde, sonho, amor, fado. Beijo, abraço, toque, sim, não, já, agora, calma, vem, fica.
Claras em Castelo

Claras em Castelo

Estar fechada em casa não me custa, o que me custa é não ver o meu filho e os meus pais, as minhas sobrinhas e os meus irmãos, as minha amigas e amigos. Na verdade, o que me custa ainda mais, é não acreditar que, quando a pandemia passar, as pessoas não vão mudar. Agora acreditam que sim, estão paralisadas pelo medo, mas são apenas boas intenções, porque as pessoas não mudam.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;