Margarida Rebelo Pinto
Margarida Rebelo Pinto pessoas como nós

Notícia

Já vens tarde

Ponho a mesa no jardim, ouvimos música, trocamos livros e conversamos sobre tudo, como sempre fizemos. Depois eles dão mergulhos e quando olho para a piscina, a minha memória invade o presente e vejo o meu filho ainda pequeno, o cabelo curto e os olhos muito azuis a divertir-se com os amigos e a fazer bombas que salpicam o mundo de alegria.
03 de agosto de 2018 às 17:29
...
Já vens tarde

O Verão andou tão perdido no tempo que só agora caíram as últimas flores do meu jacarandá. Durante mais de um mês pontinhos cor violeta enfeitaram a relva, colando-se ao verde intenso, formando um tapete bucólico e adorável, e eu sorria placidamente porque já nem me lembrava que tinha plantado um jacarandá quando comprei a casa da encosta há quase vinte anos. Só no regresso me dei conta desse feliz gesto, um jacarandá só para mim. A Natureza é isto, quando uma planta se decide a crescer, é preciso ajuda-la para que não se torne maior do que a própria vida.

Ainda não dei um nome ao meu jacarandá. Dou nomes a tudo o que gosto, e quanto mais gosto, mais alcunhas invento. A última de que me lembrei foi cão de loiça, que te chamei por não responderes às minhas mensagens. Mas isso foi antes de desistir de tudo, que é a única coisa sensata a fazer quando já tudo se perdeu na espuma dos dias, na indiferença instalada, no silêncio como única via de comunicação, na frieza em que tudo se desmoronou, primeiro por fora, com discussões e zangas, e depois por dentro, como um edifico que implode em câmara lenta, um andar por dia, numa descida infernal de uma bola de neve contrariada.

Olho para o meu jardim e sinto o consolo da beleza que me rodeia. Oiço as conversas das árvores e ao fundo a sinfonia imprevisível das sirenes das embarcações. De vez em quando vou a Lisboa, mas demoro sempre pouco. Uma força nova faz-me voltar para o lugar sossegado cheio de luz e de paz que é agora a minha casa. Durante os fim-de-semana o meu filho e a minha nora aparecem com as miúdas e a casa enche-se de alegria e de energia. Saio da minha apatia para fazer saladas inspiradas, sobremesas modernas e sumos de fruta que enchem jarros de vidro. Ponho a mesa no jardim, ouvimos música, trocamos livros e conversamos sobre tudo, como sempre fizemos. Depois eles dão mergulhos e quando olho para a piscina, a minha memória invade o presente e vejo o meu filho ainda pequeno, o cabelo curto e os olhos muito azuis a divertir-se com os amigos e a fazer bombas que salpicam o mundo de alegria.

Não há nada mais estranho do que o tempo que se estica e encolhe como um harmónio, que é leve ou pesado consoante a companhia, que às vezes para quando perdemos a cabeça, que desenha projetos e ilusões no futuro, que é sempre misteriosamente longínquo ou perigosamente próximo no passado e que afinal nunca passa porque nós é que passamos por ele até ao último suspiro. O tempo é o maior ladrão, acaba por levar tudo e ainda[MR1]  se fica a rir da vida.

Pela primeira vez em muitos anos, conto com o tempo como meu aliado. Tudo o que desejo é que o Verão se prolongue durante muito tempo, porque é quando ficas mais longe, e desta vez quero que nunca mais voltes.

Ainda assim, quando o frio voltar e as árvores voltarem a despir-se, se te passar pela cabeça tal disparate, é bom que percebas que já vens tarde. Tarde para consertar o que foi destruído, para emendar a mão quando se perdeu o pé, quando o silêncio minou o entendimento e a frieza instalou o desrespeito. Já vens tarde porque uma terra queimada não pode voltar a arder. São precisas várias estações, ciclos de vida que se repetem atá conseguir inverter a realidade e contruir uma nova verdade. E quando o meu jacarandá voltar a encher-se de flores, vou lembrar-me que já te esqueci.

Uma pessoa vazia não é uma pessoa sem nada na cabeça, é uma pessoa sem nada no coração. A emoção é uma forma de inteligência, nunca conheci um cão de loiça que guardasse uma casa ou aquecesse os pés do dono.

 [MR1]

Mais notícias de Pessoas Como Nós

Mergulhar no futuro

Mergulhar no futuro

Agora, enquanto a ameaça da pandemia pairar sobre Portugal e o mundo, espero pacientemente por aquele momento mágico em que vou poder voltar a mergulhar no mar. A vida ensinou-me a mergulhar no futuro, mesmo quando o futuro é um lugar vago e incerto.
Com cinco letras apenas

Com cinco letras apenas

É engraçado como as palavras mais belas e mais importantes têm três, quatro ou cinco letras. Mãe, pai, avô, avó, tio, tia, filho, paz, saúde, sonho, amor, fado. Beijo, abraço, toque, sim, não, já, agora, calma, vem, fica.
Claras em Castelo

Claras em Castelo

Estar fechada em casa não me custa, o que me custa é não ver o meu filho e os meus pais, as minhas sobrinhas e os meus irmãos, as minha amigas e amigos. Na verdade, o que me custa ainda mais, é não acreditar que, quando a pandemia passar, as pessoas não vão mudar. Agora acreditam que sim, estão paralisadas pelo medo, mas são apenas boas intenções, porque as pessoas não mudam.
Vou ali e já venho

Vou ali e já venho

Tenho 44 anos e herdei um andar no Dafundo, perto da estação. Era a casa dos meus avós, como sou filha única e neta única do lado da minha mãe, ela ofereceu-mo quando me licenciei. Agora estou fechada em casa como o resto do mundo e dou aulas aos meus alunos pelo computador.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;