'
Margarida Rebelo Pinto
Margarida Rebelo Pinto Pessoas Como Nós

Notícia

Logo se vê

As semanas passaram, enchi-me de força e enviei o currículo para todos os amigos que me lembrei. O Luís telefonava de vez em quando para saber dos miúdos, mas eu mal lhe respondia. Tinha-o posto na rua depois de descobrir que o caso com a secretária que ela tinha tido há cinco anos afinal nunca acabara, apesar de ela ter cessado funções. Perdoara-lha há cinco anos, agora era impossível.
06 de janeiro de 2019 às 12:17
...
aeroporto, chegadas, Amsterdão, holanda, viagens, viajar

Podia ter dito que não, quando o Zé Manel se ofereceu para me ir buscar ao aeroporto, mas a carência falou mais alto e acabei por ceder. Não me lembrava quando fora a última vez que tivera alguém à minha espera nas chegadas e gostei da ideia.

Separei-me do Luís logo a seguir ao Verão, num dia de Setembro em que fez muito calor. Não anotei na agenda, eu que anoto tudo, porque quis esquecer esse dia, apagá-lo a minha vida como se fosse possível entrar no calendário e suprimir uma data. Também foi nesse dia que o dono do atelier onde trabalhei durante 18 anos anunciou que ia fechar as portas no dia 31 de Dezembro e que depois disso estávamos por nossa conta e risco.

Às vezes a vida põe-nos à prova com dias em que tudo acontece, uma espécie de tempestade perfeita, como se o universo conspirasse contra nós. No regresso a casa, sentia-me tão exausta que deixei o portão aberto, o Wolfe saíu à socapa e como já estava surdo, não deve ter ouvido o motor de uma pick-up que vinha a passar mais depressa do que seria recomendável e o atropelou involuntariamente. O cão sofreu de morte instantânea, a pick-up nem um aranhão teve. Foi tudo muito rápido. Ouvi uma travagem brusca uma pancada seca, e num segundo, o cão que viu crescer os meus filhos e que nessa mesma manhã se aninhara aos meus pés durante o pequeno-almoço ao sentir a minha tristeza, já não estava mais entre nós.

Saí a correr para a rua, um rapaz com uma expressão de grande aflição e o cabelo despenteado, agarrou o Wolfe ao colo e disse-me:

- Lamento, lamento, o cão é seu?

- Meu e dos meus filhos – respondi com a voz embargada de tristeza. E agora? Como é que eu ia dizer aos miúdos que ontem viram o pai sair com uma mala de rodinhas que o cão foi atropelado?

- Nem o vi, ele atravessou-se de repente, mas é claro que não tenho desculpa possível, – continuou o rapaz – não sei o que fazer, mas se concordar, pago que for preciso ou compro outro cão para os seu filhos…

- Nenhum cão substitui o outro. Os meus filhos já são crescidos, mais tarde ou mais cedo sabíamos que isto í acontecer. O Wolfe já estava doente e surdo, deve ter sido por isso que não ouviu o carro.

- Mesmo assim, se eu puder afazer alguma coisa, o meu nome é José Manuel, mudei há poucas semanas aqui para o bairro…

E depois não me lembro de mais nada porque desmaiei. Quando voltei a mim, o novo vizinho tinha-me pegado ao colo e trazido para dentro de casa, porque além de ter deixado o portão aberto, também me esquecera de fechar a porta de casa.

- Não se assuste por favor, desmaiou na rua e ache melhor trazê-la para dentro – ouvi-o dizer ao longe. Estava muito aflito com o mal que causara. E foi assim que fiz um amigo para a vida.

Nessa tarde, quando os miúdos chegaram da praia, contei-lhes a triste noticia e chorámos os três. Perguntei-lhes se queriam outro cão, ambos disseram que não. A Madalena, mais ponderada, acrescentou:

- Ainda é muito cedo para pensar nisso mãe, deixe passar algum tempo e depois logo se vê.

As semanas passaram, enchi-me de força e enviei o currículo para todos os amigos que me lembrei. O Luís telefonava de vez em quando para saber dos miúdos, mas eu mal lhe respondia. Tinha-o posto na rua depois de descobrir que o caso com a secretária que ela tinha tido há cinco anos afinal nunca acabara, apesar de ela ter cessado funções. Perdoara-lha há cinco anos, agora era impossível. Apenas poupei os miúdos da verdade, não quero que pensem que o pai é um crápula, mas dentro do meu peito o coração congelou e nunca mais senti nenhum tipo de emoção, a não ser quando o Wolfe foi atropelado.

Consegui uma colaboração num atelier, todas as tardes em troca de um ordenado baixo, mas já e um começo. Antes de iniciar a nova fase da minha vida, comprei uma ida e volta em low-cost e fui visitar a minha irmã a Cabo Verde onde está em missão humanitária durante seis meses, enquanto os miúdos passavam as ferias de Natal com o Luís.  

A poucos dias de voltar, o Zé Manel começou a conversar no Facebook e pediu para me ir buscar ao aeroporto. Quando cheguei vi-o envolto num sobretudo comprido e com um vulto ao colo. Era um Labrador bebé, de olhos verdes, adorável.

- Toma o teu presente de Natal – disse-me com aquele sorriso meio aflito que nunca deixou de e ter desde o fatídico dia de Setembro. – Espero que gostes. Os miúdos vão gostar com certeza.

E deu-me um beijo na boca. Não senti nada. Só gratidão. Como disse a minha filha Madalena, talvez seja ainda cedo. Ou talvez já seja um começo.

- Obrigada – respondi, com a vos embargada – Feliz ano novo para ti.

Talvez hoje seja o primeiro dia do resto da minha vida. Ou talvez não. Logo se vê, logo se vê.

Mais notícias de Pessoas Como Nós

A menina Clarinha e eu

A menina Clarinha e eu

Não sei quantas vezes tentei esquecer-te, talvez menos do que tu e mais do que o meu coração aguenta, a única que sinto é que, cada vez que a dou espaço à razão, o meu coração começa a encolher-se como um bolo sem fermento, a vida fica sem açúcar e os dias sem sabor.
Mergulhar no futuro

Mergulhar no futuro

Agora, enquanto a ameaça da pandemia pairar sobre Portugal e o mundo, espero pacientemente por aquele momento mágico em que vou poder voltar a mergulhar no mar. A vida ensinou-me a mergulhar no futuro, mesmo quando o futuro é um lugar vago e incerto.
Com cinco letras apenas

Com cinco letras apenas

É engraçado como as palavras mais belas e mais importantes têm três, quatro ou cinco letras. Mãe, pai, avô, avó, tio, tia, filho, paz, saúde, sonho, amor, fado. Beijo, abraço, toque, sim, não, já, agora, calma, vem, fica.
Claras em Castelo

Claras em Castelo

Estar fechada em casa não me custa, o que me custa é não ver o meu filho e os meus pais, as minhas sobrinhas e os meus irmãos, as minha amigas e amigos. Na verdade, o que me custa ainda mais, é não acreditar que, quando a pandemia passar, as pessoas não vão mudar. Agora acreditam que sim, estão paralisadas pelo medo, mas são apenas boas intenções, porque as pessoas não mudam.