Margarida Rebelo Pinto
Margarida Rebelo Pinto pessoas como nós

Notícia

Mais fácil

Íris e eu passeamos e conversamos horas sem fim, como quem flutua por cima das coisas más, cada uma com o seu par de asas invisível, e no entanto tão poderoso. São as asas que nos levam onde queremos, quando queremos, para o coração de quem mais queremos.
17 de agosto de 2018 às 09:46
...
Mais fácil

Chama-se Íris a cantora brasileira que conquistou o meu coração. Conhecemo-nos no Rio de Janeiro. A vida cruzou-nos num acaso feliz, no café da livraria Argumento no coração do Leblon.

Não sei porquê, mas é comum acontecerem-me coisas maravilhosas nas livrarias do Rio de Janeiro. Já inventei personagens, já terminei romances, já escrevi crónicas, tive conversas inesquecíveis e conheci pessoas que nunca mais me saíram do coração. A Íris é uma dessas pessoas. Alta, magra, suave, linda, tudo nela é imenso, da boca ao peito, do cabelo aos olhos, do sorriso à inteligência. E acima de tudo o talento ainda maior, quando canta a sua voz derrete o mundo.

Se fosse homem não sei o que seria de mim nas mãos desta mulher, metade índia, metade deusa, que enfeitiça as ruas por onde passa, que dobra as ondas na praia, que tem sempre tempo e abraços para os amigos que ama.

Íris e eu passeamos e conversamos horas sem fim, como quem flutua por cima das coisas más, cada uma com o seu par de asas invisível, e no entanto, tão poderoso. São as asas que nos levam onde queremos quando queremos para junto do coração de quem mais queremos. Às vezes é para o coração uma da outra. Outras, o coração de um homem, apenas um, porque até nisso somos iguais, o nosso coração ou é só nosso, ou só de um outro alguém que tem nome próprio, e essa pertença é intransmissível.

- Porque é que a gente só ama um homem e depois, quando tenta amar outros, não sente nada? – pergunta a minha deusa canora na sua voz rouca e cantada, da qual podiam sair fios de mel capazes de colar a paz ao coração dos homens para sempre.

- Porque eles estão muito descuidados, confusos, magoados com a vida, como nós.

- Pode ser – responde – mas a gente sempre tenta, porque é que eles não tentam também?

O português do Brasil é isto, harmonia inesperada na troca de lugar das palavras numa frase, o advérbio antes do verbo, e fica tão bonito assim. Afinal, qual é a diferença em dizer a gente tenta sempre ou a gente sempre tenta? Desde que se entenda, no final tudo dá certo, como eles dizem.

- Se calhar tentam. Na verdade, não acredito que não tentem, porque todas a pessoas querem ser felizes – respondo com um sorriso.

- Você vê bonomia em tudo o que mexe, querida. Eu sou mais nova e não tenho mais essa candura.

Não ter mais é o mesmo que já não ter.

- Foi uma escolha consciente. Esperar sempre o melhor dos outros para que eles se sintam impelidos a dar o melhor. No fundo é uma forma de manipulação, mas sem dolo, entendes?

- Claro que sim. Alguém tem de começar a consertar o mundo, porque do jeito que está, ninguém sabe mais ser feliz.

- Ser feliz é estar aqui a ver o mar imenso, mergulhada na paz, poder olhar para ti e ver-te perto do meu coração, nesta amizade tão pura e certa que nos enche o enche o coração enquanto o meu amor não volta.

- Você está muito certa – responde o meu canário particular. E depois passa o seu braço pela minha cintura e começa a cantar ao meu ouvido uma das músicas que mais gosto, Outono do Djavan, tua pele um bourbon, me aquece como eu quero, sweet home, gostar é atual, além de ser tão bom.

É tão bom ter amigos que nunca saem do nosso coração, mesmo quando o nosso amor anda no limbo entre cá e lá, na corda bamba da vida, sem saber se e quando volta.

Talvez com um par de asas tudo fosse mais fácil.

 

Mais notícias de Pessoas Como Nós

A menina Clarinha e eu

A menina Clarinha e eu

Não sei quantas vezes tentei esquecer-te, talvez menos do que tu e mais do que o meu coração aguenta, a única que sinto é que, cada vez que a dou espaço à razão, o meu coração começa a encolher-se como um bolo sem fermento, a vida fica sem açúcar e os dias sem sabor.
Mergulhar no futuro

Mergulhar no futuro

Agora, enquanto a ameaça da pandemia pairar sobre Portugal e o mundo, espero pacientemente por aquele momento mágico em que vou poder voltar a mergulhar no mar. A vida ensinou-me a mergulhar no futuro, mesmo quando o futuro é um lugar vago e incerto.
Com cinco letras apenas

Com cinco letras apenas

É engraçado como as palavras mais belas e mais importantes têm três, quatro ou cinco letras. Mãe, pai, avô, avó, tio, tia, filho, paz, saúde, sonho, amor, fado. Beijo, abraço, toque, sim, não, já, agora, calma, vem, fica.
Claras em Castelo

Claras em Castelo

Estar fechada em casa não me custa, o que me custa é não ver o meu filho e os meus pais, as minhas sobrinhas e os meus irmãos, as minha amigas e amigos. Na verdade, o que me custa ainda mais, é não acreditar que, quando a pandemia passar, as pessoas não vão mudar. Agora acreditam que sim, estão paralisadas pelo medo, mas são apenas boas intenções, porque as pessoas não mudam.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;