Margarida Rebelo Pinto
Margarida Rebelo Pinto Pessoas como nós

Notícia

Meu Rio, meu amor

Todos temos direito a uma segunda vida, a minha é na Cidade Maravilhosa.
20 de dezembro de 2019 às 19:58
...
Meu Rio, meu amor
Todos temos direito a uma segunda vida, a minha é na Cidade Maravilhosa.

É assim há tantos que já nem me lembro. Sempre que o frio se instala em Lisboa e a chuva começa a inundar o ânimo dos alfacinhas, arrumo meia dúzia de vestidos e um par de havaianas numa mala de cabine e aproveito as asas de um avião para voltar a casa. Às vezes adio o regresso, imagino outros destinos, mas o Rio vence-me sempre e lá vou toda inteira abraçar o Redentor.

O Rio é a minha segunda casa, a minha cidade do coração. A primeira vez que senti tão inexplicável ligação foi há muitos anos, quando me apaixonei por um encenador brilhante com um futuro promissor que me fez comprar a obra completa da Clarice Lispector, e se houve escritora que mudou a minha vida foi ela. Ela e o Rio, a cidade mais mágica do mundo onde no mesmo dia se pode ir à praia, beber um copo, ver uma peça de teatro e ir às compras, tudo a pé. O Rio da garota de Ipanema, dos meninos do rio, do Tom Jobim e do João Gilberto, do Jardim Botânico e do Parque Lage, do Cristo Redentor e dos bares da Lapa, do Bondinho que sobe o Pão de Açúcar, das velhas chiques Leblon e do ratos de praia que vivem no Vidigal.

O Rio com as ondas batidas e o mar revolto, os vendedores de queijo coalho e de biscoito Globo, dos barracos e dos côcos, das lanchonetes e dos botecos, da Lagoa e da Baía de Guanabara,dos bares do Baixo Gávea onde danço forró às quartas. O Rio da feira hippie na Praça General Osório aos domingos, o Rio dos sucos vitamina e do pão de queijo vendido às meias dúzias, quanto mais pequeno mais saboroso, do calçadão com empedrado ondulado e a Avenida Vieira Souto oferecida aos domingos a transeuntes e skaters. O Rio de Nelson Rodrigues com a suas mulheres infiéis ou moribundas, de Ruben Fonseca e os seus mistérios policiais, a cidade submersa que Chico Buarque canta baixinho como só os cariocas sabem.

Eu podia ter tido uma segunda vida no Rio, podia ter casado por lá e criado dois ou três guris, viver no Leblon a duas quadras da praia, quem sabe teria à mesma sido escritora, e quando visitasse Lisboa talvez sentisse a mesma nostalgia de uma outra vida igual à que me assola o coração sempre que chego ao Posto 10, como cantava Vinicius quando Ipanema era só felicidade, só resta uma certeza, é preciso acabar de vez essa tristeza, é preciso inventar de novo o amor.

Mais notícias de Pessoas Como Nós

Mergulhar no futuro

Mergulhar no futuro

Agora, enquanto a ameaça da pandemia pairar sobre Portugal e o mundo, espero pacientemente por aquele momento mágico em que vou poder voltar a mergulhar no mar. A vida ensinou-me a mergulhar no futuro, mesmo quando o futuro é um lugar vago e incerto.
Com cinco letras apenas

Com cinco letras apenas

É engraçado como as palavras mais belas e mais importantes têm três, quatro ou cinco letras. Mãe, pai, avô, avó, tio, tia, filho, paz, saúde, sonho, amor, fado. Beijo, abraço, toque, sim, não, já, agora, calma, vem, fica.
Claras em Castelo

Claras em Castelo

Estar fechada em casa não me custa, o que me custa é não ver o meu filho e os meus pais, as minhas sobrinhas e os meus irmãos, as minha amigas e amigos. Na verdade, o que me custa ainda mais, é não acreditar que, quando a pandemia passar, as pessoas não vão mudar. Agora acreditam que sim, estão paralisadas pelo medo, mas são apenas boas intenções, porque as pessoas não mudam.
Vou ali e já venho

Vou ali e já venho

Tenho 44 anos e herdei um andar no Dafundo, perto da estação. Era a casa dos meus avós, como sou filha única e neta única do lado da minha mãe, ela ofereceu-mo quando me licenciei. Agora estou fechada em casa como o resto do mundo e dou aulas aos meus alunos pelo computador.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;