Margarida Rebelo Pinto
Margarida Rebelo Pinto Pessoas Como Nós

Notícia

Modo avião

Não estou a brincar. No México os cães também contemplam o pôr do sol.
24 de janeiro de 2020 às 19:58
...
Modo avião

Só quem nunca viajou pela América Central ou pela América do Sul acredita que o realismo fantástico é uma invenção literária. Não é. É um espelho de uma sociedade mista na qual o catolicismo anda de mãos dadas com crenças ancestrais e a Virgem Mãe é tão levada a sério como Quetzalcóalt, o principal deus da cultura azteca, com corpo humano e uma cabeça que combina um pássaro com uma serpente. É, nem mais nem menos, o deus da vida, da luz, da fertilidade e do conhecimento. E como se não bastasse, é irmão de Vénus, a estrela que antecede e sucede o aparecimento do sol. 

Quem me explicou tudo isto foi Juan, um guia turístico da aldeia de Mazunte, que além de levar as pessoas a ver as baleias e crocodilos, também á advogado. Quando se cruzou comigo ontem à hora do jantar tinha visto 10 crocodilos e feito um divórcio. Foi um dia produtivo, concluiu com um sorriso largo e os olhos brilhantes, nos quais não seria desajuizado adivinhar consumo de substâncias que são mais legais em certos países do que noutros. Aquilo fez-me pensar que a versatilidade é a base do realismo fantástico e serve de bitola para muita coisa na vida.

Ainda em Puerto Escondido, na sua zona mais trendy que dá pelo nome de Puna Zicatela, no mesmo restaurante co-existiam um galo chamado Espírito, um papagaio que respondia por Corazón e um cão a quem deram o nome de Chinelo. A ave em questão era um clássico galaró de crista encarnada e ar arrogante – de repente podia deixar aqui uma lista de ministros bastante parecidos com ele, mas como estou longe não me apetece -, o papagaio era o previsivel papagaio mau, atrevido e ruidoso e o cão, um Retriever blasé e mimado, que pouco ligava quando o chamavam, contrastando com os cães de rua que ao final da tarde se dirigiam para a praia, acompanhando toda a população flutuante da aldeia para ver o pôr-do-sol. 

Não estou a brincar. No México os cães também contemplam o pôr do sol, com a mesma profundidade e nostalgia com que os humanos o fazem, também sonham e também suspiram, a única diferença é que não tiram selfies. 

Podia inventar uma fábula sobre Espírito, Corazón e Chinelo, mas o meu coração em férias está cansado de inventar enredos no papel e na vida. Quando o cansaço nos dá cabo da cabeça a ponto de nos roubar o sono, a alegria e o bem-estar, só conheço um remédio eficaz: comprar um bilhete de avião e entrar em modo avião. O modo avião é das invenções mais geniais que a tecnologia nos pode oferecer. Em modo avião tudo funciona, mas ninguém sabe porque ninguém tem nada a ver com isso. Entrar em modo avião é voltar a ser dono do seu tempo, da sua vida e do seu coração. É ir a zeros e desligar da ficha, comunicando com o mundo exterior apenas o estritamente necessário, já que, mesmo em férias, os nossos pais, os nossos filhos e os nossos melhores amigos querem saber se estamos bem. O resto não interessa, porque à luz da distância tudo se dilui e perde cor, temperatura, textura. À luz da distância tudo perde realismo, ou ganha outro, neste caso o realismo fantástico.

Para quem tem a sorte de possuir tempo e dinheiro suficientes para atravessar o mundo e escolher um destino totalmente desconhecido, recomendo uma mala pequena, um grande livro, pouca internet e muitas horas de sono na praia, ou debaixo de uma generosa ventoinha de teto. A solidão não tem nada a ver com isto. Solidão é estarmos mesmo ao lado de quem amamos e não entanto não chegarmos ao outro coração, que pode não estar em modo avião, mas é bem possível que tenha escolhido o estado de piloto automático. Solidão é o silêncio da casa sem o ruído da chave à porta ao cair da noite e o frio cortante da cama vazia depois do depois. Liberdade é conhecer um papagaio, um galo e um cão. É falar com desconhecidos e fazer novos amigos. A liberdade ainda é um dos maiores antídotos para a solidão, com o sem companhia para ir ver o pôr-do-sol, enquanto Vénus espreita, qual estrela apaixonada que nunca deixa de seguir o seu grande amor.  

Acho que vou ver as baleias, mas já disse ao Juan que crocodilos, nem morta. Fazem-me pensar que o mundo tem criaturas feias e más, e como estou longe e de férias, agora não me apetece. O Chinelo acabou de chegar à praia, vou tirar uma selfie com ele. Espero que não se importe.

Mais notícias de Pessoas Como Nós

A menina Clarinha e eu

A menina Clarinha e eu

Não sei quantas vezes tentei esquecer-te, talvez menos do que tu e mais do que o meu coração aguenta, a única que sinto é que, cada vez que a dou espaço à razão, o meu coração começa a encolher-se como um bolo sem fermento, a vida fica sem açúcar e os dias sem sabor.
Mergulhar no futuro

Mergulhar no futuro

Agora, enquanto a ameaça da pandemia pairar sobre Portugal e o mundo, espero pacientemente por aquele momento mágico em que vou poder voltar a mergulhar no mar. A vida ensinou-me a mergulhar no futuro, mesmo quando o futuro é um lugar vago e incerto.
Com cinco letras apenas

Com cinco letras apenas

É engraçado como as palavras mais belas e mais importantes têm três, quatro ou cinco letras. Mãe, pai, avô, avó, tio, tia, filho, paz, saúde, sonho, amor, fado. Beijo, abraço, toque, sim, não, já, agora, calma, vem, fica.
Claras em Castelo

Claras em Castelo

Estar fechada em casa não me custa, o que me custa é não ver o meu filho e os meus pais, as minhas sobrinhas e os meus irmãos, as minha amigas e amigos. Na verdade, o que me custa ainda mais, é não acreditar que, quando a pandemia passar, as pessoas não vão mudar. Agora acreditam que sim, estão paralisadas pelo medo, mas são apenas boas intenções, porque as pessoas não mudam.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
VIBORA MORTAL* 31.01.2020

.../... que queira ser o meu reflexo.
Quero projectar e projectar-me não porque esteja TRISTE, OU SÓ. Apenas viver contigo MULHER, AMIGA, AMANTE, sonhos e realidades para que juntos possamos alcançar metas de VIDA.
Quero ver-te em cada amanhecer, saciarmo-nos diariamente e imaginar-te em todo o pôr-do-sol, sonhando contigo tendo, a ter-te. Nunca serás a minha meia laranja, somos uma outra magia, sempre diferente, sempre inteiros, e isso de tudo, será sempre, o mais vincado.
Espiritualmente, nem sei como és, nem onde vives, nem como será a tua forma de estar, nesta passagem terrena, mas jamais me desviarei de te encontrar e nessa sinceridade, quero achar-te não te procurando (mudando o caminho das coisas pré-formuladas), perguntando-te apenas: ÉS TU?
VEM AO ÊXTASE DO BRINDE.
QUERO QUE VIVAMOS, COM A INTENSIDADE VIBRANTE, DA NOSSA PRÓPRIA DANÇA VULCÂNICA. RESPIRAR-MO-NOS SEM RESERVA, PERMANENTEMENTE CONTIDA, NUMA INSUSTENTÁVEL LEVEZA DE SER, SENTINDO.
INCONDICIONALMENTE,



VIBORA MORTAL* 31.01.2020

NO MANTO DELEITOSO DO NOSSO SONHO, EMBARQUEMOS, SENTINDO A VIBRAÇÃO INCONTIDA, NO CAMINHAR PELO TRILHO DE VENTO, DE LUAS E SÓIS, ATÉ CHEGARMOS AO NOSSO “MANITU SUPREMO”.
Sou etéreo, eterno, estou de passagem, não venho de nenhum lugar fixo, apenas carrego energia. O UNIVERSO é a minha casa, pertenço a toda a parte e vou sem saber para onde, logo que tiver de partir. Não me faças perguntas computorizadas, robotizadas, abandona o normal e corrente.
Não me perco e gosto de me reinventar. Estou só, mas na realidade nunca serei solitário. Sou eremita, muitas vezes um príncipe encantado, adoro o sublime e amo-me sem ser narcisista, nunca viajo sozinho, estou sempre comigo e com DEUS.
Sou um homem completo, inteiro, eterno radiante, não me falta nenhum pedaço, e nunca me perco. No entanto se tal acontece, sei o caminho de imediato, meditando sigo a “VERDADE”.
Não espero que me preenchas, estou preenchido até morrer. Quero apenas a partilha com a presença da pessoa certa.../...

VIBORA MORTAL* 31.01.2020

Parabéns Margarida Rebelo Pinto pela sua escrita despretensiosa, mas ao mesmo tempo, rebelde, curiosa, e magoada, linda de ser lida e relida, simples mas de compreensão profunda e inexplicavelmente bela, apaixonante. Só assim atingiremos no modo ZEN, o absolutismo único como se fechados na caixa de PANDORA, viajássemos no tempo ao encontro do infinito. Desculpe, adorei. O Modo Avião é de uma subtileza perspicaz, que possivelmente muito leitor, navegará sem rumo por se sentir a naufragar com um destino incerto, e como se o amanhã, não tivesse sido o ontem já passado.
Adociquei todo o meu paladar interior pela bondade de ter escrito, Nuvens de Algodão. Toda a minha personagem de homem se sente revelada, pelo muito silêncios que impomos e que sem causa aparente, por vezes fazemos estagnar, por termos o receio de afincadamente ao saborearmos a verdade com a ternura das palavras, se estrague o que de mais belo existe: o amor incondicional... Dir-me-á, essa é a postura dos cobardes. Talvez..

;