Margarida Rebelo Pinto
Margarida Rebelo Pinto Pessoas como nós

Notícia

Navegar à vista

Há mais de trinta anos que se senta do outro lado da mesa para me ajudar a arrumar a cabeça e a limpar o coração. Podia ser meu irmão e tem o nome próprio mais bonito do mundo cuja sonoridade rima com esse laço fraterno.
16 de março de 2018 às 14:11
...
Navegar à vista

Gosto de acreditar que as grandes amizades são eternas. Na verdade nada é eterno, nem sequer o Universo, para o qual existimos a uma proporção menor do que a de uma formiga para um elefante. Mas a condição humana nunca desiste de tocar a eternidade, por isso existem pintores, músicos, escritores. Por isso existem as grandes amizades.

Quando chego ao restaurante, ele levanta-se, o olhar ansioso e pergunta:

- O que se foi querida? Passa-se alguma coisa?

Há mais de trinta anos que se senta do outro lado da mesa para me ajudar a arrumar a cabeça e a limpar o coração. Podia ser meu irmão e tem o nome próprio mais bonito do mundo cuja sonoridade rima com esse laço fraterno. Também rima com proteção e com coração. Esteve sempre ao meu lado nos momentos mais decisivos da minha vida. Na véspera de apresentar o meu primeiro romance que viria a mudar a minha vida para sempre, ofereceu-me uma caneta linda. Quando abri o presente, disse:

- Tão bonita, prateada!

E ele respondeu com o seu inconfundível sorriso meio trocista:

- Não é prateada, é mesmo de prata.

E foi com essa caneta que dei os meus primeiros autógrafos.

A amizade é isto mesmo: precisas de conversar e amigo que é mesmo amigo está lá para ti. Explico-lhe que não se passa nada, talvez seja esse o problema, os filhos crescem e vão à vida deles, os pais adoecem e precisam de nós, nunca sentimos a idade que temos, respiramos saúde e energia, mas percebemos que vamos tendo cada vez menos paciência para tudo aquilo que não consideramos vital para o nosso equilíbrio: lugares, ideologias, preconceitos, manias dos outros, pessoas sem caráter, pessoas sem princípios, pessoas sem educação, pessoas. Sobram os nossos. Os teus e os meus: filhos, maridos e mulheres, os amigos que sobreviveram a tudo. O resto do mundo é um peso e é sempre difícil, é sempre tudo difícil, tenhas menos ou mais dinheiro, menos ou mais conforto, porque somos uma geração inquieta, que queria tudo, que conseguiu quase tudo e que no fundo não se contenta com nada.

- Somos a geração dos planos. Sem planos não há felicidade. Sem planos nem sequer há realidade. 

É a minha voz que oiço, embora não tenha bem a certeza.

- Se calhar foi isso que te faltou. Foste navegando à vista e agora estás cansada.

Ele está certo. Fiz grandes planos para o meu trabalho, para a minha família, para os meus investimentos. Os planos que fiz para o meu coração nunca se cumpriram. E tive-os bem claros durante quase duas décadas. Não se realizaram. Ele está certo: fui navegando à vista, sonhando com ideais eu julgava possíveis e que a vida me mostrou serem inexequíveis. E ainda assim, insisti. Insisti em vez de atirar a toalha para o chão. Perdi energia e sobretudo perdi muito tempo. A energia recupera-se, o tempo é perdido para sempre.

- Então e agora?

- Agora aguentas de boa cara que é o que pessoas como tu e eu fazemos.

Pedi um bolo de chocolate "tipo mousse", segundo a definição da dona do restaurante que também servia às mesas. Gostei da conjugação, se na prática fosse tão boa como parecia na teoria, iria saborear uma sobremesa de excelência. E assim foi: delicioso, sublime, espetacular. Um bolo tipo mousse é o que andamos a fazer às nossas vidas. Queremos e bolo e a mousse fundidos. Queremos o melhor de dois mundos. No mundo mágico da culinária consegue-se quase tudo, no mundo cá fora é que não.

Mais notícias de Pessoas Como Nós

Mergulhar no futuro

Mergulhar no futuro

Agora, enquanto a ameaça da pandemia pairar sobre Portugal e o mundo, espero pacientemente por aquele momento mágico em que vou poder voltar a mergulhar no mar. A vida ensinou-me a mergulhar no futuro, mesmo quando o futuro é um lugar vago e incerto.
Com cinco letras apenas

Com cinco letras apenas

É engraçado como as palavras mais belas e mais importantes têm três, quatro ou cinco letras. Mãe, pai, avô, avó, tio, tia, filho, paz, saúde, sonho, amor, fado. Beijo, abraço, toque, sim, não, já, agora, calma, vem, fica.
Claras em Castelo

Claras em Castelo

Estar fechada em casa não me custa, o que me custa é não ver o meu filho e os meus pais, as minhas sobrinhas e os meus irmãos, as minha amigas e amigos. Na verdade, o que me custa ainda mais, é não acreditar que, quando a pandemia passar, as pessoas não vão mudar. Agora acreditam que sim, estão paralisadas pelo medo, mas são apenas boas intenções, porque as pessoas não mudam.
Vou ali e já venho

Vou ali e já venho

Tenho 44 anos e herdei um andar no Dafundo, perto da estação. Era a casa dos meus avós, como sou filha única e neta única do lado da minha mãe, ela ofereceu-mo quando me licenciei. Agora estou fechada em casa como o resto do mundo e dou aulas aos meus alunos pelo computador.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;