Margarida Rebelo Pinto
Margarida Rebelo Pinto Pessoas Como Nós

Notícia

O meu amor existe

Já me sinto uma carioca sempre que volto. Voltarei sempre porque a tua casa é onde vive o teu coração.
03 de janeiro de 2017 às 17:11
...
O meu amor existe

Hoje volto ao Rio de Janeiro, a minha segunda cidade, a cidade de todos os silêncios e de todos os recomeços. Aqui já escrevi parte dos meus últimos livros. Foi aqui que aprendi a meditar e a deixar ir.

Foi aqui que me impregnei da 'Teoria Geral do Desapego', lembrando o que a grande Agustina me ensinara há muitos anos e que com a tempo e vida, esqueci: apoia-te sempre, nunca te agarres.

O Rio não é só uma cidade linda, é "A Cidade Maravilhosa": a praia, a lagoa, o Cristo, os jardins, a confusão, as árvores, os morros, as vistas, as cores e os cheiros deixam os turistas inebriados de prazer, mas quem ama mais a sua cidade é o carioca.

E eu já me sinto uma carioca sempre que volto. Voltarei sempre, quem sabe um dia para sempre, porque a tua casa é onde te sentes feliz e acompanhado, a tua casa é onde vive o teu coração, a tua casa é onde a tua alma mais se eleva e mais se liberta.

Lisboa tem a outra metade do meu coração, a mais sombria e pesada. Eu amo Lisboa e amo Portugal, não me imagino de nenhuma outra nacionalidade nem a trabalhar numa outra língua. Talvez por isso o Brasil me seja tão fácil: é o país irmão, falamos a mesma língua, ainda que nem sempre usemos as mesmas palavras.

Esta crónica semanal serve para contar histórias de cidades, portanto aqui vai a minha. Foi aqui que imaginei o final de dois livros, foi aqui que recomecei uma nova forma pensar, de estar e de ser.

Aqui aprendi a ser mais leve, mais paciente, mais tolerante. Aqui descobri que quem espera nem sempre alcança, que o desejo à flor da pele fica mais belo se for dominado, que "nada é pra já, o amor não tem pressa, ele pode esperar", como canta Chico Buarque em 'Futuros Amantes'. Aqui escrevi poesia e algumas histórias inéditas publicadas no livro 'O Meu Amor Existe'.

O Rio de Janeiro é muito mais do que a cidade do Carnaval onde o inverno vem passar o verão. É a casa de Tom Jobim, de Vinicius de Moraes, de Ney Matogrosso. É o lar de Nelson Rodrigues, de Carlos Drummond e de Manoel de Barros, o poeta que dizia que a vida sem poesia não tem serventia nenhuma.

O Rio tem poesia e sexo por todos os lugares, basta olhar para ver. O samba domina as almas, apesar da miséria, apesar da crise, apesar da corrupção. É a vitória da alegria sobre a tristeza, da leveza sobre o peso inexorável da velha Europa, cansada, curvada, gasta e ressequida.

Sentada no alto da Pedra Bonita, escrevi o poema que fecha o livro sem tristeza nem mágoa, numa homenagem à cidade que me acolhe:

Aqui acaba a viagem

Aqui enfim, sei que és uma miragem

Bela e já fria, como todos os sonhos que morrem

Às portas de uma nova vida.

Aqui sou mais eu

Aqui estou em paz

A cidade oferece-se num desejo

Mas espero ainda

Numa esquina qualquer

O teu derradeiro abraço

O nosso último beijo.

O livro está aí, com a sabedoria possível e poesia necessária a uma vida com alegria. Como as pombinhas da Catrina, será de quem o apanhar, com as mãos e já agora, com o coração.

Mais notícias de Pessoas Como Nós

A menina Clarinha e eu

A menina Clarinha e eu

Não sei quantas vezes tentei esquecer-te, talvez menos do que tu e mais do que o meu coração aguenta, a única que sinto é que, cada vez que a dou espaço à razão, o meu coração começa a encolher-se como um bolo sem fermento, a vida fica sem açúcar e os dias sem sabor.
Mergulhar no futuro

Mergulhar no futuro

Agora, enquanto a ameaça da pandemia pairar sobre Portugal e o mundo, espero pacientemente por aquele momento mágico em que vou poder voltar a mergulhar no mar. A vida ensinou-me a mergulhar no futuro, mesmo quando o futuro é um lugar vago e incerto.
Com cinco letras apenas

Com cinco letras apenas

É engraçado como as palavras mais belas e mais importantes têm três, quatro ou cinco letras. Mãe, pai, avô, avó, tio, tia, filho, paz, saúde, sonho, amor, fado. Beijo, abraço, toque, sim, não, já, agora, calma, vem, fica.
Claras em Castelo

Claras em Castelo

Estar fechada em casa não me custa, o que me custa é não ver o meu filho e os meus pais, as minhas sobrinhas e os meus irmãos, as minha amigas e amigos. Na verdade, o que me custa ainda mais, é não acreditar que, quando a pandemia passar, as pessoas não vão mudar. Agora acreditam que sim, estão paralisadas pelo medo, mas são apenas boas intenções, porque as pessoas não mudam.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;