Margarida Rebelo Pinto
Margarida Rebelo Pinto Pessoas Como Nós

Notícia

O rapaz da lancheira

Todas as grandes histórias de amor passam por um banco de jardim, desde a paixão dos meus pais até ao 'Notting Hill'. Há sempre um rapaz tímido, uma rapariga decidida, há sempre confidências e sorrisos, abraços adiados e beijos desejados.
21 de julho de 2017 às 00:00
...
O rapaz da lancheira

Todas as grandes histórias de amor passam por um banco de jardim, desde a paixão dos meus pais até ao 'Notting Hill'. Há sempre um rapaz tímido, uma rapariga decidida, há sempre confidências e sorrisos, abraços adiados e beijos desejados. Há sempre medo e vontade, quase sempre mal distribuídos. E há
sempre um sonho por realizar.

Com o rapaz da lancheira não foi diferente. Vi-o chegar com o passo elegante e bem marcado. Alto, magro, sisudo, os Ray-Ban espelhados para se esconder como um mágico e para me ver melhor. Fingi que não percebi o truque. Os meus também eram espelhados, mas tirei-os várias vezes para que pudesse olhar os meus e vê-los sem filtros.

Estendi-lhe uma lancheira pequena com bolinhos de chocolate e pastilhas de menta, sem saber que gostava tanto de chocolate como eu. Talvez tenha adivinhado. Hoje em dia adivinho tantas coisas que a minha cabeça já está a ganhar o formato de uma máquina de radiografias. Sou um scanner humano, consigo ler o coração daqueles que entram no meu, mesmo que cada um fique apenas à porta da vida do outro.

Não pedi este dom a Deus, mas como tudo aquilo que é verdadeiramente importante na vida, não fui eu que escolhi ser portadora natural de tanta clarividência. Podia ignorar ou aceitar, aceitei aceitar, o que neste caso nem sequer é uma redundância. Aceitar tem sido o verbo treinador do meu coração do qual tento ser a diretora. Até já nomeei este verbo para meu adjunto porque não me ocorre nenhum mais válido e eficiente para o cargo em questão.

O rapaz da lancheira que tem nome de santo – quem não tem neste país de católicos ? - queria dar-me beijos e abraços mas mantinha-se quieto, de perna cruzada, esperando um sinal enquanto o meu scanner lhe lia o coração.

E foi então que desejei parar, desligar a máquina e a razão, ficar quieta e calada e deixar-me ir, dobrada as vezes que fossem precisas até ficar do tamanho de uma caixa de fósforos, esconder-me dentro da lancheira no meio dos bolinhos e das pastilhas e ir com ele para todo o lado, levada pela mão, a mão que levava a lancheira.

O jardim da Estrela tem muitos bancos, gansos e patos, tem recantos e escorregas e baloiços, mas há um banco, o quinto à direita do lado de quem vem da basílica que será sempre o banco do rapaz da lancheira. Se voltar a encontrar-me com ele, vou escolher o mesmo lugar e esperar que desta vez ele traga o coração ligado ao corpo e à cabeça com os fios arrumados e sem nós, para que juntos
possamos dar laços com os dedos e a vida.

Ler a cabeça e o coração nem sempre é bom, por isso prefiro tirar os óculos da intuição, fingir que não adivinho nada, que não quero nada, que não sonho com nada, até me sentir livre de tudo, como tanto desejo e mereço.

Mais notícias de Pessoas Como Nós

Mergulhar no futuro

Mergulhar no futuro

Agora, enquanto a ameaça da pandemia pairar sobre Portugal e o mundo, espero pacientemente por aquele momento mágico em que vou poder voltar a mergulhar no mar. A vida ensinou-me a mergulhar no futuro, mesmo quando o futuro é um lugar vago e incerto.
Com cinco letras apenas

Com cinco letras apenas

É engraçado como as palavras mais belas e mais importantes têm três, quatro ou cinco letras. Mãe, pai, avô, avó, tio, tia, filho, paz, saúde, sonho, amor, fado. Beijo, abraço, toque, sim, não, já, agora, calma, vem, fica.
Claras em Castelo

Claras em Castelo

Estar fechada em casa não me custa, o que me custa é não ver o meu filho e os meus pais, as minhas sobrinhas e os meus irmãos, as minha amigas e amigos. Na verdade, o que me custa ainda mais, é não acreditar que, quando a pandemia passar, as pessoas não vão mudar. Agora acreditam que sim, estão paralisadas pelo medo, mas são apenas boas intenções, porque as pessoas não mudam.
Vou ali e já venho

Vou ali e já venho

Tenho 44 anos e herdei um andar no Dafundo, perto da estação. Era a casa dos meus avós, como sou filha única e neta única do lado da minha mãe, ela ofereceu-mo quando me licenciei. Agora estou fechada em casa como o resto do mundo e dou aulas aos meus alunos pelo computador.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Mais Lidas

+ Lidas

;