Margarida Rebelo Pinto
Margarida Rebelo Pinto Pessoas Como Nós

Notícia

Quando for grande, quero ser como tu

Tive muita sorte com a minha irmã mais nova. Quando nasceu eu já tinha 10 anos, estava habituada a ser o centro das atenções, dona e senhora do meu território. Fui obrigada a atravessar a adolescência com aquela criança no quarto.
30 de agosto de 2019 às 19:26
...
Quando for grande, quero ser como tu

A Francisca está sentada na areia num canto da esplanada, óculos de massa, chapéu de palha com um lenço de seda, talvez Hermès, quem sabe. O trikini é preto, a realçar as curvas perfeitas. Tem 29 anos, ainda não casou nem teve filhos, diz a a minha irmã Leonor que não tem paciência para crianças. É filha única e vai colecionando namorados, mas nenhum parece ser suficientemente bom para ela. Falta-lhes sempre qualquer coisa: dinheiro, altura, pedigree, estilo, boas maneiras, esse tipo de parvoíces.

A Francisca é amiga da Leonor que casou o Verão passado com o Paulo, um ótimo rapaz, engenheiro, que trabalha na empresa do pai. O Paulo não é nenhuma estampa nem tem um nome de família sonante, como não vai ao ginásio e gosta de beber lambretas com os amigos já deixou que se instalasse uma barriguinha, mas a Leonor adora-o tal como ele é e ele vive para agradar à sua princesinha da Disney, que é o que a minha irmã mais nova parece, com os seus longos cabelos cor de mel, os olhos da mesma cor, embora num tom mais claro, o corpo de sereia sem preocupação com dietas, deliciosamente redondo, a respirar descontração e bonomia por todos os poros.

Tive muita sorte com a minha irmã mais nova. Quando nasceu eu já tinha 10 anos, estava habituada a ser o centro das atenções, dona e senhora do meu território. Fui obrigada a atravessar a adolescência com aquela criança no quarto, que me obedecia em tudo, que cobiçava os meus vestidos sem nunca me estragar nenhum, que me perguntava por todos os namorados e que dizia sempre com um grande sorriso, mana, quando for grande, quero ser como tu.

Confesso que quando chegou a via ao colo da minha mãe na maternidade, me deu um ataque de ciúmes, toda a gente a dizer que ela era linda e eu so via um bebé amachucado com o cabelo espetado e os olhos cheios de ramelas. A partir daquele dia as atenções de todas as pessoas da família mudaram de direção para sempre e eu adaptei-me sem uma queixa. Não me arrependi.

A minha mana sempre foi uma criança adorável, quase nunca chorava e não me lembro de ter feito uma birra. Quando chegou à adolescência, em vez de querer pôr piercings e de sonhar com tatuagens e maus rapazes, começou a fazer voluntariado. Pediu aos meus pais um Vespa para se poder deslocar para os seus trabalhos de baby-sitter e explicadora de matemática. Aos 18 anos já tinha juntado metade do dinheiro para comprar um carro e os mais pais deram-lhe o resto. Teve a média mais alta do curso, onde conheceu o Paulo, o seu primeiro e único namorado e casaram no Verão passado. Parece que desde então nunca mais deixaram de estar em lua de mel.

Durante o copo d’água, a Francisca passou o tempo a procurar mais uma vítima entre os amigos do noivo e todos os nossos primos que são mais de 10, mas ninguém lhe deu atenção. Ia com um vestido cor de laranja demasiado curto, a minha mãe torceu o nariz, achou falta de classe e eu encolhi os ombros e disse, mais do mesmo, ela quer chamar a atenção de qualquer maneira. E agora estava ali na esplanada armada em senhora, de fato de banho e de chapéu de abas. Não sei porque aceitei ir ter com ela, preferia ter ido para um ligar mais sossegado com a minha querida irmã, que já está de quatro meses e que sonha ter um rapaz, porque assim o Paulo já tinha companhia para o futebol, diz ela com aquele sorriso espetacular de quem nasceu com o dom para a felicidade.

- Acho um disparate teres engravidado já – diz-lhe a outra, que só pensa em festas e em potenciais namorados e/ou otários que a levem a passear e lhe paguem os copos e os petiscos. A Leonor lança-lhe um daqueles sorrisos à Julia Roberts que emprestam luz ao sol e responde, com a melhor das intenções:

- Deixa lá, querida, é melhor assim porque sempre quis ter três filhos e com 27 anos tenho tempo para me dedicar a cada um e esperar até ter o próximo. Se encontrares um tipo tão espetacular como o Paulo, se calhar também te apetece o mesmo.

Vi a outra a morder a boca. Talvez de raiva, talvez de desdém, talvez de inveja. Fiquei orgulhosa da minha querida irmã que me ensinou o que é pureza, a candura, a generosidade e a algria das coisas simples. Há miúdas com melhor coração do que outras. Tive sorte, saiu-me na rifa a melhor irmã do mundo. Se tivesse sido a Francisca, muita chapada teria levado naquele nariz arrebitado de perdigueiro que está sempre a cheirar a caça, mesmo fora de época. Lembro-me dela muito pequenina a ver-me a pôr o rimel e a dizer, mana, quando for grande quero ser como tu e agora eu é que quero ser como ela. Os filhos únicos perdem muito, coitados. Muito mais do que pensam.

Mais notícias de Pessoas Como Nós

A menina Clarinha e eu

A menina Clarinha e eu

Não sei quantas vezes tentei esquecer-te, talvez menos do que tu e mais do que o meu coração aguenta, a única que sinto é que, cada vez que a dou espaço à razão, o meu coração começa a encolher-se como um bolo sem fermento, a vida fica sem açúcar e os dias sem sabor.
Mergulhar no futuro

Mergulhar no futuro

Agora, enquanto a ameaça da pandemia pairar sobre Portugal e o mundo, espero pacientemente por aquele momento mágico em que vou poder voltar a mergulhar no mar. A vida ensinou-me a mergulhar no futuro, mesmo quando o futuro é um lugar vago e incerto.
Com cinco letras apenas

Com cinco letras apenas

É engraçado como as palavras mais belas e mais importantes têm três, quatro ou cinco letras. Mãe, pai, avô, avó, tio, tia, filho, paz, saúde, sonho, amor, fado. Beijo, abraço, toque, sim, não, já, agora, calma, vem, fica.
Claras em Castelo

Claras em Castelo

Estar fechada em casa não me custa, o que me custa é não ver o meu filho e os meus pais, as minhas sobrinhas e os meus irmãos, as minha amigas e amigos. Na verdade, o que me custa ainda mais, é não acreditar que, quando a pandemia passar, as pessoas não vão mudar. Agora acreditam que sim, estão paralisadas pelo medo, mas são apenas boas intenções, porque as pessoas não mudam.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;