Margarida Rebelo Pinto
Margarida Rebelo Pinto Pessoas Como Nós

Notícia

Ser Mulher

Somos aquilo que nos inspira e que nos amamos. Eu sou da geração do 25 de Abril, a liberdade inspirou-me a dizer e a escrever tudo o que penso.
07 de março de 2020 às 13:59
...
Ser Mulher

Somos aquilo que nos inspira e que tanto amamos. A frase não é minha, nasceu durante uma conversa telefónica com o meu amigo Bernardo que podia ser bailarino, ator ou manequim, com alma de poeta involuntário, autor de tiradas geniais e de uns bifes espetaculares acompanhados de um arroz branco tão solto de fazer inveja ao Chef mais exigente.

Somos aquilo que nos inspira e que tanto amamos. Somos um espelho com traços distintos dos nossos pais e irmãos e de todas as pessoas que mais contribuíram para desenhar a nossa personalidade e para construir os alicerces do nosso caráter. Quase sempre é assim, mas por vezes somos o contrário, quando aquilo que vivenciámos antes da idade da razão nos marcou pela negativa, cristalizando-se dentro do peito com uma etiqueta que diz. Nunca Fazer Assim.

Eu tive duas avós, uma feliz e uma infeliz. A primeira estava sempre a pensar no que era melhor para os filhos e os netos e a outra estava sempre à espera do pior dos filhos e dos netos. Uma era cheia de cores e de bolos com chantilly, de ao cinema e de passeios pela praia e a outra racionava os croquetes e as línguas de gato e nunca nos levava a passear, porque ela nunca ia passear. A avó feliz vestia-se com cores alegres, pintava o cablo de loiro e possuía uma coleção maravilhosa de lenços e de luvas de todas as cores, saídas de praia dignas de Grace Kelly, estampadas a flamingos e pavões. A segunda trajava de preto dos pés à cabeça, tinhas o cabelo branco e usavas óculos com aros de massa pretos. Podia parecer uma professora de matemática dos tempo do Estado Novo, mas era apenas uma latifundiária de pequeno porte e muito personalidade.

Quando ainda não tinha atingido a idade da razão, é já sentia dentro do meu peito que seria como a avó loira, com gosto por roupas bonitas, um pézinho para viagens sempre que possível, uma certa predileção por saldos e promoções e o gosto eterno de entrar numa sala de cinema, mesmo que a fita não seja lá grande coisa, usando expressões da própria, que, perante uma comedia romântica com pouco interesse, lhe valia o comentário cheio de bonomia, ao menos é uma fita que dispõe bem.

Foi com ela que aprendi que mais vale levar a vida com alegria do que com tristeza, mais vale ajudar o próximo do que deixá-lo cair, mais vale ficar calada do que dizer mal de alguém. Com ela também aprendi que quando uma senhora fica loira nunca mais deve deixar de o ser e que a beleza e a elegância atravessam a idade com leveza se soubermos deixar-nos levar pelo lado bom, da vida.

Somos aquilo que nos inspira e que nos amamos. Eu sou da geração do 25 de Abril, a liberdade inspirou-me a dizer e a escrever tudo o que penso,  sou filha, neta e bisneta de mulheres fortes, os seus genes e os seus exemplos ensinaram-me a dar o peito às balas e a enfrentar qualquer conflito sem medo. O meu querido amigo Bernardo diz que se eu fosse forcado, estaria sempre à frente, pronto para ir à cara do outro. Inútil explicar-lhe que é quase sempre o primeiro ajuda quem leva o impacto maior, seja como for, nunca se sabe o que pode acontecer numa pega de frete. Aquilo que se sabe é que os mais fraquinhos se posicionam no fim da linha dos forcados e um deles puxa a cauda do bicho para ao cansar. O que a vida me ensinou foi a nunca ser o Rabejador, aquele que espera que todos digam o que pensam para dar a sua opinião.

Acredito que faz parte de ser mulher ir sempre à frente, ser pioneira, ser batedora, e já agora que sou escritora, usar todas as palavras para dizer tudo aquilo que considero importante, pelas mulheres e pelo mundo. Ser mulher é muito mais do que ser uma boa filha e uma boa mãe, uma esposa exemplar, uma excelente educadora, uma trabalhadora incansável, uma boa dona de casa com jeito para os tachos e brio nas limpezas e nas artes do ferro de engomar. Ser mulher é seguir a inspiração de quem mais se ama para ser a inspiração daqueles que nos amam e nos seguem. Ser mulher é sobretudo aprender a ser feliz, para poder espelhar a felicidade.

Mais notícias de Pessoas Como Nós

A menina Clarinha e eu

A menina Clarinha e eu

Não sei quantas vezes tentei esquecer-te, talvez menos do que tu e mais do que o meu coração aguenta, a única que sinto é que, cada vez que a dou espaço à razão, o meu coração começa a encolher-se como um bolo sem fermento, a vida fica sem açúcar e os dias sem sabor.
Mergulhar no futuro

Mergulhar no futuro

Agora, enquanto a ameaça da pandemia pairar sobre Portugal e o mundo, espero pacientemente por aquele momento mágico em que vou poder voltar a mergulhar no mar. A vida ensinou-me a mergulhar no futuro, mesmo quando o futuro é um lugar vago e incerto.
Com cinco letras apenas

Com cinco letras apenas

É engraçado como as palavras mais belas e mais importantes têm três, quatro ou cinco letras. Mãe, pai, avô, avó, tio, tia, filho, paz, saúde, sonho, amor, fado. Beijo, abraço, toque, sim, não, já, agora, calma, vem, fica.
Claras em Castelo

Claras em Castelo

Estar fechada em casa não me custa, o que me custa é não ver o meu filho e os meus pais, as minhas sobrinhas e os meus irmãos, as minha amigas e amigos. Na verdade, o que me custa ainda mais, é não acreditar que, quando a pandemia passar, as pessoas não vão mudar. Agora acreditam que sim, estão paralisadas pelo medo, mas são apenas boas intenções, porque as pessoas não mudam.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;