Margarida Rebelo Pinto
Margarida Rebelo Pinto Pessoas Como Nós

Ovos Rotos

No amor é muito mais fácil fazer tudo mal do que bem. Entram em jogo o egoísmo, a insegurança, o medo de perder o que está garantido. E o medo vence sempre.

A criada da Ditador

Dona Maria metia o dedo para fazer a vida do Senhor Doutor, como ela se referia a ele, mais confortável e agradável. Era um capacho feliz com a sua condição.

Demónios e dominós

Há mais vida, para lá do bem e do mal, dos sonhos e pesadelos, de quem escolhemos para a nossa vida e de quem se atravessa sem aviso.

Basta Querer

Verdade é o que se sente, por isso para a semana vou visitar a minha querida Tia Luísa que sempre me tratou como sua filha e levar-lhe uma caixa cheia de abraços e de beijos.

Dar a mão

Ao longo da vida aparecem poucos homens que fazem tudo por nós.

Todas as pontes

Na Birmânia monges e monjas não vivem fechados nos mosteiros. Fora dos horários de meditação, podem fazer o que lhes apetecer. Ele gostava de fazer amigos entre os turistas. Devia ter sido um homem bonito quando era novo.

Trapézios e Juízo

Destaque: Nunca fui de voar sem rede, fora de questão correr mais riscos do que aqueles que o juízo me permite

Dia a dia

Olho para as pessoas, mas quase nunca as vejo. Limito-me a ver através delas, o que provoca uma sensação de estranheza a que tentar apanhar o meu olhar. Não é só miopia, é mesmo feitio.

Penas têm os pombos

Contas feitas, desde esta manhã que já ouvi a mensagem mais de 40 vezes, estou sempre a ouvi-la, oiço-a em loop, quero perceber tudo o que não dizes.

O número mágico

A ideia de viver debaixo do mesmo teto com alguém que não ame e que não me faça feliz é-me tao absurda como atirar-me de um penhasco com asas compradas na loja do chinês.

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável