Paulo Abreu
Paulo Abreu O Tal Canal

Notícia

Coitado de Sócrates

As duas perguntas finais ao antigo primeiro-ministro não são perguntas do Correio da Manhã. São de jornalistas, profissionais e isentos, que sabem fazer perguntas. Daquelas que interessam.
21 de outubro de 2017 às 07:38
...
Coitado de Sócrates

1. A pergunta de Vítor Gonçalves surgiu no final da entrevista a José Sócrates, na sexta-feira, 13. "Hoje, como é que o senhor vive, paga as suas despesas?" O antigo primeiro-ministro, acusado de 31 crimes, entre os quais corrupção, fraude fiscal e branqueamento de capitais, reagiu assim: "É inacreditável… que me pergunte isso. Desculpe lá, mas o que é o senhor tem que ver com isso?! O que é que o Vítor Gonçalves tem que ver com isso? Isso é uma pergunta de um jornalista? É uma pergunta típica do Correio da Manhã… Vivo da minha pensão de ex-deputado, é o meu único rendimento… Isso diz muito do jornalismo português que você acabe esta entrevista com essa pergunta." O director-adjunto de Informação da estação pública insistiu, questionando se vive com base nos empréstimos do amigo Carlos Santos Silva (outro dos arguidos da Operação Marquês). "Essa pergunta é uma afronta, indigna de um jornalista. É uma pergunta do Correio da Manhã,  e eu não respondo a jornalistas do Correio da Manhã?", concluiu, alterado, o ex-líder dos socialistas.

Ora bem, as duas perguntas finais a José Sócrates não são perguntas do Correio da Manhã. São de jornalistas, profissionais e isentos, que sabem fazer perguntas. Daquelas que interessam. Daquelas que obrigam a respostas que esclarecem, ou não, os assuntos. E, por isso, só tenho de felicitar Vítor Gonçalves, que se manteve imperturbável perante o comportamento provocatório e os vários ataques do antigo primeiro-ministro, numa entrevista difícil, durante quase uma hora, na RTP1. Eu, que não apreciava o estilo deste jornalista, fiquei (quase) fã. Judite Sousa, sua professora, tem fortes motivos para estar orgulhosa. 

2. A CMTV voltou a fazer a diferença, domingo, dia 15, com um trabalho jornalístico irrepreensível nos incêndios que continuam a devastar o País – enquanto isso, a RTP3, por exemplo, paga por todos os contribuintes, estava preocupada não com a tragédia que já vitimou mais de 40 pessoas mas com as polémicas do futebol, no seu Trio d’Ataque. Muito bem, José Lúcio Duarte, jornalista da televisão da Cofina, a interrogar António Costa, em directo, às 02:38, quando o primeiro-ministro falava, falava… e não dizia nada: "E os mortos?" 

* O autor desta crónica escreve de acordo com a antiga ortografia.

 

Mais notícias de o tal canal

O noivo e os galácticos da SIC

O noivo e os galácticos da SIC

A SIC prefere antecipar-se à TVI e ao ‘Big Brother’ e, à pressa, sem o promover juntos dos portugueses, estrear já no domingo ‘O Noivo é que Sabe’. Com Cláudia Vieira ao leme, o sucesso do reality show não está na apresentadora.
O imperador César Mourão

O imperador César Mourão

O humorista da SIC estreou mais uma temporada de ‘Terra Nossa’ e destronou da liderança das audiências a novela ‘Quer o Destino’, da TVI. Mas o mais importante é mesmo o seu discurso ambicioso…
Teresa Guilherme em perigo

Teresa Guilherme em perigo

A apresentadora substitui Cláudio Ramos no ‘Big Brother’, após longa travessia no deserto, mas há cuidados a ter. Os inimigos estão aí
SIC ataca (e bem) a TVI

SIC ataca (e bem) a TVI

O ‘Big Brother’ ganha ao ‘Agricultor’? Não faz mal: aposta-se em ‘Nazaré’. O ‘Somos Portugal’ é uma marca? Não faz mal: faz-se uma coisa igual. Na guerra vale tudo, e a estação de Queluz de Baixo não tem muito tempo…

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;