'
Pedro Chagas Freitas
Pedro Chagas Freitas Dicionário do Amor

Notícia

O Amor é...

a única ditadura que faz sentido.
30 de outubro de 2018 às 13:45
...
Pedro Chagas Freitas, Crónica

Tenho nojo de ditadores. Mas pior do que um ditador só um ditador anti-ditador.

Enquanto que o ditador assume claramente que o é — e assume assim, claramente, o idiota que nunca deixará de ser —, o ditador anti-ditador clama lutar pela liberdade. E fá-lo. Sempre. Desde que seja a sua liberdade: a liberdade daquilo em que acredita, daquilo que vê como intocável, como impassível de ter outro ângulo.

Pior: o ditador anti-ditador insulta o ditador por aquilo que ele mesmo é: chama-lhe burro, diz que é ignorante, ataca-o de todas as maneiras e mais algumas. E nem lhe admite que seja diferente, que pense diferente. O ditador anti-ditador é um ditador que se vê como um gajo porreiro, alguém que defende o direito de expressão — desde, claro está, que não seja uma expressão que vá contra os seus princípios basilares.

Então: por mais que tenha razão, e tem (o ditador anti-ditador tem razão porque qualquer ditador é um merdas e será sempre um merdas), o ditador anti-ditador acaba por perdê-la num instante: a partir do instante em que quer amestrar, domar, ofender a liberdade de quem defende o ditador. Agora pensa: é mais ditador o que impede a opinião ou o que impede a opinião? Sim: são a mesma coisa, eu sei.

Para rematar: ditador é quem não ama. E quem não ama não compreende, não percebe, não perdoa, não dá espaço nem asfixia em doses iguais. Quem ama vê no amor a única ditadura que vale a pena. E quem ama sabe que amar também é, por vezes, entender; melhor: amar é quase sempre entender. Quer o ditador quer o ditador anti-ditador não sabem o que é isso de entender, de perdoar, de conter. Para ambos, a sua visão é a correcta: a intocavelmente correcta, a inapelavelmente correcta, a indiscutivelmente correcta. E ambos atacam ferozmente quem não a segue. São os dois um belo monte de bosta.

Não há, no limite, qualquer diferença entre eles: um é ditador porque quer impor a sua opinião e porque age ferozmente em função disso; o outro é ditador porque quer ferozmente que o ditador e os seus seguidores não tenham o direito de expressarem os seus pensamentos ditatoriais. Confuso, não?

Esclareço de vez: esta é, na verdade, uma carta de amor que te escrevo. Para te dizer que a tua existência é em mim uma ditadura, e que és tu a anti-ditadora que me impede de a fazer mandar em mim. Entendeste ou queres que um qualquer pseudo-intelectual te venha explicar?

Rir: v. O mesmo que sobreviver; quem não aprendeu a rir do que é nunca passará de uma criatura risível.    

Mais notícias de COMO F***DER UM CASAMENTO Manual Prático para Mulheres e para Homens

COMO F*DER UM CASAMENTO  18. PASSAR UM DIA SEM UM BEIJO.

COMO F*DER UM CASAMENTO 18. PASSAR UM DIA SEM UM BEIJO.

Saíste. E nem um beijo. Simplesmente foste. Tinhas certamente muito em que pensar, a empresa, as preocupações, as contas para pagar, os desafios que te esperam, mas foste sem um beijo. Deixaste um até logo distante, que quando foi falado já não estava aqui.
COMO F*DER UM CASAMENTO  15. SER RACIONAL.

COMO F*DER UM CASAMENTO 15. SER RACIONAL.

Eu sei: a culpa é minha. A culpa é minha e desta minha cabeça que não pára de pensar. Que não pára de questionar. Que não pára de querer entender tudo e mais alguma coisa.
COMO F*DER UM CASAMENTO 14. CEDER À PREGUIÇA

COMO F*DER UM CASAMENTO 14. CEDER À PREGUIÇA

CARTA AO PREGUIÇOSO ARREPENDIDO: Meu grandessíssimo burro, como querias tu que a paixão resistisse, que a nossa vida, tal qual a sonhámos resistisse, se simplesmente te deixaste cair na preguiça? Como?
COMO F***DER UM CASAMENTO  11. MAGOAR.

COMO F***DER UM CASAMENTO 11. MAGOAR.

Somos do tamanho do que impedimos em nós para magoar quem amamos. Em mim impeço tudo. Se sei que te pode magoar, paro. Se sei que te pode magoar, respiro, acalmo. E não faço.

Mais Lidas

+ Lidas