Pedro Chagas Freitas
Pedro Chagas Freitas Dicionário do Amor

Notícia

O Amor é...

a única ditadura que faz sentido.
30 de outubro de 2018 às 13:45
...
O Amor é...

Tenho nojo de ditadores. Mas pior do que um ditador só um ditador anti-ditador.

Enquanto que o ditador assume claramente que o é — e assume assim, claramente, o idiota que nunca deixará de ser —, o ditador anti-ditador clama lutar pela liberdade. E fá-lo. Sempre. Desde que seja a sua liberdade: a liberdade daquilo em que acredita, daquilo que vê como intocável, como impassível de ter outro ângulo.

Pior: o ditador anti-ditador insulta o ditador por aquilo que ele mesmo é: chama-lhe burro, diz que é ignorante, ataca-o de todas as maneiras e mais algumas. E nem lhe admite que seja diferente, que pense diferente. O ditador anti-ditador é um ditador que se vê como um gajo porreiro, alguém que defende o direito de expressão — desde, claro está, que não seja uma expressão que vá contra os seus princípios basilares.

Então: por mais que tenha razão, e tem (o ditador anti-ditador tem razão porque qualquer ditador é um merdas e será sempre um merdas), o ditador anti-ditador acaba por perdê-la num instante: a partir do instante em que quer amestrar, domar, ofender a liberdade de quem defende o ditador. Agora pensa: é mais ditador o que impede a opinião ou o que impede a opinião? Sim: são a mesma coisa, eu sei.

Para rematar: ditador é quem não ama. E quem não ama não compreende, não percebe, não perdoa, não dá espaço nem asfixia em doses iguais. Quem ama vê no amor a única ditadura que vale a pena. E quem ama sabe que amar também é, por vezes, entender; melhor: amar é quase sempre entender. Quer o ditador quer o ditador anti-ditador não sabem o que é isso de entender, de perdoar, de conter. Para ambos, a sua visão é a correcta: a intocavelmente correcta, a inapelavelmente correcta, a indiscutivelmente correcta. E ambos atacam ferozmente quem não a segue. São os dois um belo monte de bosta.

Não há, no limite, qualquer diferença entre eles: um é ditador porque quer impor a sua opinião e porque age ferozmente em função disso; o outro é ditador porque quer ferozmente que o ditador e os seus seguidores não tenham o direito de expressarem os seus pensamentos ditatoriais. Confuso, não?

Esclareço de vez: esta é, na verdade, uma carta de amor que te escrevo. Para te dizer que a tua existência é em mim uma ditadura, e que és tu a anti-ditadora que me impede de a fazer mandar em mim. Entendeste ou queres que um qualquer pseudo-intelectual te venha explicar?

Rir: v. O mesmo que sobreviver; quem não aprendeu a rir do que é nunca passará de uma criatura risível.    

Mais notícias de COMO F***DER UM CASAMENTO Manual Prático para Mulheres e para Homens

Como F**er um casamento? 9. Lembrar tudo

Como F**er um casamento? 9. Lembrar tudo

A ausência é constantemente o que dói: o que de repente, ou não tão de repente assim, deixamos de ter. Melhor ainda: o que de repente, ou não tão de repente assim, deixamos de sentir.
Como F**er um Casamento? 7. Perder a curiosidade.

Como F**er um Casamento? 7. Perder a curiosidade.

Estou a perder-te, sei que estou, e não consigo mudar, não consigo acordar, o mais perigoso é o tédio, o não saber como sair dali, de um buraco que sabemos que fomos nós que cavámos, e que quando mais nos mexemos mais fundo vai ficando.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!