Pedro Chagas Freitas
Pedro Chagas Freitas Dicionário do Amor

Notícia

O amor é...

...o lado certo da ferida.
17 de dezembro de 2018 às 21:41
...
O amor é...

A ferida começa por matar

a pele, à traição. 

  • Gosto de te dizer o que sinto, e depois sentir. 

Depois vem o interior do sangue, o momento

em que a dor se cruza

com a veia. 

  • Quando te magoo dói-me o antes de mim, o que fica entre o que sou e o que poderia ser. 

Aos poucos a ferida transforma-se em nós, ou

nós na ferida, e acabámos por ser o que

a ferida é em nós, ou que somos nós

no espaço que ela ocupa. 

  • O que falta em mim é sempre o que me impede de te salvar do que dói. Fosse eu capaz de te tirar as lágrimas e jamais choraria.

A ferida maior não é a mais funda, só

a mais fina, a mais cirúrgica, a que quanto

mais pequena maior se sente. 

  • Dói-me a tua presença apenas por saber o que me vai doer a tua ausência. 

A ferida não é um espaço

magoado; é um órgão.

Funcionamos, quando ela aparece, em função

do que ela é: do que ela pode não ser, do que

poderemos fazer para ela deixar de ser. 

  • Gasto-me todo para te poupar. 

A ferida faz mover o mundo pela maneira

como faz parar: somos muito mais a

ferida do que a sua cura, e nada nos cura mais

do que uma ferida curada. 

  • Tenho nojo de quem ama quando pode. Só se ama quando não se pode, quando tudo o desaconselha, quando tudo o abomina. Um amor recomendado não é recomendável. 

A ferida é uma felicidade

que deu errado. Como nós, sempre

que me dizes que não me queres,

e depois nos queremos a vida toda. 

Rumo: s.m. Aquilo que só se encontra sem querer; nunca a felicidade foi combinada.

Mais notícias de Como F**er um casamento?

Como F**er um casamento? 9. Lembrar tudo

Como F**er um casamento? 9. Lembrar tudo

A ausência é constantemente o que dói: o que de repente, ou não tão de repente assim, deixamos de ter. Melhor ainda: o que de repente, ou não tão de repente assim, deixamos de sentir.
Como F**er um Casamento? 7. Perder a curiosidade.

Como F**er um Casamento? 7. Perder a curiosidade.

Estou a perder-te, sei que estou, e não consigo mudar, não consigo acordar, o mais perigoso é o tédio, o não saber como sair dali, de um buraco que sabemos que fomos nós que cavámos, e que quando mais nos mexemos mais fundo vai ficando.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!