Pedro Chagas Freitas
Pedro Chagas Freitas Dicionário do amor

Notícia

O amor é...

... a grande arma de luta contra o tédio.
30 de julho de 2019 às 18:49
...
O amor é...
  • Quando chegam os problemas normalmente atiro-lhes prazer para cima, e os problemas deixam de ser problemas e passam a ser prazer.
  • E quando o prazer acaba?
  • Voltam os problemas.
  • Isso é um problema.
  • É. Mas passa.
  • Passa?
  • Com o prazer.
  • ...
  • Já te tinha dito.
  • ...
  • Somos então problemas ou prazer, é isso?
  • É mau?
  • Há coisas piores.
  • Não haver prazer.
  • E não haver problemas. A existência de problemas é o que motiva o prazer. O prazer pode até ser, em muitos casos, prazer apenas porque resolve problemas.
  • ...
  • Faço-me entender?
  • A perfeição é uma seca. Quando tudo corre bem alguma coisa está mal. Não suporto quando tudo corre bem.
  • O tédio é um problema.
  • O tédio nem problema é. Se fosse problema seria a antecâmara do prazer. Assim é a antecâmara de nada. Um não-acontecimento.
  • A ausência de problemas é o tédio.
  • A ausência de problemas é a morte. Quem nada tem para resolver nada tem para viver.
  • O tédio é a morte.
  • O tédio é pior do que a morte. A morte chega e acaba com tudo. O tédio chega e acaba connosco e deixa tudo o resto a continuar à nossa volta. Ficamos parados a ver o movimento dos outros.
  • Entedio-te?
  • Mexes comigo.
  • O amor é mexer. É movimento. O amor é então o contrário do tédio, o contrário do nada. Não é por acaso que se diz que o amor é tudo. Porque o é.
  • Amo-te.
  • Estava a ver que não chegávamos lá.
Tédio: s.m. Ausência de vida; ausência de amor. Q

Mais notícias de Como F**er um casamento?

Como F**er um casamento? 9. Lembrar tudo

Como F**er um casamento? 9. Lembrar tudo

A ausência é constantemente o que dói: o que de repente, ou não tão de repente assim, deixamos de ter. Melhor ainda: o que de repente, ou não tão de repente assim, deixamos de sentir.
Como F**er um Casamento? 7. Perder a curiosidade.

Como F**er um Casamento? 7. Perder a curiosidade.

Estou a perder-te, sei que estou, e não consigo mudar, não consigo acordar, o mais perigoso é o tédio, o não saber como sair dali, de um buraco que sabemos que fomos nós que cavámos, e que quando mais nos mexemos mais fundo vai ficando.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!