Pedro Chagas Freitas
Pedro Chagas Freitas

Notícia

COMO F*DER UM CASAMENTO 15. SER RACIONAL.

Eu sei: a culpa é minha. A culpa é minha e desta minha cabeça que não pára de pensar. Que não pára de questionar. Que não pára de querer entender tudo e mais alguma coisa.
28 de janeiro de 2020 às 17:51
...
COMO F*DER UM CASAMENTO  15. SER RACIONAL.

Eu sei: a culpa é minha. A culpa é minha e desta minha cabeça que não pára de pensar. Que não pára de questionar. Que não pára de querer entender tudo e mais alguma coisa. E depois entra em espiral. E depois fica à beira da falência.

Um amor que tem de ser explicado é um amor falido.

Mas sou assim. Não consigo deixar de ser assim. De ser esta pessoa. Este homem inseguro. Incapaz de entender que é assim. Que o amor é assim. Que nós somos assim. Que por vezes a razão nos foge, e com toda a razão.

Não há qualquer razão para quem ama não perder por vezes a razão.

Porque quando se ama tudo é aquilo: tudo aquilo nos consome. E não há que travar, não há que moderar.

Nunca o moderado foi inesquecível.

Nunca o moderado mudou o mundo, ou uma parte do mundo. Ou uma vida que fosse. Nunca o moderado foi mais do que moderadamente feliz, ou moderadamente eufórico, ou moderadamente apaixonado.

Quem está moderadamente apaixonado está completamente morto.

Nunca aquilo que faz com a que a vida aconteça é moderado. Nunca o orgasmo é moderado, nunca o abraço é moderado, nunca o beijo é moderado. Porque quando estamos temos de estar: não simplesmente permanecer.

Amar é estar — e estar é muito mais do que permanecer.

É estar com tudo. É estar sem pensar em nada senão no que é melhor para o amor. Quem ama ama. E pensa muito pouco.

Quem ama está demasiado entretido a sentir para ter tempo para pensar.

Amar é sentir. Apenas sentir. Deixar ir. Deixares-te ir. E eu não vou. Não consigo. Continuo a querer explicar tudo, entender tudinho. Que estupidez. Que estupidez. Quando aprendo a amar? Quando? Será que só vou aprender a amar quando já não estiveres? Será que só vou amar-te como queres ser amada quando já não quiseres ser amada?

Há tantos amores que se perdem não por falta de amor, mas por maneiras diferentes de amar.

E um ama com tudo, sem amarras. E o outro contém-se, equilibra-se. E depois um não é feliz e o outro não é feliz. E amam-se tanto, tanto. E perdem-se tanto, tanto, assim, nesta forma absurda de pensar sobre o que não tem de ser pensado.

O amor não se pensa; faz-se.

Faz-se. E faz-se com todo o material de que tem de ser feito: com paixão, com resiliência, com paciência, com tolerância, com tesão, com entrega, com admiração, com frustração aqui e ali, e falhas aqui e ali, e insuficiências aqui e ali, e no fim disto tudo ele sobrevém, ele resiste, ele impera, ele governa, ele reina: o amor reina por mais que queiram dividi-lo.

O amor não é tudo: o amor é mais do que tudo.

O amor pega no nosso tudo e faz-nos mais do que isso: quando amamos não somos apenas tudo o que somos; somos muito mais do que aquilo que somos. Do que aquilo que algum dia fomos. Porque a nós se somam os outros, os que amamos, e assim o nosso tudo amplia: vai-se ampliando, ficando maior.

O amor torna-nos maiores a cada vez que amamos.

 E o meu é racional: a razão encolhe o amor. Torna-o previsível, como se amar fosse um tratado, como se fosse possível ensaiar o amor, torná-lo perfeitinho, arrumadinho, aprumadinho. Os amores perfeitinhos que se vão encher de moscas. Amar é o cabelo despenteado, a cabeça despenteada, as ideias despenteadas.

Nunca algo perfeito foi apaixonante.

O que apaixona é o que foge do controlo, o que derrota as teorias, o que humilha as explicações.  Perdoa-me ser assim, sempre a querer mais um porquê, mais um como, mais um de que modo. Perdoa-me chatear-te com perguntas, com birras de quem não entende e por isso recusa viver.

O amor é o que por mais que não entendas não consegues recusar viver.

Deixa-me ser capaz de não entender. Dá-me tempo. Deixa-me perceber que nada há em nós para ser entendido. Apenas que te amo como um louco e me amas como uma louca. Que tem isto de tão difícil de perceber?

O amor é tão simples quando ninguém o complica, não é?

 

Mais notícias de COMO F***DER UM CASAMENTO Manual Prático para Mulheres e para Homens

COMO F*DER UM CASAMENTO  18. PASSAR UM DIA SEM UM BEIJO.

COMO F*DER UM CASAMENTO 18. PASSAR UM DIA SEM UM BEIJO.

Saíste. E nem um beijo. Simplesmente foste. Tinhas certamente muito em que pensar, a empresa, as preocupações, as contas para pagar, os desafios que te esperam, mas foste sem um beijo. Deixaste um até logo distante, que quando foi falado já não estava aqui.
COMO F*DER UM CASAMENTO 14. CEDER À PREGUIÇA

COMO F*DER UM CASAMENTO 14. CEDER À PREGUIÇA

CARTA AO PREGUIÇOSO ARREPENDIDO: Meu grandessíssimo burro, como querias tu que a paixão resistisse, que a nossa vida, tal qual a sonhámos resistisse, se simplesmente te deixaste cair na preguiça? Como?
COMO F*DER UM CASAMENTO  15. SER RACIONAL.

COMO F*DER UM CASAMENTO 15. SER RACIONAL.

Eu sei: a culpa é minha. A culpa é minha e desta minha cabeça que não pára de pensar. Que não pára de questionar. Que não pára de querer entender tudo e mais alguma coisa.
COMO F***DER UM CASAMENTO  11. MAGOAR.

COMO F***DER UM CASAMENTO 11. MAGOAR.

Somos do tamanho do que impedimos em nós para magoar quem amamos. Em mim impeço tudo. Se sei que te pode magoar, paro. Se sei que te pode magoar, respiro, acalmo. E não faço.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;