Pedro Chagas Freitas
Pedro Chagas Freitas dicionário do amor

Notícia

Leve

Leve: adj. Aquilo que é feito com amor; mesmo sendo uma droga pesada, o que mais pesa no amor é a sua ausência.
29 de maio de 2017 às 06:00
...
Leve

"Não se ganha um amor; apenas não se deve perdê-lo."

Não acreditava na existência da ciência: "isso é banha da cobra, para enganar e entreter aqueles que não sabem amar e a quem só resta estudar. Algo que estuda o que já existe é uma treta; algo que se baseia no possível é uma treta. Só o impossível existe; o possível é apenas uma réplica do que já existiu. Somos viciados no impossível, no que nunca existiu antes porque ninguém o julgou capaz de acontecer: todos os amores são impossíveis até prova em contrário, mas também todos os amores são possíveis até prova em contrário; mas quem é que quer saber de provas? Todos queremos, e ainda bem, é provar." Perdia – ganhava – assim o seu tempo a tratar de amar. Não precisava de o ganhar – "está ganho à partida; nascemos com a capacidade de amar, isso é o maior dom com que se nasce; depois só temos de não o perder, o que já não é pouco, como é bom de ver" - , apenas precisava de saber onde é que o podia ganhar.

"Quantos se atrasaram uns segundos e não chegaram a tempo de uma vida inteira?"

Aprendeu a ler para aprender a amar – e para aprender a escrever sobre amar. Construiu dezenas, talvez centenas, de teses sobre o sentimento maior: "sei em absoluto o que é, de onde vem, para onde vai. Sou um cientista sem ciência, aliás, para mim, o único cientista que existe. Estudar para ser cientista é como estudar para abraçar: uma boçalidade, uma perda de tempo. Ou se estuda com a alma ou não se estuda nada. Não é a experiência a base da ciência; é o prazer. Nenhum cientista sabe definir orgasmo se não for capaz de o sentir." Vive de esmolas, embora diga que vive de amor: "só aceito quem me dá dinheiro por amor; recuso muitos euros por dia, só por sentir que quem me dá a moeda ou a nota apenas o faz por obrigação; dar por obrigação é receber: dás para receberes a gratificação de não teres a consciência pesada; dás-te, no fundo, uma esmola. E eu não quero gente dessa na minha vida. Na nossa vida só deve ter lugar quem ganhar o lugar, e mais ainda quem queira o lugar." O seu lugar é onde calha, nos becos que calha. Na rua todos o tratam por maluco, e ele insiste que não percebe de onde vem – "agradeço a deferência mas não creio ser merecedor de tamanho enaltecimento" -  a admiração que nutrem por si. Há sempre um maluco para nos fazer sentir sãos, e ainda dizemos que o maluco é ele.

"Sou médico porque foi a opção mais fácil."

Licenciou-se em medicina por acaso, pelo mais feliz dos acasos: "amo-a e ela é médica; não vejo motivo mais importante do que esse para tirar um curso. A minha vocação é amá-la, mas amo a medicina porque foi ela quem ma trouxe." Como o conseguiu também se conta em poucas palavras: arranjou um emprego num café, o café onde ela ia; juntou dinheiro durante mais de vinte anos, fez os exames com resultados brilhantes e depois foi o aluno mais velho da turma de uma universidade prestigiada. Só quando se licenciou e iniciou o estágio é que quis conhecê-la: "devemos querer sempre mostrar o nosso melhor a quem amamos. É claro que quem ama também tem de lidar com o pior, mas já basta quando tem de ser. Respeitar o outro é dar-lhe o melhor de nós." O azar foi que ela, então, já era casada, o que fez com que a sua ideia se esfumasse. Mas foi só durante três décadas.

"Andei a vida toda a aprender a amar-te, por favor diz-me se vires que aprendi mal."

Ela nunca disse nada. 

Leve: adj. Aquilo que apenas os patetas dizem que a vida não pode ser; só o que nos pesa é insustentável – e quando estás apaixonado é tão pouco o que pesa muito. Os pobres de espírito são os podres de espírito.

 

Mais notícias de COMO F***DER UM CASAMENTO Manual Prático para Mulheres e para Homens

COMO F*DER UM CASAMENTO  18. PASSAR UM DIA SEM UM BEIJO.

COMO F*DER UM CASAMENTO 18. PASSAR UM DIA SEM UM BEIJO.

Saíste. E nem um beijo. Simplesmente foste. Tinhas certamente muito em que pensar, a empresa, as preocupações, as contas para pagar, os desafios que te esperam, mas foste sem um beijo. Deixaste um até logo distante, que quando foi falado já não estava aqui.
COMO F*DER UM CASAMENTO 14. CEDER À PREGUIÇA

COMO F*DER UM CASAMENTO 14. CEDER À PREGUIÇA

CARTA AO PREGUIÇOSO ARREPENDIDO: Meu grandessíssimo burro, como querias tu que a paixão resistisse, que a nossa vida, tal qual a sonhámos resistisse, se simplesmente te deixaste cair na preguiça? Como?
COMO F*DER UM CASAMENTO  15. SER RACIONAL.

COMO F*DER UM CASAMENTO 15. SER RACIONAL.

Eu sei: a culpa é minha. A culpa é minha e desta minha cabeça que não pára de pensar. Que não pára de questionar. Que não pára de querer entender tudo e mais alguma coisa.
COMO F***DER UM CASAMENTO  11. MAGOAR.

COMO F***DER UM CASAMENTO 11. MAGOAR.

Somos do tamanho do que impedimos em nós para magoar quem amamos. Em mim impeço tudo. Se sei que te pode magoar, paro. Se sei que te pode magoar, respiro, acalmo. E não faço.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;