Pedro Chagas Freitas
Pedro Chagas Freitas Dicionário do Amor

Notícia

Medo

Medo: s.m. Sinónimo de existência, sinónimo de ti. Nasces para sentir medo (é por isso que choras desde o momento em que nasces: temes desde logo o que não dominas) – mas também nasces para o derrotar. Cobarde é só aquele que nunca temeu nada.
14 de agosto de 2017 às 14:41
...
Medo
Foto: iStock

(manual do absurdo para totós) 

  1.       Ser é ser percebido – mas é o amor a mais absoluta das formas de percepção.

E a única, na verdade. Percebemos o que nos envolve, o que somos capazes de assimilar emocionalmente. O resto podemos até entender – mas não fazemos o mínimo esforço para perceber. Podes até achar que perceber e entender são a mesma coisa – mas são bem diferentes. Um dia vais perceber – ou pelo menos entender. Já não é mau.

  1.       A sociedade é um contrato – mas o que tu és é uma folha em branco.

Escreve-a, preenche-a, rabisca-a, rasga-a se te apetecer, mas por favor não te deixes regular por algo que manifestamente, e infelizmente, não existe. Está na tua mão tudo o que está na tua mão. Faz do que fazes o que realmente fazes de ti – ou estarás a fazer pouco de ti. Há muito que te escapa mas há muito que te pertence. Explora-o. Já não é mau.

  1.       A dúvida custa, a certeza não existe – mas entre as duas tenho a certeza que prefiro a primeira.

Quem não tem dúvidas é certamente um idiota, e tenho dúvidas sobre se será sequer uma pessoa. Ser pessoa é hesitar, ficar a meio, não saber muito bem quem é, de onde vem e para onde vai. Se não sabes para onde vais mas sabes que vais: vai. Vai mesmo. O bom do incerto é a infalibilidade de uma surpresa. Já não é mau.

  1.       Todo o desejo é loucura – mas a maior loucura é mesmo a ausência de desejo.

O que nos define é, em grande parte, o que desejamos: o que faríamos tudo para conseguir. A falta de desejo é uma morte escondida, uma bosta bem-cheirosa. Alguém que deseja tudo e mais alguma coisa é alguém, no limite, vivo de mais – mas não creio que exista mesmo algo de mau em estar vivo demais. Viver é algo reservado a uma elite de loucos – e não viver também. Escolhe o teu lado favorito da loucura. Já não é mau.

  1.       Confia nos outros e em mais nada precisarás de confiar – mas confia em ti e estarás pronto a confiar nos outros.

És, por mais básico que possa parecer há quem não o veja (ou pelo menos quem não haja mostrando que o sabe), o começo e o fim de ti. Tens de optar entre um e outro: ou começas-te ou acabas-te. Prefere a que tem mais futuro. Já não é mau.

  1.       Não é o rigor que faz avançar o mundo, é a imaginação – mas toda a imaginação necessita de uma dose bem medida de rigor.

Sonhos que não passam de sonhos nunca mudaram o mundo. O que munda o mundo são os sonhos que deixam de o ser: sonhos frustrados, que se transformam em realidade conseguidas. Para que essa metamorfose aconteça, é importante colocar exactidão na demência: criar uma demência com causa. Encontra a tua. Já não é mau.

  1.       Tudo o que temos em nós foi lá colocado por nós mesmos – mas tudo o que vemos nos outros também.

Somos emissores e receptores de tudo o que somos. Vemos no outro o que somos: olhamo-lo à luz do que nos olhamos. És responsável por tudo o que és – o que, por mais que te custe, significa que és da mesma forma responsável por tudo o que não és, por tudo o que não foste capaz de ser.

  1.       Somos todos invenções recentes – mas só alguns de nós têm a humildade de o perceber.

Temos bugs, temos problemas de hardware, de software, há sempre upgrads para fazer, novos programas para instalar. Somos todos versões betas do que podemos vir a ser. Somos sistemas altamente falíveis, terrivelmente capazes de crashar (creio que terei batido, aqui, o recorde nacional de palavras estrangeiras num texto em português, escusam de aplaudir), infinitamente a precisarem de melhorias. O nosso trabalho é conseguir entender de onde vêm as melhorias que interessam – que vão melhorar o nosso desempenho – e de onde vêm as desmelhorias que não interessam – que só vêm colocar mais ruido no interior do nosso sistema. Na melhor das hipóteses somos sistemas caducos, finitos - prontinhos a ser substituídos por modelos novinhos em folha e que riem das nossas limitações -  a médio-prazo. Já não é mau. 

  1.       Uma corrente de pensamento é uma corrente de pensamento – mas também é uma corrente de pensamento. Que parte da palavra da palavra "corrente" não entendes mesmo?

Seguir uma corrente é prenderes-te com uma corrente. Caga em quem quer impingir-te uma forma de pensar, tal qual eu acabei de tentar fazer contigo. Escolhe a tua corrente e mesmo assim prende-te a ela de forma leve, para poderes fugir quando sentires que tens de te pôr a andar. És a tua corrente de pensamento, e de ti dificilmente conseguirás escapar. Já não é mau. 

Medo: s.m. Fraqueza só sentida pelos corajosos; o vencedor não é o que chegou primeiro à meta – é o que superou mais medos até chegar até lá. Forte não é o que consegue levantar-se; é o que não receia cair.

Mais notícias de COMO F***DER UM CASAMENTO Manual Prático para Mulheres e para Homens

COMO F*DER UM CASAMENTO  18. PASSAR UM DIA SEM UM BEIJO.

COMO F*DER UM CASAMENTO 18. PASSAR UM DIA SEM UM BEIJO.

Saíste. E nem um beijo. Simplesmente foste. Tinhas certamente muito em que pensar, a empresa, as preocupações, as contas para pagar, os desafios que te esperam, mas foste sem um beijo. Deixaste um até logo distante, que quando foi falado já não estava aqui.
COMO F*DER UM CASAMENTO 14. CEDER À PREGUIÇA

COMO F*DER UM CASAMENTO 14. CEDER À PREGUIÇA

CARTA AO PREGUIÇOSO ARREPENDIDO: Meu grandessíssimo burro, como querias tu que a paixão resistisse, que a nossa vida, tal qual a sonhámos resistisse, se simplesmente te deixaste cair na preguiça? Como?
COMO F*DER UM CASAMENTO  15. SER RACIONAL.

COMO F*DER UM CASAMENTO 15. SER RACIONAL.

Eu sei: a culpa é minha. A culpa é minha e desta minha cabeça que não pára de pensar. Que não pára de questionar. Que não pára de querer entender tudo e mais alguma coisa.
COMO F***DER UM CASAMENTO  11. MAGOAR.

COMO F***DER UM CASAMENTO 11. MAGOAR.

Somos do tamanho do que impedimos em nós para magoar quem amamos. Em mim impeço tudo. Se sei que te pode magoar, paro. Se sei que te pode magoar, respiro, acalmo. E não faço.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;