Pedro Chagas Freitas
Pedro Chagas Freitas Dicionário do amor

Notícia

Omissão

Omissão: s.f. Acto de fugir ao que nos causa problemas; o mesmo que cobardia.
15 de janeiro de 2018 às 15:26
...
Omissão

[o que é tudo o que interessa?]

O amor. Sentir. E agir em função disso.

O amor é, no limite, o valor maior: aquele que a tudo preside. Se o respeitarmos, tudo terá de ser respeitado. Se amo não magoo. Se amo não sou desonesto. Se amo não vou contra valores éticos ou morais. Tudo o que faço é por amor: eis tudo.

O amor guia os outros valores todos.  Tudo nasce de lá: do amor. Entendes?

[como se reage ao que magoa?]

Falhar e perder doem muito. E exigem uma resposta que nem sempre consigo, no imediato, dar. Mas o caminho é, depois, dividido em dois:

1º. Tento não me levar muito a sério; penso que é apenas uma falha, uma derrota, e que tudo está ainda pela frente.

2º. Procuro, assim que possível, estruturar uma saída, uma solução, uma ultrapassagem aos problemas que a falha provocou.

No fundo: assimilar, primeiro, o que acabou de acontecer, recebendo os murros que há para receber e as consequências que daí advêm; e, depois, criar uma resposta a essas consequências: construir de novo, se necessário.

O fundamental é sempre construir. E é necessário, muitas vezes, para criar um império, destruir as ruínas de outro.  

[quanto vale a criatividade?]

Sou movido a criatividade: sempre fui. Se algo exigia inventar contavam comigo e tentava partir a loiça toda. Arriscava, era ousado. Aprendi na escola a pensar: penso que é essa a grande aprendizagem que devemos tirar do percurso académico: a importância de pensar.

Pensar é um exercício extraordinário. Todos o deviam praticar. 

[quando devemos mudar?]

Quando não estamos apaixonados pelo que fazemos, temos de mudar. É esse, aliás, o único motivo para mudarmos seja de que for: não estar apaixonado exige mudança. Sempre.

[de onde vem e de onde não vem a vida?]

De cada pessoa que amo ou admiro retiro lições. E todos os dias. E negativas e positivas. Tento extrair do que vivo aquilo que posso ser: aquilo que posso vir a ser. Sem preconceitos.

O preconceito é um dos maiores incendiários do mundo — se não mesmo o maior. Alguém que age e pensa sustentado no que não sabe o que é, mas que recusa saber efectivamente o que é, é alguém desonesto. E perigoso.

As minhas referências são sempre aqueles que pensam pela sua cabeça. Que seguem em frente por mais que, por vezes, pareça complicado, doloroso. São esses os que me interessam. Serás um deles? 

Omissão: s.f. Capacidade para fintar a verdade e mesmo assim não sair do sítio. Nada do que não é verdadeiro te muda verdadeiramente.

Mais notícias de Como F**er um Casamento?

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!