Pedro Chagas Freitas
Pedro Chagas Freitas Dicionário do amor

Notícia

Rebeldia

Rebeldia: s.f.: Capacidade de olhar para o mundo com olhos selvagens. Somos todos carneiros mas depois alguns crescem.
25 de junho de 2018 às 13:48
...
Rebeldia

A vida é isto,

pensava André, enquanto ouvia a mulher da sua vida

("a mulher de todas as minhas vidas; tenho a certeza de que se nascesse mais dez vezes mais dez vezes iria tê-la como a pessoa que me falta, a pessoa que me faz mais eu, mais pessoa")

dizer-lhe que não, que não dava mais, que não podia dar mais, que estava tudo feito e desfeito entre eles.

Fazer amor é o céu; desfazer amor é o inferno.

Mas, mas, mas,

dizia André, tentava dizer André, perante a inflexibilidade dela que só o vergava ainda mais, cada vez mais

("que vai ser de mim sem ti para me dizeres o que sou? O que vai ser de mim sem ti para me mostrares que estou a ir longe demais ou que estou a ir longe de menos? O que vai ser de mim sem as tuas palavras quando me dói, sem as tuas palavras quando não me dói? O que vai ser de mim sem ti para festejares comigo, sem ti para chorares comigo? O que vai ser de mim?"),

e cada palavra dele era cada silêncio dela, tão decidida estava em terminar com aquilo que começou também assim, com a inflexibilidade dela

("amo-te e quero que sejas o meu homem")

e com a facilidade dele em vergar

("e vou ser o teu homem, e só quero ser o teu homem").

Os apaixonados são o céu; os desapaixonados são o inferno.

Temos de decidir o que fazer com o que sobra de nós,

indagava ela, e com isso queria falar de dinheiros, de casas, de carros, até de animais domésticos, enquanto ele ao ouvir o que ouviu só pensava que o que sobrava deles era outra coisa, que o sobrava deles era outra coisa que não coisas propriamente ditas

("o que sobra de mim quando não te tenho é uma espécie de lixo, é uma espécie de nada, é uma espécie de vazio, um espaço que nunca conseguirei preencher, é certo que irei ter quem tente ocupar o espaço, quem me beije e me ame o corpo e a vida, mas esse espaço que é teu nunca será preenchido, porque é um espaço inventado por ti e ao qual só tu acedes, depois de ficar com o teu espaço vazio tudo o que sobra de mim é isso, só isso, um imenso espaço ocupado de nada"),

soubesse ela do que ele falava e talvez pudessem unir os vazios para criar uma ocupação qualquer.

O momento em que o amor acontece ocupa-nos por inteiro; e é por isso mesmo que o instante em que o amor deixa de acontecer nos desocupa por inteiro.

Amar é por isso o céu; e amar é por isso o inferno — venha daí quem saiba decidir qual é o quê na hora certa.

Rebeldia: s.f.: Acto de coragem com substância; um rebelde sem causa não é rebelde nenhum — é só um idiota.

Mais notícias de COMO F***DER UM CASAMENTO Manual Prático para Mulheres e para Homens

COMO F*DER UM CASAMENTO  18. PASSAR UM DIA SEM UM BEIJO.

COMO F*DER UM CASAMENTO 18. PASSAR UM DIA SEM UM BEIJO.

Saíste. E nem um beijo. Simplesmente foste. Tinhas certamente muito em que pensar, a empresa, as preocupações, as contas para pagar, os desafios que te esperam, mas foste sem um beijo. Deixaste um até logo distante, que quando foi falado já não estava aqui.
COMO F*DER UM CASAMENTO 14. CEDER À PREGUIÇA

COMO F*DER UM CASAMENTO 14. CEDER À PREGUIÇA

CARTA AO PREGUIÇOSO ARREPENDIDO: Meu grandessíssimo burro, como querias tu que a paixão resistisse, que a nossa vida, tal qual a sonhámos resistisse, se simplesmente te deixaste cair na preguiça? Como?
COMO F*DER UM CASAMENTO  15. SER RACIONAL.

COMO F*DER UM CASAMENTO 15. SER RACIONAL.

Eu sei: a culpa é minha. A culpa é minha e desta minha cabeça que não pára de pensar. Que não pára de questionar. Que não pára de querer entender tudo e mais alguma coisa.
COMO F***DER UM CASAMENTO  11. MAGOAR.

COMO F***DER UM CASAMENTO 11. MAGOAR.

Somos do tamanho do que impedimos em nós para magoar quem amamos. Em mim impeço tudo. Se sei que te pode magoar, paro. Se sei que te pode magoar, respiro, acalmo. E não faço.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;