Sandro Bettencourt
Sandro Bettencourt Por detrás das câmaras

Notícia

Bendita TV por cabo!

Já há muito que deixei de fazer parte do séquito que continua a assistir resignado aos conteúdos oferecidos pelos canais generalistas. A RTP, a SIC e a TVI perderam a magia, a capacidade de surpreender.
13 de setembro de 2017 às 15:40
...
Bendita TV por cabo!

Os novos tempos desencorajam o investimento em reality shows-veja-se, por exemplo as audiências calamitosas de 'Love on Top' – e a aposta obsessiva em novelas, ficção e programas de entretenimento desprovidos de qualquer ponto de interesse para os telespectadores.

Já há muito que deixei de fazer parte do séquito que continua a assistir resignado aos conteúdos oferecidos pelos canais generalistas. A RTP, a SIC e a TVI perderam a magia, a capacidade de surpreender.

Não por falta de meios, mas tão simplesmente por falta de ideias de quem as dirige, de quem tem uma inequívoca responsabilidade objectiva sobre os conteúdos que todos os dias chegam aos lares de milhões de portugueses. A televisão por cabo ganha terreno e cresce alavancada por um leque cada vais mais diversificado de canais, transformando-se no porto de abrigo para quem, como eu, foge a sete pés de lixo televisivo.

Mas a vantagem da televisão por cabo está longe de se limitar à oferta quase infinita de conteúdos. Existe também uma preocupação irrefutável em satisfazer os desejos e os anseios dos telespectadores. O regresso das séries que os fãs mais pedem e as estreias criam a oportunidade perfeita para ganhar vantagem nas audiências.

O que seria dos portugueses sem os noticiários da meia-noite nos canais de informação por cabo, com uma selecção das notícias mais relevantes e um olhar mais dinâmico sobre o que de mais importante se passou no país, sem nunca deixar espreitar o dia seguinte?

Como seria a vida dos portugueses sem a televisão por cabo, alheada de um livre arbítrio sem precedentes na história do meio audiovisual e desguarnecida da nova tecnologia, autêntica bússola para escapar a grelhas de programação obsoletas? Por todos estes motivos e mais alguns: bendita TV por cabo!

Mais notícias de POR DETRÁS DA CÂMARA

O poder da fé

O poder da fé

Na década de 90 Marco Paulo fintou o destino. A crença, a vontade de viver e servir uma autêntica legião de fãs agarraram-no à vida. Agora não será diferente.
Não pode valer tudo!

Não pode valer tudo!

Bastet e João Cabeleira são acusados de abandonar seis cães à fome. O alerta foi dado pelos vizinhos das figuras públicas e denunciado por Maya nas redes sociais. A ex-mulher do guitarrista dos Xutos e Pontapés aceitou explicar a situação, em direto, na CMTV mas desistiu no último segundo.
Meghan Markle: vítima ou vilã?

Meghan Markle: vítima ou vilã?

Não me parece justo, nem tão pouco equilibrado que se coloque todo o ónus da decisão de um casal apenas sobre Meghan Markle. E Harry? Afinal foi ele que nasceu com sangue azul e que tem desde o berço obrigações ancestrais para com coroa britânica.
Duas décadas de lealdade

Duas décadas de lealdade

Com Cristina Ferreira a cimentar a liderança nas manhãs, eis que acontece algo que merece aplausos. No dia 22 de novembro, ‘A Praça da Alegria’ foi o programa mais visto na televisão portuguesa, durante 20 minutos, ultrapassando o programa da SIC.
Calvário na televisão

Calvário na televisão

Embora legítima, não deixa de surpreender a opção de Ângelo Rodrigues em aceitar o convite da estação onde trabalha para expor o que já disse prezar acima de tudo: a vida privada.
Audiências: Share e Rating. O que é isso?

Audiências: Share e Rating. O que é isso?

Têm sido cada vez mais os espectadores atentos e interessados que me questionam sobre a diferença entre rating e share. A compreensão destas duas ferramentas é fundamental para melhor perceber o que está em jogo na guerra das audiências televisivas.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;