Sandro Bettencourt
Sandro Bettencourt POR DETRÁS DA CÂMARA

Notícia

Meghan Markle: vítima ou vilã?

Não me parece justo, nem tão pouco equilibrado que se coloque todo o ónus da decisão de um casal apenas sobre Meghan Markle. E Harry? Afinal foi ele que nasceu com sangue azul e que tem desde o berço obrigações ancestrais para com coroa britânica.
14 de janeiro de 2020 às 16:58
...
Meghan Markle: vítima ou vilã?

A decisão de Meghan Markle e Harry em passar a viver longe da família real acicatou a curiosidade dos media em relação a um casal que luta desde o primeiro dia pela felicidade. Assim que comunicaram ao mundo a intenção de descolar o mais possível dos protocolos da monarquia começaram desde logo a surgir as mais diversas teorias da conspiração.

Os fãs da monarquia britânica e principalmente os haters da antiga atriz mobilizam-se desde então numa cruzada implacável contra a mulher de Harry. Para os tablóides britânicos ela, que ainda nem sequer se manifestou, para além do que escreveu a quatro mãos com o filho mais novo de Diana em comunicado, já ganhou o epiteto de vilã, de traidora. O famoso jornalista inglês Piers Morgan é o rosto do ódio que se destila em Inglaterra. Em entrevista ao 'Daily Mail', não poupou nas críticas e arrasou por completo os duques de Sussex, principalmente Meghan, acusando-os de se "vitimizarem" e de serem "egoístas e chorões." Em Portugal, imagine-se, até já lhe chamaram "rata velha" em direto num canal de televisão.

Não me parece justo, nem tão pouco equilibrado que se coloque todo o ónus da decisão de um casal apenas sobre Meghan Markle. E Harry? Afinal foi ele que nasceu com sangue azul e que tem desde o berço obrigações ancestrais para com coroa britânica. Sinto que de um modo geral está a ganhar a teoria simplista de que a Meghan lhe fez a cabeça, que urdiu um plano pérfido para o afastar do núcleo familiar sem com isso perder estatuto e popularidade.

O quotidiano da família real britânica está longe de ser um conto de fadas e Harry conseguiu perceber isso de forma mais crua assim que ganhou mundo ao lado da mãe do filho. As polémicas começaram muito antes de surgir Meghan Markle e vão continuar a aparecer muito depois da sua existência. Muito se tem falado sobre o que a americana ganhou com o casamento. E o que perdeu? Não entra na equação? Deixou de representar, apagou redes sociais, deixou de se vestir como queria, foi alvo de vários ataques racistas, viu o passado escalpelizado pela imprensa.

Harry, atento a tudo isto, interveio e clamou por respeito. Mas de nada valeram as suas palavras. Depois de serem publicamente apoiados por Isabel II, os duques de Sussex estão ainda longe de perceber o que lhes reserva o futuro. Já Meghan terá de se habituar a viver com a fama de ter destruído a harmonia da família real britânica. Afinal, ela é vítima ou vilã?

Mais notícias de Por detrás da Câmara

Impossível baixar a guarda!

Impossível baixar a guarda!

Infelizmente basta ligar a televisão ou ler as manchetes dos principais jornais e meios de comunicação online para perceber que as festas ilegais continuam a acontecer de norte a sul do país; que os convívios multinucleares são cada vez mais encarados como autênticas festas de desconfinamento, que o sol, o calor e o mar estão a toldar os sentidos conduzindo-nos para o precipício.
Jornalismo: o "antídoto" para a desinformação

Jornalismo: o "antídoto" para a desinformação

Os jornalistas nunca pararam durante os últimos três meses. Ao lado dos portugueses dignificaram a missão e o compromisso de informá-los ao segundo sobre a Pandemia. Esta crise trouxe consigo a certeza de que a comunicação social é o pilar de qualquer democracia.
Parabéns CMTV!

Parabéns CMTV!

Sete anos depois a CMTV continua na linha da frente com as notícias que marcam a história do país e do mundo. O canal do 'Correio da Manhã' está mais próximo do que nunca dos portugueses na luta contra o Covid-19.
E agora, Ronaldo?

E agora, Ronaldo?

Cristiano Ronaldo vive talvez o maior drama desde que o pai faleceu em 2005. A mãe, confidente e melhor amiga continua internada no hospital depois de sofrer um AVC.
O poder da fé

O poder da fé

Na década de 90 Marco Paulo fintou o destino. A crença, a vontade de viver e servir uma autêntica legião de fãs agarraram-no à vida. Agora não será diferente.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;