Os maiores boatos de sempre em Portugal

Laura Diogo, cantora das Doce, foi vítima de um boato na década de 80 envolvendo Reinaldo, famoso jogador do Benfica. Segundo o rumor, a cantora teria ido para às urgências depois de ter tido sexo anal com o futebolista. Uma mentira, já que a artista e o craque da bola nunca se conheceram e o hospital de Santa Maria negou a presença de Laura nas suas instalações. A história foi desmentida por todas as partes.

Carlos Paião morreu em 1988 num terrível desastre automóvel em Rio Maior quando ia a caminho de um concerto em Penalva do Castelo. Este é talvez o mais conhecido rumor em Portugal, que garante que o cantor foi enterrado vivo, provado por marcas de unhas no interior do caixão. Uma mentira já que a própria mulher do autor de 'Playback' e 'Pó de Arroz' já desmentiu. Paião teve morte quase imediata e foi autopsiado antes de ser enterrado.

Este boato tem o nome de Catherine Deneuve. Diz-se que este era o nome pelo qual era chamado um político influente em Portugal que se passeava no Parque Eduardo VII, zona de prostituição e pedofilia. A notícia sempre correu entre os meios jornalísticos e surgiu pela primeira vez no jornal francês 'Le Point', em 2003, a propósito do caso Casa Pia. Nada foi apurado pela procuradoria.

Decorria o ano de 1989 quando o jovem futebolista do Benfica, Hernâni, foi apanhado nas malhas do doping. Uma análise à urina revelou presença de cocaína. Mas nos bastidores sempre correu o rumor que de que Hernâni foi sacrificado para encobrir o nome do verdadeiro teste positivo, um jogador mais velho e de grande influência no clube da Luz.

Manuel Luís Goucha e Teresa Gulherme apresentaram em conjunto durante muito tempo um programa na televisão. Daí a que o par tenha casado em segredo foi um passo. Em 1991 surgiam na capa de uma revista a propósito de um enlace que nunca aconteceu. Até hoje ambos brincam com isso porque ainda há muita gente que acredita neste casamento.

Em 1973, um ano antes da Revolução dos Cravos, a PIDE pôs a circular o boato de que Mário Soares (que estava exilado) havia pisado a bandeira portuguesa. Por mais desmentidos efetuados, e ameaças de processos judiciais, o boato continuou a perseguir o ex-primeiro ministro e ex-presidente da república até aos dias da sua morte.

A notícia correu mundo num ápice. O pequeno Saúl, autor do famoso ‘O Bacalhau Quer Alho’, foi dado morto num acidente de viação. O artista teve de ir à televisão em direto para provar que estava vivo.

Um mito urbano que mesmo com imagens na televisão correu os boletins informativos no dia 10 de junho de 2005. Mais de 500 jovens tinham feito um arrastão na praia de carcavelos roubando os veraneantes. A policia chegou ao local em peso e o que se vê na TV são as pessoas as fugir sem saber exatamente do quê: resultado, uma única participação de roubo e quatro detenções.

Este é um dos boatos que dura há já 40 anos: "Há ratos gigantes nos subterrâneos do Convento de Mafra. Tão grandes que têm de ser alimentados para não virem à superfície em busca de comida e já comeram dois militares, para lá entrar só de lança-chamas." Tudo mentira. Há ratos sim, normais e em números bem reduzidos. E os militares mortos são apenas um, que morreu numa queda para os túneis e só foi encontrado dois dias depois, já com marcas dos pequenos roedores.

Este boato teve o sentido de prejudicar politicamente José Sócrates. Dava conta, em plena campanha eleitoral de 2005, de uma relação amorosa entre o político e o ator. A notícia apareceu num jornal do Brasil e dizia que o socialista era visto a entrar e sair de casa de Diogo Infante. Isto é a única meia-verdade: Sócrates entrava sim no prédio, mas para se encontrar com a sua namorada secreta, uma conhecida jornalista.

Há o rumor de que algumas das famosas atrizes que hoje vemos na televisão tiveram no início da carreira outros part-time, ligados à industria das acompanhantes de luxo. Há quem assegure que pagava 500 euros por semana para ter sexo com estas jovens. Há ainda nas redações das revistas listas com o nome das famosas alegadamente envolvidas.

Este não é um boato interno, mas é acarinhado pelos portugueses como sendo verdadeiro e dá conta que o verdadeiro pai de Harry é o antigo oficial do exército James Hewitt e não Carlos. Mas a princesa Diana só conheceu o seu amante quase dois anos depois depois de engravidar pela segunda vez e o próprio Hewitt já negou qualquer parentesco.

Notícia

;