pub
Paulo Abreu
Paulo Abreu O Tal Canal

Notícia

Arrogância em directo

No Mais Transferências, Rui Pedro Braz opina sobre tudo, o que o leva a dizer hoje uma coisa e amanhã outra com a maior das naturalidades. Além disso, não é com aquela agressividade que conquista um espectador para a TVI24. Bem pelo contrário.
29 de julho de 2017 às 08:00

1. Não gosto de ver o Mais Transferências, programa da TVI24. Em primeiro lugar, por ser baseado nas notícias dos jornais desportivos do dia; em segundo, por culpa de Rui Pedro Braz. Bem-falante, que opina sobre tudo e mais alguma coisa, levando-o muitas vezes, por isso, a dizer hoje uma coisa e amanhã outra com a maior das naturalidades, vi-o há dias num bate-boca com o seu colega, Manuel Queiroz, acerca de Octávio Machado. É feio aquele ar agressivo e arrogante em televisão, não é assim (nunca foi) que se travam ideias e opiniões diferentes com quem quer que seja, e, pior, não é deste modo que se conquista um espectador – mesmo que estivesse na BTV, onde se formou. Bem pelo contrário.

2. Segunda-feira, 24. O relógio marca 14:32 e vejo uma (boa) promoção na TVI ao programa Apanha Se Puderes, com Cristina Ferreira aos gritos e aos pulos, a entregar prémios aos concorrentes. Lembrei-me, nesse instante, d’O Preço Certo, um formato tão maltratado pelos responsáveis da RTP, desde Nuno Artur Silva a Daniel Deusdado. Fernando Mendes, líder de audiências desde sempre, que já recusou propostas milionárias da concorrência, por amor à camisola, não merecia tamanha falta de respeito e consideração dentro da sua própria casa. Merecia, sim, ser mais promovido, que lhe dessem prémios ainda melhores para oferecer diariamente aos portugueses, e acarinhado e apoiado pela estrutura, sem vergonha de nada. É assim que se faz, principalmente quando se está numa guerra. Abandonado no campo de batalha, resta saber se irá a tempo de voltar a sorrir.

3. Teresa Guilherme ganhou da TVI um novo reality show, ainda sem nome, com 16 famosos e que estreia já em Setembro, ela que recusou (e bem) continuar a apresentar mais edições de Love on Top, um degredo completo em Queluz de Baixo. Afinal, nestes seis meses, descansou a cabeça, e o corpo, protegeu a imagem e mostrou a quem manda que não pode, aos 62 anos e com o seu currículo, fazer tudo o que lhe metem à frente.

 * O autor desta crónica escreve de acordo com a antiga ortografia.

Mais notícias de Por detrás das câmaras

É tempo de sonhar...

É tempo de sonhar...

Ai, se eu pudesse voltar a sonhar como dantes, mesmo que fosse a preto e branco. A magia da televisão vai crescendo por estes dias e atinge de forma indiscriminada milhões de pessoas que acabam por ser acometidas pelas mesmas reminiscências.
Ofender

Ofender

Ofender: v. Aquilo que só fazes a quem te ama; quando alguém que não amas te ofende não te ofende coisa nenhuma — e é sequer pensar que o faz que é ofensivo.

Violência juvenil

É certo que a culpa é de quem matou e a eles devem ser imputada a responsabilidade criminal sobre o sucedido. Em matéria criminal, essas duas dimensões da nossa existência social é individual.
SIC e TVi24: tiros nos pés

SIC e TVi24: tiros nos pés

A SIC acaba com ‘Juntos à Tarde’, de João Baião e Rita Ferro Rodrigues, em menos de um ano. E a TVI24 quase parece a BTV… Um desastre total.
Os pesadelos da TV

Os pesadelos da TV

As séries da RTP, os reality shows da TVI e os formatos da SIC ao domingo são os principais flops do ano, na área do entretenimento e ficção. Segunda parte do balanço de 2017 na televisão portuguesa.
Não podemos deixar que os rios sequem

Não podemos deixar que os rios sequem

Tudo muda depois de um furacão. Às vezes para sempre. Como naquela ilha, uma das mais belas do mundo, onde sonhei levar-te um dia, Caye Caulker, no Belize, esse paraíso entre o México e a Guatemala.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável