'

Notícia

Polémica

Pobreza, racismo e valores: Matay sofre ao ter de explicar aos filhos que não faz mal "ser preto"

O gigante de coração de ouro que jura “não fazer boneco” a cantar. É um dos jurados mais carismáticos do 'All Together Now', da TVI e afirma: “As lágrimas não chegaram para mostrar o amor que senti por aquela gente.”
Por João Bénard Garcia | 09 de maio de 2021 às 16:31
Matay, o gigante com o coração de ouro que continua a lutar contra o racismo
Ruben Matay, Matay
Ruben Matay, Matay
Ruben Matay, Matay
Ruben Matay, Matay
Ruben Matay, Matay
Ruben Matay, Matay
Ruben Matay, Matay
Ruben Matay, Matay
Ruben Matay, Matay
Ruben Matay, Matay
Ruben Matay, Matay
Ruben Matay, Matay
Ruben Matay, Matay
Ruben Matay, Matay
Ruben Matay, Matay
Ruben Matay, Matay
Ruben Matay, Matay
Ruben Matay, Matay
Ruben Matay, Matay
Ruben Matay, Matay
Ruben Matay, Matay
Ruben Matay, Matay
Ruben Matay, Matay
Ruben Matay, Matay
Cresceu em Marvila, no lado oriental de capital. Apaixonou-se pelo râguebi e pela música. Aos 34 anos, Ruben Matay, o animador cultural que até há bem pouco tempo trabalhava com jovens no bairro da Boavista, é um cantor que lutou a pulso no meio artístico nacional, em especial depois de ter conhecido o colega Dengaz, um rapper de Cascais.

Hoje, é um dos jurados do 'All Together Now', programa da TVI que classifica como sendo uma experiência "maravilhosa". Filho de pai cabo-verdiano e mãe angolana, Ruben Matay sente-se português de corpo inteiro. "Portugal é o meu país. Foi aqui que nasci. Sou natural de São Jorge de Arroios, em Lisboa", orgulha-se.

A música reinava na casa da família Leal Sousa, mas a riqueza não abundava. Matay não esquece esse facto e tenta passar os valores da modéstia aos filhos, Vicente (8 anos) e Santiago (5). "Não tínhamos muito, mas tínhamos amor. Lembro-me de que os meus colegas tinham uns ténis da moda e eu adorava aqueles ténis. A minha mãe tinha um fio... Era o fio da sua vida e foi ao Rossio, a uma loja de penhores, empenhá-lo para me poder comprar os ténis. Estas memórias são a base da minha vida."

SOFRER COM A COR DA PELE

Nasceu negro, afirma ter orgulho na cor da sua pele e assume ter "sangrado por dentro" quando o filho mais novo chegou a casa a dizer-lhe "papá, eu não quero ser preto!". "É duro ouvir um filho dizer-te isto. Ele tem 5 anos. Mas é assim que aprendemos a viver com o peso da cor da nossa pele. Disse-lhe: ‘Não faz mal seres da cor do papá’. Nós somos pretos e com orgulho. Provavelmente, daqui a 30 anos, um neto meu vai dizer a mesma coisa a um filho meu", lamenta.

Leia o artigo completo na edição desta semana da TV Guia, já nas bancas.

Vai gostar de

você vai gostar de...

Mais Lidas

+ Lidas

Instagram

Instagram

Newsletter

Newsletter

Subscreva a newsletter e receba diariamente todas as noticias de forma confortável
Subscrever